Manifestação deste domingo: Há intensa mobilização por todo o País, aponta Sistema Bites (Poder360)

Publicado em 24/05/2019 15:07 e atualizado em 27/05/2019 05:18
5811 exibições
Até 6ª feira já havia 1,2 milhão de posts (Nos atos de 15.mai, só houve 206 mil); Estudo da Bites destaca a mobilização; Interesse deve crescer neste sábado

Incentivo na web para atos de domingo é 6 vezes maior do que em 15 de maio, diz Poder360

Dados do Sistema Analítico Bites mostram que os atos pró-Bolsonaro marcados para este domingo (26.mai.2019) têm incentivo na web 6 vezes maior do que os protestos contra cortes na educação, realizados em 15 de maio.

De acordo com o levantamento, até às 20h de 6ª feira, foram 1,2 milhão de posts para as manifestações de domingo, contra 206 mil para os atos da semana passada.

O número de posts, segundo o Bites, indica que “mesmo com algum arrefecimento da oposição ao Centrão, após a aprovação da MP 870, e as dúvidas sobre as pautas da manifestação, os atos do próximo domingo podem surpreender por sua consistência e capilaridade”.

O levantamento do Bites também destaca o fator convocação.

No Facebook, os 10 principais eventos catalogados pela empresa de consultoria somaram 11,8 mil confirmados e 23,6 mil interessados até a noite de 6ª feira.

Grupos do aplicativo de mensagens WhatsApp também foram monitorados pelo Bites. O levantamento mostra que há “uma intensa atividade” em torno da divulgação das manifestações.

Bolsonaro durante um dos protestos pelo impeachment da então presidente Dilma Rousseff (PT), realizados em 2015 e 2016

No Google, por outro lado, as buscas pelos protestos ou por Bolsonaro não cresceram de forma considerável nos últimos dias. A procura por palavras-chave como “26 de maio”, “manifestações” ou “protestos” se manteve estável.

Apesar da estabilidade, o volume de buscas se encontra abaixo do volume dos protestos do dia 15. Ainda assim, o número é maior que às vésperas da manifestação dos estudantes.

O levantamento também afirma que as buscas pelo próprio presidente da República estão 40% abaixo do volume de buscas sobre ele no dia 16 –dia seguinte ao protesto contra o governo. No entanto, a empresa projeta que o interesse pelo evento de domingo deve crescer de forma mais consistente neste sábado (25.mai).

Os dados ainda sugerem que o evento terá forte participação popular, apesar do posicionamento contrário ao governo de figuras como o deputado Kim Kataguiri (DEM-SP) e o cantor e compositor Lobão.

AUDIÊNCIA DE CRÍTICOS E APOIADORES

Ainda segundo dados do Bites, houve grande variação de audiência nas redes sociais entre críticos e apoiadores do governo Bolsonaro. Veja abaixo:

  • Kim Kataguiri perdeu 100,7 mil seguidores desde o dia 18 de maio;
  • Lobão perdeu 42,9 mil desde o dia 10 de maio.

No mesmo período, três apoiadores dos atos pró-governo ganharam audiência nas redes:

  • Luciano Hang, da Havan, ganhou 44,4 mil seguidores;
  • Allan dos Santos do site bolsonarista Terça Livre, ganhou 8,9 mil;
  • Olavo de Carvalho, guru de Bolsonaro, 16,3 mil.

ORIENTAÇÃO AOS MINISTROS

O presidente Jair Bolsonaro orientou os seus 22 ministros a não participarem do movimento. Um dia após a orientação, através de uma rede social, Bolsonaro classificou os atos como “uma manifestação espontânea da população, que de forma inédita vem sendo a voz principal para as decisões políticas que o Brasil deve tomar”.

"7 pontos para entender as manifestações pró-Bolsonaro", destaca Gazeta do Povo, 

"Apesar de não haver uma organização formal, um movimento que nasceu nas redes sociais está conseguindo articular uma série de atos em apoio ao presidente Jair Bolsonaro (PSL) para este domingo (26).

Se inicialmente não havia um consenso sobre a pauta – e muito especulou-se sobre as bandeiras que seriam levantadas e quem as apoiaria – o consenso em relação a alguns temas trouxe unidade para o movimento.

O resultado foi que começaram a pipocar confirmações de mobilizações por todo o Brasil.

Só o tamanho da adesão às mobilizações vai poder determinar se os atos em apoio a Boslonaro irão de fato fortalece-lo, mas é certo que serão uma marca da gestão presidencial.

A Gazeta do Povo separou sete pontos que você precisa saber para entender as manifestações.

Manifestação por quê?

Os atos em apoio a Jair Bolsonaro começaram a ser articulados na internet quase que simultaneamente aos protestos contra os cortes na educação, realizados no dia 15 de maio. A ideia dessa mobilização seria demonstrar apoio ao presidente. Inicialmente, alguns grupos de apoiadores chegaram a levantar pautas polêmicas, como pedir o fechamento do Congresso e Supremo Tribunal Federal (STF), mas esses pontos perderam espaço dentro do movimento.

