Governo Bolsonaro tem aprovação de 34% e reprovação de 24%, diz pesquisa Ibope

Publicado em 20/03/2019 16:40
114 exibições
Levantamento ouviu 2.002 pessoas entre 16 e 19 de março; margem de erro é de 2 pontos percentuais.

Pesquisa Ibope divulgada nesta quarta-feira (20) mostra os seguintes percentuais de avaliação do governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL):

Ótimo/bom: 34%
Regular: 34%
Ruim/péssimo: 24%
Não sabe/não respondeu: 8%

Em fevereiro, segundo a pesquisa, 19% consideravam o governo "ruim/péssimo"; 30%, "regular"; e 39% o avaliavam como "bom/ótimo".

Leia a notícia na íntegra no site do G1. 

Fonte: G1

2 comentários

  • Aloísio Brito Unaí - MG

    Desejo toda sorte do mundo para nós, brasileiros. Como esse site tem a coragem de reportar tal pesquisa? Tem hora que realmente tenho que ter pena da nossa sociedade. Como podemos fazer qualquer avaliação a essa altura do mandato? Alguém fez avaliação do congresso nacional? Alguém fez avaliação do STF? Com congressistas tradicionais, funcionários fantasmas e terceirizados, mídia tradicional, ávidos por dinheiro e oportunidade de receita pessoal, como podemos fazer algo com 3 meses de governo? Sabendo-se que o País só começa a funcionar depois do carnaval? Com uma elite política doente e sanguinária. Quem acredita nessa pesquisa idiota? Somos ainda um povo sem noção nenhuma de crescimento sustentável e permanente. Imediatismo é o significado de ignorância e analfabetismo. Estamos realmente na corda bamba com tantas instituições e partidos querendo o pior para um governo que já iniciou totalmente diferente dos outros anteriores. Torço profundamente que possamos atravessar toda essa tempestade de burrice e ignorância. Quem sabe um dia chegaremos lá...

    8
    • CARLO MELONISAO PAULO - SP

      Alem do pouco tempo de governo, seria preciso considerar a montanha de problemas herdados ,para onde se olha existem problemas de toda especie---A midia se aproveita da situaçao para tentar de todo modo dificultar o trabalho do governo---E esse e' um comportamento sabotador contra a naçao que deveria ser tratado com maior pulso firme pelos militares---O primeiro passo seria taxar pesadamente as propagandas e as assinaturas normais e digitais---Porque guerra e' guerra.

      3
    • PAULO ROBERTO RENSIBANDEIRANTES - PR

      Sr. Aloísio, a imprensa nacional é uma canalhice só pois, priorizam o texto e não o contexto. ... O IBOPE soltou o resultado de uma pesquisa onde apresenta esses resultados e, em seguida faz as comparações entre FHC, Lula e Dilma. ... Os dois governos de FHC passou pelas crises dos Tigres Asiáticos e outras imperfeições da economia mundial da época. Logo que sobra resultados ruins para o Brasil. ... Os dois governos do Lula surfou numa onda de boas ondas da economia mundial. Mas, no final do segundo mandato, em 2008, houve a crise do sub-prime dos EUA e Europa. Na época ele disse que o tsunami que necessitou a injeção de US$ 13 trilhões do Bancos Centrais dos países desenvolvidos na economia, chegaria no Brasil como uma marolinha. ... O governo Dilma não vou comentar pois, é um período de completa insensatez, a começar pela sua eleição. ... ... Quanto ao atual, o resultado dessa pesquisa é a onda de ataques que os veículos de comunicação têm feito contra até o pão com manteiga que o Bolsonaro come. ... ... Daqui a pouco vão estar falando do modo como ele se expressa, que não é próprio para um presidente da república. ... ... Ah! Quando ele prometeu em campanha que ia tirar as tetas gordas do governo, incluem-se aí as "gordas" verbas do poder público aos veículos de informação. ...

