Dólar cai abaixo de R$ 3,70 com exterior e Ibovespa renova máximas nesta 4ª

Publicado em 09/01/2019 17:20 e atualizado em 09/01/2019 18:35
179 exibições

LOGO REUTERS

Por Claudia Violante

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar recuou novamente nesta quarta-feira e fechou abaixo de 3,70 reais pela primeira vez em mais de dois meses, acompanhando o comportamento da moeda no mercado externo após o término das negociações comerciais entre Estados Unidos e China e em meio à expectativa de anúncio de uma proposta de reforma da Previdência pelo governo Jair Bolsonaro.

O dólar recuou 0,75 por cento, a 3,6878 reais na venda, menor nível desde 26 de outubro passado, quando fechou a 3,6546 reais. Desde 1º de novembro o dólar não fechava abaixo de 3,70 reais.

Foi a quinta queda em seis pregões, levando a moeda norte-americana a acumular no ano até agora recuo de 4,85 por cento. Na mínima desta sessão, a moeda foi a 3,6758 reais e, na máxima, a 3,7128 reais.

O dólar futuro tinha queda de 0,73 por cento, tendo ampliado a queda após a divulgação da ata da reunião de dezembro do comitê de política monetária do Federal Reserve.

"O que o governo tem apresentado é positivo, mas agora precisamos de ação", ponderou a estrategista de câmbio do banco Ourinvest Fernanda Consorte.

Na véspera, o ministro da Economia, Paulo Guedes, após reunião com o chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse que a reforma do atual modelo de Previdência será acompanhada pela criação de um regime de capitalização, que trará ganhos mais fortes para o sistema.

Guedes disse ainda que a reforma não será fatiada e que o governo estuda proposta com regra de transição "da mesma profundidade" da que existia antes, que considerava um tempo de 20 anos para a travessia.

Nesta manhã, Onyx acrescentou que o presidente Jair Bolsonaro decidirá na próxima semana sobre a proposta que será apresentada e enfatizou que a intenção é apresentar um pacote único ao Congresso para reformar o sistema previdenciário, ao invés de uma reforma fatiada.

"Precisamos ver o que de fato vai ser discutido no Congresso", acrescentou Fernanda Consorte, ressaltando que, até que os parlamentares voltem ao trabalho, em fevereiro, os investidores locais devem continuar sendo os mais 'animados' com Brasil.

Isso porque o mercado externo ainda tem questões que prejudicam os emergentes, como a desaceleração global decorrente da guerra comercial entre Estados Unidos e China.

No entanto, predominou nesta sessão o otimismo de que EUA e China possam avançar na direção de um acordo comercial após três dias de reuniões, aliviando os temores de uma guerra comercial generalizada.

O gabinete do Representante de Comércio dos EUA informou nesta quarta-feira que a China prometeu comprar "um volume substancial" de bens e serviços agrícolas, energéticos e manufaturados dos Estados Unidos. Além disso, afirmou que os dois países discutiram "maneiras de alcançar imparcialidade, reciprocidade e equilíbrio nas relações comerciais" entre eles.

O editor de um jornal estatal chinês afirmou em uma publicação em uma mídia social acreditar que a China e os EUA divulgarão um comunicado na quinta-feira sobre as negociações desta semana.

Essa perspectiva ajudava o dólar a recuar ante a cesta de moedas e também ante divisas de emergentes, como o peso mexicano.

Após o fechamento do dólar à vista, o Federal Reserve divulgou a ata do último encontro de política monetária, quando os juros foram elevados pela quarta vez no ano nos EUA. A ata mostrou, contudo, que muitos membros do Fed defenderam paciência em relação a altas futuras dos juros.

"As condições financeiras pioraram um pouco na margem, o que tende a elevar a probabilidade de que o Fed ainda pode revisar para baixo as duas altas de juros previstas no comunicado para as próximas reuniões", avaliou a GO Asssociados em relatório.

