Assista na íntegra, o discurso de Bolsonaro em Davos

Publicado em 22/01/2019 13:54 e atualizado em 24/01/2019 02:37
1711 exibições
Bolsonaro defende preservação ambiental e desenvolvimento econômico

DAVOS, Suíça (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro disse nesta terça-feira, em um breve discurso no Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, que seu governo tem a credibilidade para fazer as reformas necessárias ao Brasil e que o mundo espera que sejam feitas pelo país, sem detalhar, no entanto, quais são essas reformas e deixando de citar até mesmo a reforma da Previdência, apontada por todos como a prioridade.

Em sua fala, de cerca de seis minutos, bem mais curta do que costuma ocorrer nos discursos realizados durante este evento, Bolsonaro não entrou em detalhes, ao mesmo tempo que garantiu, de forma genérica, que vai trabalhar pela estabilidade macroeconômica, respeitando contratos, privatizando e equilibrando as contas públicas.

Bolsonaro afirmou que o Brasil ainda é uma economia relativamente fechada ao comércio internacional, e que mudar essa condição é um dos maiores compromissos de seu governo.

"Gozamos de credibilidade para fazer as reformas de que precisamos e que o mundo espera de nós", disse Bolsonaro durante o discurso de abertura do fórum.

"Vamos diminuir a carga tributária, simplificar as normas, facilitando a vida de quem deseja produzir, empreender, investir e gerar empregos", prometeu, sem detalhar os planos para atingir esses objetivos.

O presidente acrescentou, ainda, que vai buscar integrar o Brasil ao mundo também por meio de uma defesa ativa da reforma da Organização Mundial do Comércio (OMC) para eliminar "práticas desleais de comércio" e garantir segurança jurídica das trocas comerciais internacionais.

"Tenham certeza de que, até o final do meu mandato, nossa equipe econômica, liderada pelo ministro Paulo Guedes, nos colocará no ranking dos 50 melhores países para se fazer negócios", afirmou durante o discurso.

Bolsonaro também prometeu compatibilizar meio ambiente e desenvolvimento, defendendo o histórico brasileiro de preservação ao afirmar que o país dá exemplo ao mundo nesta área, e prometeu uma maior integração do Brasil com o mundo, adotando as "melhores práticas", como as adotadas e promovidas pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

"Estamos aqui porque queremos, além de aprofundar nossos laços de amizade, aprofundar nossas relações comerciais", afirmou o presidente.

"Nossas ações, tenham certeza, os atrairão para grandes negócios, não só para o bem do Brasil, mas também para o de todo o mundo. Estamos de braços abertos. Quero mais que um Brasil grande, quero um mundo de paz, liberdade e democracia."

PARLAMENTO E MERCOSUL

Após seu breve discurso, Bolsonaro passou também por uma rápida sessão de perguntas e respostas, quando reconheceu que seu governo precisará do Parlamento, citando especificamente mudanças legislativas para fomentar o combate à corrupção.

Ele afirmou que o ministro da Justiça, Sérgio Moro, que o acompanha na viagem a Davos, primeira visita internacional do presidente desde sua posse em 1º de janeiro, terá todos as condições para "seguir o dinheiro" e combater irregularidades.

Bolsonaro também disse que buscará incentivar o comércio sem "viés ideológico", mas concentrado em trocas com países que "comungam com práticas semelhantes às nossas" sem, no entanto, detalhar quais seriam essas práticas.

"Entendemos que temos muito a oferecer aos senhores e gostaríamos, e muito, de fazer parcerias para o bem-estar dos nossos povos", disse.

Quando indagado sobre a América do Sul e o Mercosul, Bolsonaro afirmou que "alguma coisa precisa ser aperfeiçoada" no bloco comercial sul-americano, e fez a avaliação de que, com a recente eleição de governos de direita e centro-direita na região, a esquerda "não prevalecerá" no continente.

"Nós estamos preocupados, sim, em fazer uma América do Sul grande. Em que cada país, obviamente, mantenha sua hegemonia local. Não queremos uma América boliviariana como há pouco existia no Brasil em governos anteriores", afirmou.

"Eu acho que essa forma de interagir com os demais países da América do Sul vem contagiando esses países e mais gente de centro e de centro-direita tem se elegido presidente nesses países. Creio que isso seja uma resposta que a esquerda não prevalecerá nessa região. O que é muito bom, no meu entender, não só para a América do Sul, bem como para o mundo."

(Reportagem de Mark Bendeich; Texto em português de Eduardo Simões, em São Paulo)

Assista ao discurso de Jair Bolsonaro no Fórum Econômico de Davos:

Leia mais:
» Em Davos, Bolsonaro diz confiar que seu governo terá respaldo do Congresso

» Bolsonaro diz em Davos que trabalhará por estabilidade econômica com privatizações e respeito a contratos

Discurso de Bolsonaro, em Davos

Boa tarde a todos!