      2
    • TIAGO GOMESGOIÂNIA - GO

      Prezado Aloísio, entendo que a pesquisa tem de ser divulgada sim. Também acho muito pouco tempo para avaliar o atual governo, seja para bem o para mal. Mas esse resultado já era esperado, acontece com a maioria dos governos, ainda mais pela características do presidente que trouxe em suas palavras esperanças e mais esperanças. Aquele cidadão médio olha para o lado e vê que a coisa na prática nada mudou, da mesma forma que rapidamente ele aderiu ao Bolsonaro da mesma forma rapidamente ele desacredita nele. Essa volatilidade acontece com qualquer um, ainda mais em cenário de terra arrasada em que obviamente não é possível arrumar a casa de uma hora para outra. No mais reclamar da pesquisa e não se atentar ao contexto é cair no velho vitimismo da turma Bolsonarista que se sente eternamente perseguida por forças ocultas.

      1
    • MARTINS KAMPA -

      Sr. Aloisio, é pouco tempo para uma avaliação de Governo. O Sr. Tiago Gomes, pelo seu comentário, me passou uma idéia mais real e equilibrada. Agora, vejamos o seguinte. Se o atual presidente fosse o Sr. Guedes com suas idéias, até daria para dar um desconto, por que até onde sei não fazia parte de governo anterior. Agora o atual presidente, querendo ou não, como parlamentar fazia parte de governos anteriores, até porque muita coisa depende de legislação feita e aprovada por eles, então não é de todo mal que cobranças devam ser endemoniadas, até porque também o atual governo está recheado por outros ex-integrantes de governos anteriores, e os problemas crônicos continuam.

      3
    • ALOÍSIO BRITOUNAÍ - MG

      Sr Thiago, entendo perfeitamente a questão do "vitimismo" na sua colocação, mas acho que a situação é diferente nesse momento. O foco precisa ser outro para dar suporte a um processo muito delicado e racional de mudança na nossa sociedade. Obrigado pela atenção.

      2
    • ALOÍSIO BRITOUNAÍ - MG

      Sr Paulo Rensi, muito bem lembrado esses fatos e a tendência da pressão contrária. Obrigado pela disposição.

      0
    • TIAGO GOMESGOIÂNIA - GO

      Concordo Aloísio. Mas o cidadão médio brasileiro é aquele que espera respostas rápidas, na prática ele quer ver ofertas de empregos, carro e moradia com facilidades para aquisição, não quer ver a violência batendo a porta de sua vizinhança e até mesmo não quer ver um outro político enrolado (Ainda que haja questionamentos, mas o clã Bolsonarista já apareceu em confusões, rolos, etc). Historicamente ele não consegue entender conjunturas, quer apenas que as coisas deem certo pontualmente. Cito exemplo, de Dilma, o Brasil já dava sinais claros que iria desandar em 2012/2013, mas ela tava com a popularidade nas alturas, pois ainda havia pleno emprego, financiamentos e dinheiro circulando, pontualmente estava tudo ótimo. Sinceramente, Bolsonaro se quiser implementar o que planeja vai ter que se acostumar a quedas na popularidade ou investir muito para convencer a população que para botar a casa em ordem será preciso talvez até um segundo mandato. Ilusão pensar que no pós reforma da previdência a coisa vai andar de vento em polpa, estão vendendo isso como a salvação, até tem efeitos positivos a curto prazo, mas o maior efeito é a longo prazo. Provavelmente na pós reforma vai bater aquele sentimento em muitos "legal fez a reforma, mas cadê o país deslanchando?" E tome queda de popularidade, mas cabe a ele e sua equipe sustentar isso.

      0
  • Noedir José Karam Marcondes (Diamantino/MT) Diamantino - MT

    Como a pesquiza do Ibope é mentirosa!!!, se 34% é otimo e 34% regular, isso somam 68% dos votos validos..., e ai Ibote teve ou não teve fraude nas eleição, porque os votas da esquerda são esses 24%....

    3
    • ALOÍSIO BRITOUNAÍ - MG

      Exatamente. Analisei depois desse ponto de vista. E o IBOPE e a mídia tradicional mais uma vez se aproveita da forma negativa de ver as coisas.

      1