Ibovespa recua abaixo de 94 mil pts com preocupações sobre crescimento global

Publicado em 08/03/2019 11:41
23 exibições

LOGO REUTERS

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa recuava nesta sexta-feira, contaminado por preocupações sobre o ritmo de crescimento da economia global após dados mais fracos do comércio exterior chinês e criação de empregos nos Estados Unidos, enquanto o cenário político-econômico do país continua no radar.

Às 11:20, o Ibovespa caía 0,82 por cento, a 93.566,84 pontos. O volume financeiro somava 2,17 bilhões de reais.

O último pregão da semana abriu já pressionado por dados mostrando que as exportações da China caíram 20,7 por cento em fevereiro ante o ano anterior, a maior queda em três anos, enquanto as importações tiveram resultado negativo pelo terceiro mês seguido, com declínio de 5,2 por cento

"Embora fatores sazonais possam ter impactado os números, a preocupação com a desaceleração global se eleva, um dia depois que o Banco Central Europeu reduziu as previsões de crescimento para a região", afirmou a equipe da XP Investimentos a clientes.

Após a primeira meia hora de sessão, relatório do mercado de trabalho dos EUA mostrou a criação de 20 mil vagas em fevereiro, contra expectativa de 180 mil postos, embora a taxa de desemprego tenha recuado abaixo de 4 por cento e o crescimento anual dos salários foi o melhor desde 2009.

Wall Street caminhava para uma abertura negativa, com o futuro do S&P 500 em baixa de 0,77 por cento.

Do panorama brasileiro, repercutiam declarações do presidente Jair Bolsonaro na véspera, por meio de mídia social, em defesa da reforma nas regras da aposentadoria, afirmando que ela permitirá estabilizar as contas públicas e viabilizará uma "rígida" reforma tributária.

"A expectativa interna segue no compasso de espera do longo processo de tramitação da reforma da Previdência ainda por começar", destacou a equipe da Eleven Financial Research, acrescentando que o governo está na chamada curva de aprendizado principalmente quanto à comunicação.

"A especulação de curto prazo se aproveita destes embates, mas ainda assim observamos a bolsa ao longo da última semana em um movimento lateral ainda acima dos 94.000 pontos", afirmou em nota a clientes mais cedo.

DESTAQUES

- VALE perdia 1,9 por cento, afetada pelo noticiário desfavorável sobre o ritmo de atividade econômica da China, além de queda dos preços do minério de ferro em meio a preocupações com a demanda. BRADESPAR PN, holding que concentra investimentos na mineradora, caía 2,14 por cento.

- CSN recuava 4,41 por cento, no segundo dia de ajuste após fortes ganhos recentes, que levaram o papel a fechar na quarta-feira na máxima desde junho de 2011, a 15,15 reais. No setor siderúrgico, GERDAU PN caía 1,77 por cento e USIMINAS PNA cedia 1,35 por cento.

- PETROBRAS PN tinha queda de 1,46 por cento, em sessão de recuo dos preços do petróleo no exterior. PETROBRAS ON caía 1,71 por cento.

- BRADESCO PN cedia 1,11 por cento, contaminado pelo sentimento mais negativo no mercado, com ITAÚ UNIBANCO PN negociado em baixa de 0,68 por cento.

- RD subia 3,23 por cento, maior alta do Ibovespa, em meio a movimentos de 'short squeeze', com detentores de ações da rede de varejo farmacêutico pedindo de volta (recall) os papéis que haviam alugado e, assim, levando os investidores que alugaram e venderam a recomprar as ações no mercado.

Fonte Reuters

Nenhum comentário