Pesquisa da Reuters com economistas indicou que a expectativa é que o dólar fique em torno de 3,7650 reais até o fim de 2019, de acordo com a mediana das estimativas de 26 analistas. As projeções para o câmbio em um, três e seis meses na pesquisa ficaram próximas desse nível, embora alguns especialistas alertem para instabilidades conforme o governo do presidente Jair Bolsonaro busca a aprovação das aguardadas reformas econômicas.

O BC vendeu nesta sessão 13,4 mil contratos de swap cambial tradicional, equivalente à venda futura de dólares. Desta forma, rolou 4,02 bilhões de dólares do total de 13,398 bilhões de dólares que vencem em fevereiro.

Se mantiver essa oferta diária e vendê-la até o final do mês, terá feito a rolagem integral.

Ibovespa renova máximas com exterior favorável e expectativa sobre reforma da Previdência

LOGO REUTERS

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - A bolsa paulista fechou com o Ibovespa em nova máxima histórica nesta quarta-feira, superando os 93 mil pontos pela primeira vez, em meio a um cenário externo favorável a ativos de risco e perspectivas positivas relacionadas à amplamente aguardada reforma da Previdência no Brasil.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa subiu 1,72 por cento, a 93.613,04 pontos, tendo atingido 93.625,82 pontos no melhor momento da sessão, recorde intradia. O volume financeiro somou 16,5 bilhões de reais.

A expectativa de avanço nas negociações comerciais entre Estados Unidos e China respaldou o apetite a risco global logo nos primeiros negócios desta quarta-feira, com o governo norte-americano divulgando à tarde que as conversas terminaram com os negociadores focados no pedido de Pequim para comprar mais bens.

A notícia não trouxe euforia ao mercado, que aguardava algum acordo entre os gigantes econômicos, em disputa que tem adicionado preocupações sobre os efeitos no ritmo de crescimento da economia global e no resultado de empresas. Ainda assim, sugeriu disposição de ambos em seguir negociando.

No final da tarde, a ata da última reunião de política monetária do banco central dos EUA mostrou que muitos membros do Federal Reserve defenderam no encontro de dezembro paciência quanto a altas futuras dos juros norte-americanos.

"A ata trouxe um conteúdo benigno a ativos reais, como ações", destacou o operador Alexandre Soares, da BGC Liquidez DTVM, citando ainda os comentários de membros do Fed no documento no sentido de manter uma reserva maior de títulos, bem como atenuar o ritmo da redução das reservas em andamento.

Da cena doméstica, sinalizações recentes de avanço na formulação de proposta de reforma da Previdência, considerada crucial por investidores para a melhora da situação fiscal do país e assim da confiança no Brasil, continuaram chancelando o tom positivo nos negócios.

"A perspectiva de que a proposta da reforma da Previdência poderá ser mais profunda e apresentada pela nova equipe econômica na próxima semana deverá realimentar o ânimo", disse a equipe da corretora Ágora, conforme nota distribuída a clientes mais cedo nesta quarta-feira.

DESTAQUES

- VALE subiu 2,44 por cento, apesar do declínio dos preços do minério de ferro, apoiada na melhora do cenário externo, em particular as expectativas sobre a disputa comercial entre Washington e Pequim.

- PETROBRAS ON avançou 2,02 por cento e PETROBRAS PN valorizou-se 2,08 por cento, favorecidas pela alta do petróleo no exterior, enquanto continuam as expectativas sobre a revisão do contrato de cessão onerosa.

- ITAÚ UNIBANCO PN subiu 1,52 por cento e BRADESCO PN avançou 1,72 por cento, endossando a alta no pregão, contaminadas pelo maior apetite global a risco. BANCO DO BRASIL, por sua vez, caiu 0,27 por cento.

- COSAN fechou em alta de 8,16 por cento, com a equipe do BTG Pactual avaliando, em nota a clientes, que o movimento pode estar relacionado a uma expectativa de que as estimativas da empresa para 2019 surpreendam positivamente.

- BB SEGURIDADE caiu 3,16 por cento, tendo de pano de fundo corte na recomendação por analistas do JPMorgan, de 'neutra' para 'underweight'.

Fonte: Reuters

Nenhum comentário