No fim das contas, os apoiadores do presidente fecharam a pauta dos atos de domingo em torno de questões que conquistam adesão de mais grupos. Os atos, além de manifestar o apoio ao presidente, vão defender as reformas da Previdência e administrativa (a redução de ministérios proposta por Bolsonaro via Medida Provisória será votada na próxima semana), manifestar apoio ao pacote anticrime, ao ministro Sergio Moro (que perdeu o Coaf para o ministério da Economia) e à operação Lava Jato.

O ministro Moro é um caso à parte: a saída do Coaf de seu ministério deu mais força para articuladores do ato, que se revoltaram com a medida. Eles acreditam que isso deu mais “gás” à mobilização e aumentou a adesão.

Por outro lado, também há um repúdio aos políticos, especialmente os do Centrão – bloco informal de partidos que concentram um grande número de cadeiras no parlamento. É sabido que a relação entre Bolsonaro e os parlamentares não é boa – há muita dificuldade na articulação política entre Executivo e Legislativo. Essa manifestação seria uma forma de pressionar os políticos a agirem de acordo com a cartilha do presidente.

Os alvos do protesto

Os apoiadores do presidente Jair Bolsonaro escolheram como alvo das mobilizações a Câmara dos Deputados, o Senado e o Supremo Tribunal Federal (STF). É pelo WhatsApp, principalmente, que circulam a maior parte das peças com críticas a esses atores. Por lá, já foi divulgado uma montagem que sugere que Bolsonaro não teria escolha a não ser fechar o Congresso e o Supremo. Também são feitas críticas pontuais aos parlamentares e ministros, especialmente os presidentes das casas – Rodrigo Maia (DEM-RJ), Davi Alcolumbre (DEM-AP) e Dias Toffoli. As peças tanto promovem ataques pontuais contra cada um deles – Maia é constantemente chamado de “Nhonho”, uma referência a um personagem do seriado mexicano Chaves – e buscam desmoralizar as instituições.

No Brasil e no mundo

A prova de fogo será tirar essas mobilizações do ambiente virtual e vê-las tomar as ruas. A expectativa de grupos de apoiadores do presidente é de que sejam realizados atos em mais de 350 cidades, no Brasil e no exterior. A Gazeta do Povo conseguiu verificar que há intenção de se realizarem atos em pelo menos 320 cidades, sendo 12 fora do país. Aqui está uma lista com a agenda das manifestações.

Organização informal

Não existe uma organização formal e centralizada dos atos de domingo. O que se sabe é que há grupos dissidentes daqueles que organizaram os atos pelo impeachment de Dilma Rousseff (PT) que estão na linha de frente da organização. A eles, se unem apoiadores individuais e uma rede de influenciadores digitais, alinhadas com o clã Bolsonaro e com o núcleo ideológico do governo. Essa estrutura se articula sobretudo por meio do WhatsApp, e já atuou ao longo da campanha presidencial.

A Gazeta do Povo identificou ao menos 59 grupos que divulgaram os atos pró-Bolsonaro entre os dias 16 e 20 de maio. Os principais são Avança Brasil, Consciência Patriótica, Direita São Paulo, Movimento Brasil Conservador e até a Confederação Monárquica do Rio. Pelo WhatsApp, a movimentação começou no dia 16 de maio, com a primeira convocação para os atos.

Quem apoia as manifestações...

Além dos grupos que organizam as manifestações, há outros que decidiram endossar os atos de domingo. Antes reticente por causa da pauta mais radical, o Instituto Brasil 200 – movimento de empresários liderado por Flávio Rocha, dono da varejista Riachuelo – decidiu apoiar publicamente a mobilização. O grupo de empresários ainda reúne nomes simpáticos ao governo como Luciano Hang (dono da Havan) e João Appolinário (Polishop).

O Clube Militar também convocou seus sócios a participarem dos atos – são 38 mil associados das Forças Armadas, tanto da reserva quanto da ativa. A instituição, fundada em 1887, nasceu como entidade privada e com viés político para depois se tornar social. O vice-presidente, general Hamilton Mourão, já comandou o clube em 2018, antes de assumir sua candidatura.

Além deles, os caminhoneiros já anunciaram que devem engrossar o movimento. Mas é essa a categoria que faz as convocações mais exaltadas: prometem cercar o Congresso e fazer “tumulto do Oiapoque ao Chuí”.

... e quem se afastou dos atos

Apesar de todo esse apoio, os dois principais grupos anti-Dilma de 2015 se afastaram do ato pró-Bolsonaro. O Movimento Brasil Livre (MBL) e o Vem Pra Rua decidiram não endossar as manifestações de domingo e também se tornaram alvo dos apoiadores. Os grupos concordam com parte das pautas, como a reforma da Previdência. Mas discordam de temas mais polêmicos, como os fechamentos do Congresso e STF. No WhatsApp, várias peças questionando o MBL foram distribuídas ao longo da semana – várias decretavam a morte do movimento. Vale lembrar que uma das principais lideranças surgidas no MBL é o atual deputado federal Kim Kataguiri, eleito pelo Democratas de São Paulo. O partido é o mesmo de Rodrigo Maia e uma das siglas mais fortes no Centrão. O parlamentar chegou a ser alvo de ataques por não corroborar com os atos.

