Trump adia início de novas tarifas sobre a China e soja sobe quase 2% em Chicago

Publicado em 13/08/2019 11:49 e atualizado em 13/08/2019 12:19
4434 exibições

LOGO nalogo

De volta ao centro das atenções, a guerra comercial entre China e Estados Unidos nesta terça-feira (13). O presidente americano Donald Trump fez um anúncio informando que irá adiar as tarifas anunciadas há duas semanas sobre US$ 300 bilhões em produtos da China para dezembro. Inicialmente, as taxações começariam a vigorar já em 1º de setembro. 

A informação acalmou os mercados, ações e commodities voltam a subir e, novamente, os investidores especulam sobre a evolução das negociações entre as duas maiores potências econômicas mundiais. 

Na Bolsa de Chicago, os preços da soja, por volta de 11h40 (horário de Brasília), subiam quase 2% - ou registravam ganhos de mais de 14 pontos - com o novembro já buscando os US$ 9,00 por bushel. Os futuros do trigo sobem mais de 1%, também se recuperando das baixas de ontem.

Em Nova York, altas superiores a 2% entre os futuros do açúcar e do algodão, e o petróleo com avanço de mais de 3% nesta terça-feira. Segundo informou a agência internacional de notícias Bloomberg, ações de empresas como a Apple e a Caterpillar chegaram a marcar altas de mais de 4%, enquanto empresas de computadores e tecnologias promoveram uma alta de mais de 2% do índice Nasdaq 100. 

A notícia trouxe também mais apetite ao risco depois do dia tenso de ontem e diante da tensão generalizada de que o conflito comercial entre chineses e americanos já tem promovido uma desaceleração do crescimento econômico mundial, o que poderia evoluir, inclusive, para uma recessão.

Leia mais:

>> Cresce o temor de uma recessão na economia global diante da disputa China x EUA 

A seguir, mais informações. 

Na Reuters: EUA adiarão tarifas sobre alguns produtos da China

LOGO REUTERS

WASHINGTON (Reuters) - O governo dos Estados Unidos vai adiar a aplicação de tarifas de 10% sobre alguns produtos chineses, incluindo laptops e celulares, que estavam previstas para entrar em vigor no próximo mês, disse o gabinete do Representante de Comércio dos EUA nesta terça-feira.

A ação do gabinete foi publicada minutos após o ministro do Comércio da China ter dito que o vice-Premiê Liu He conduziu uma ligação telefônica com autoridades comerciais norte-americanas.

Outros produtos cujas tarifas serão adiadas até 15 de dezembro incluem "computadores, consoles de videogames, certos brinquedos, monitores de computadores e alguns itens de vestuário e calçados", disse a representação de Comércio em comunicado.

Um grupo separado de produtos também será excluído, "com base em saúde, segurança, segurança nacional e outros fatores", completou.

Investidores em tecnologia comemoraram a notícia das isenções, gerando uma alta de 2,8% em um índice de estoques de chips, enquanto as ações da Apple subiram mais de 5%.

O presidente Donald Trump disse em 1º de agosto que imporá uma tarifa de 10% sobre 300 bilhões de dólares de produtos chineses, culpando a China por não cumprir as promessas de comprar mais produtos agrícolas americanos. Ele também criticou pessoalmente o presidente chinês, Xi Jinping, por não conseguir fazer mais para conter as vendas do opióide sintético fentanil, em meio a uma crise de overdose de opiáceos nos Estados Unidos.

O gabinete do Representante de Comércio dos EUA publicará detalhes adicionais e listas dos tipos de produtos específicos afetados pelo anúncio. O gabinete planeja conduzir um processo de exclusão de produtos sujeitos à tarifa adicional.

(Reportagem de David Shepardson e Makini Brice)

Por: Carla Mendes | Instagram @jornalistadasoja
Fonte: Notícias Agrícolas

2 comentários

  • FREITAS FILHO CURITIBA - PR

    Aposto que Trump ganha bilhões de dólares na especulação financeira. Os seus movimentos são especulativos.

    0
  • Luan Henrique Guimarães do Nascimento Taquarituba - SP

    Boa tarde, já está ficando chato né.

    Um acusa o outro de manipular mercado, mas o que me parece é que os dois estão fazendo isso.

    Mais de 15 meses pra acertar uma relação comercial, meu deus, se fossem donos de empresas e seus sustentos viessem disso, com certeza não demoraria tanto tempo.

    Verdade é uma só, são as duas maiores economias do mundo, população de seus países estão mais tranquilas do que por exemplo os países da América do Sul e África, mas é isso aí, dois manipuladores de mercado que ficam um acusando o outro e estagnando todo um globo.

    3
    • dejair minotti jaboticabal - SP

      Melhor guerra econômica do que uma nuclear... na econômica entra capacidade de governo, onde não estamos bem há muito tempo, se é que houve algum. Agora estamos com uma imitação barata de Trump. Consegue ser melhor que os petralhas de lulla, pero no mucho.

      30
    • EDMILSON JOSE ZABOTT PALOTINA - PR

      Sr. Dejair, com Bolsonaro estamos batendo recorde atrás de recorde em exportações , tanto de proteína animal, como vegetal . Bolsonato está mostrando a capacidade de um Brasil livre de acordos e esquemas . Não fosse este governo aliado à força do agronegócio seríamos hoje uma Venezuela. Vai se informar melhor .

      7