Crescimento de serviços da China desacelera para mínima de 4 meses, mostra PMI do Caixin

Publicado em 05/03/2019 10:38
16 exibições

PEQUIM (Reuters) - O setor de serviços da China expandiu no ritmo mais lento em quatro meses em fevereiro, pressionado pelo número mais fraco de novas encomendas tanto interna quanto externamente, mostrou nesta terça-feira a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) do Caixin/Markit.

O PMI de serviços do Caixin/Markit caiu a 51,1 em fevereiro, menor leitura desde outubro e ante 53,6 em janeiro. A marca de 50 separa crescimento de contração.

O crescimento das novas encomendas caiu para o menor nível desde outubro, enquanto as vendas de exportação subiram no ritmo mais fraco em cinco meses, indicando demanda mais fraca tanto interna quanto externa.

China cortará impostos e aumentará empréstimos para sustentar a economia

PEQUIM (Reuters) - A China buscará sustentar sua economia em desaceleração através de bilhões de dólares em cortes planejados de impostos e gastos com infraestrutura, com o crescimento doméstico no ritmo mais fraco em quase 30 anos devido à demanda interna mais fraca e à guerra comercial com os Estados Unidos.

O governo determinou como objetivo um crescimento de 6,0 a 6,5 por cento em 2019, disse o primeiro-ministro Li Keqiang na abertura da reunião anual do Parlamento da China nesta terça-feira, abaixo dos 6,6 por cento registrados no ano passado.

Fontes disseram à Reuters mais cedo neste ano que a China cortaria sua meta de crescimento para 2019 a 6,0 a 6,5 por cento de cerca de 6,5 por cento em 2018 uma vez que tanto a demanda global quanto a doméstica enfraqueceram e a guerra comercial com os EUA amplia os riscos econômicos.

Li alertou sobre os desafios para a segunda maior economia do mundo e prometeu manter a segurança com uma série de medidas de estímulo.

"O ambiente que o desenvolvimento da China enfrenta este ano é mais complicado e mais severo", disse ele. "Haverá mais riscos e desafios que são previsíveis ou imprevisíveis e precisamos estar totalmente preparados para uma dura batalha."

Li disse que a política fiscal da China se tornará "mais vigorosa" com cortes planejados de cerca de 2 trilhões de iuanes (298,3 bilhões de dólares) em impostos e taxas para empresas.

Para sustentar o crescimento, Li disse que a China vai monitorar de perto o emprego em empresas de exportação altamente expostas ao mercado dos EUA e reduzir o imposto sobre valor agregado para o setor manufatureiro a 13 por cento, de 16 por cento. O imposto para os setores de transporte e construção cairá a 9 por cneto, de 10 por cento.

Fonte: Reuters

Nenhum comentário