Racha na base?

A participação de políticos e da própria família Bolsonaro dividiu a base de aliados ao presidente Jair Bolsonaro. Dentro do próprio PSL, os atos não são vistos com consenso. O presidente da sigla, o deputado Luciano Bivar, a líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann, e a deputada estadual Janaína Paschoal, por exemplo, se posicionaram contra os atos. A avaliação é de que as manifestações podem se tornar um tiro no pé do governo. Ainda assim, outra ala do partido, mais ideológica e ligada ao clã, apoia incondicionalmente a realização das manifestações. Parte da direita também não está convencida sobre a mobilização. Já integrantes da Oposição ainda estão oscilando entre o desprezo, no sentido de não acreditaram na capacidade de articulação dos apoiadores, e o temor pelas ideias radicais que podem vir a ser defendidas."

Leia mais em: https://www.gazetadopovo.com.br/republica/entenda-atos-pro-bolsonaro-domingo-26-maio

Fonte: Poder360 + Gazeta do Povo

3 comentários

  • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

    É preciso esclarecer aqui que o MBL não aderiu às manifestações porque queria o protagonismo da ação politica, queria "coordenar" a massa, impondo a pauta acertada com o vice presidente Mourão, parte do PSDB e até com setores do PSOL. Isso alertou a militância conservadora, que foi quem elegeu Kim Katinguiri, Fernando Holiday, Arthur do "mamãe eu falei", etc... Cientes da traição, os conservadores saíram dos canais de divulgação do MBL, pois percebemos a movimentação dos trairas, dos traidores que estão na politica apenas por vantagens pessoais... Pessoalmente (e todos os verdadeiros conservadores tem esse comportamento), estamos do lado da verdade, mesmo que isso nos custe prestigio, poder ou dinheiro,... e amigo João Batista, sou seu fã porque já vi várias vezes você dar demonstrações cabais de que é assim também.... (Lobão foi ainda pior, traição vil e covarde que nem merece menção, Lobão é um oportunista com o único objetivo de aparecer e ganhar dinheiro)... Allan dos Santos, um jornalista corajoso, que rejeita financiamento público e participação direta na politica como deputado ou coisa que o valha, diz que para ele ser deputado é insignificante demais, é vergonhoso ter que viver de dinheiro público. Também Luciano Hang dispensa comentários, homem pobre que começou com uma loja aberta com dinheiro emprestado e hoje o empresário de sucesso... portanto, digo que não teme o governo, quem não deve não teme, é digno de admiração (Hang é um homem que anda vestido como os empregados em suas lojas, a camiseta verde das lojas Havan. E o melhor, luta por um país melhor para todos)... Olavo de Carvalho não é guru da direita, é escritor e filósofo com grande capacidade de identificar a realidade até mesmo antes do desenrolar do fatos, analisando comportamentos dos agentes políticos. O contato entre o presidente Bolsonaro e Olavo de Carvalho praticamente não existe. As reações negativas ao que o professor fala como cidadão, acontecem porque ele põe em risco o poder das "autoridades" brasileiras ao desvendar suas reais intenções e seus verdadeiros objetivos (tanto que ninguém contesta o que diz o professor, tudo o que conseguem é encher o homem de adjetivos depreciativos, mentiras e calúnias. Adjetivos que caem como uma luva em quem os profere e de maneira alguma tem qualquer tipo de identificação com o caráter do professor Olavo de Carvalho).... Como muita gente acordou, não basta denegrir o professor, é preciso denegrir também os bolsominions olavetes..., para o establishment, somos os jacobinos da direita radical, para o povo, entretanto, somos quem vocaliza suas angústias e anseios, junto com o homem extraordinário que colocamos na presidência da Republica.

    9
  • Zelia Carvalho -

    ACHO MUITO OPORTUNAS AS MANIFESTAÇÕES DE DOMINGO À FAVOR DE BOLSONARO!

    5
    • CARLO MELONISAO PAULO - SP

      É besteira fazer manifestações para quem esta' na situaçao", por Janaina Pascoal.

      47
  • EDMILSON JOSE ZABOTT PALOTINA - PR

    O povo precisa usar a tribuna das ruas para mais uma vez mandar e dar o recado aos incompetentes Senadores , Deputados e para quem mais o chapéu servir ...
    Está difícil para estas corja entender que é preciso mudar . Todos devem contribuir neste momento , já que deixamos mais de 13 anos o PT e sua tropa acabarem com o Brasil .
    A hora é agora .
    Vamos usar a Tribuna das Ruas para defender os interesses dos Brasileiros e não de meia dúzia de Pilantras que teimam em manter o sistema do toma lá dá cá.
    Este é o nosso compromisso de amanhã.
    Brasil acima de tudo e Deus acima de Todos .
    Salvem o Brasil.

    5