Muito obrigado, professor Schwab!

Agradeço, antes de mais nada, o convite para participar deste fórum e a oportunidade de falar a um público tão distinto.

Agradeço também a honra de me dirigir aos senhores já na abertura desta sessão plenária.

Esta é a primeira viagem internacional que realizo após minha eleição, prova da importância que atribuo às pautas que este fórum tem promovido e priorizado.

Esta viagem também é para mim uma grande oportunidade de mostrar para o mundo o momento único em que vivemos em meu país e para apresentar a todos o novo Brasil que estamos construindo.

Nas eleições, gastando menos de 1 milhão de dólares e com 8 segundos de tempo de televisão, sendo injustamente atacado a todo tempo, conseguimos a vitória.

 Assumi o Brasil em uma profunda crise ética, moral e econômica.

 Temos o compromisso de mudar nossa história.

Pela primeira vez no Brasil um presidente montou uma equipe de ministros qualificados. Honrando o compromisso de campanha, não aceitando ingerências político-partidárias que, no passado, apenas geraram ineficiência do Estado e corrupção.

Gozamos de credibilidade para fazer as reformas de que precisamos e que o mundo espera de nós.

Aqui entre nós, meu ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, o homem certo para o combate à corrupção e o combate à lavagem de dinheiro.

Vamos investir pesado na segurança para que vocês nos visitem com suas famílias, pois somos um dos primeiros países em belezas naturais, mas não estamos entre os 40 destinos turísticos mais visitados do mundo. Conheçam a nossa Amazônia, nossas praias, nossas cidades e nosso Pantanal. O Brasil é um paraíso, mas ainda é pouco conhecido!

Somos o país que mais preserva o meio ambiente. Nenhum outro país do mundo tem tantas florestas como nós. A agricultura se faz presente em apenas 9% do nosso território e cresce graças a sua tecnologia e à competência do produtor rural. Menos de 20% do nosso solo é dedicado à pecuária. Essas commodities, em grande parte, garantem superávit em nossa balança comercial e alimentam boa parte do mundo.

Nossa missão agora é avançar na compatibilização entre a preservação do meio ambiente e da biodiversidade com o necessário desenvolvimento econômico, lembrando que são interdependentes e indissociáveis.

Os setores que nos criticam têm, na verdade, muito o que aprender conosco.

Queremos governar pelo exemplo e que o mundo restabeleça a confiança que sempre teve em nós.

Vamos diminuir a carga tributária, simplificar as normas, facilitando a vida de quem deseja produzir, empreender, investir e gerar empregos.

Trabalharemos pela estabilidade macroeconômica, respeitando os contratos, privatizando e equilibrando as contas públicas.

 O Brasil ainda é uma economia relativamente fechada ao comércio internacional, e mudar essa condição é um dos maiores compromissos deste Governo.

Tenham certeza de que, até o final do meu mandato, nossa equipe econômica, liderada pelo ministro Paulo Guedes, nos colocará no ranking dos 50 melhores países para se fazer negócios.

Nossas relações internacionais serão dinamizadas pelo ministro Ernesto Araújo, implementando uma política na qual o viés ideológico deixará de existir.

Para isso, buscaremos integrar o Brasil ao mundo, por meio da incorporação das melhores práticas internacionais, como aquelas que são adotadas e promovidas pela OCDE.

Buscaremos integrar o Brasil ao mundo também por meio de uma defesa ativa da reforma da OMC, com a finalidade de eliminar práticas desleais de comércio e garantir segurança jurídica das trocas comerciais internacionais.

Vamos resgatar nossos valores e abrir nossa economia.

Vamos defender a família e os verdadeiros direitos humanos; proteger o direito à vida e à propriedade privada e promover uma educação que prepare nossa juventude para os desafios da quarta revolução industrial, buscando, pelo conhecimento, reduzir a pobreza e a miséria.

Estamos aqui porque queremos, além de aprofundar nossos laços de amizade, aprofundar nossas relações comerciais.

Temos a maior biodiversidade do mundo e nossas riquezas minerais são abundantes. Queremos parceiros com tecnologia para que esse casamento se traduza em progresso e desenvolvimento para todos.

Nossas ações, tenham certeza, os atrairão para grandes negócios, não só para o bem do Brasil, mas também para o de todo o mundo.

Estamos de braços abertos. Quero mais que um Brasil grande, quero um mundo de paz, liberdade e democracia.

Tendo como lema “Deus acima de tudo”, acredito que nossas relações trarão infindáveis progressos para todos.

Muito obrigado.

 

Fonte: Notícias Agrícolas/Reuters

Nenhum comentário