PF investiga deputado por suspeita de propina de R$ 3,25 milhões em CPI dos fundos de pensão

Publicado em 21/10/2019 13:57 e atualizado em 21/10/2019 14:57
70 exibições

LOGO REUTERS

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - O Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou a Polícia Federal a cumprir mandados de busca e apreensão, nesta segunda-feira, em investigação contra o deputado federal Sergio Souza (MDB-PR), suspeito de ter recebido propina no valor de 3,25 milhões de reais quando foi relator da CPI que investigou fundos de pensão de empresas estatais.

Na decisão, obtida pela Reuters, o ministro Celso de Mello disse que a investigação apresentou indícios da lavagem de dinheiro contra Souza, mediante uma "requintada engenharia financeira", com o objetivo de dar aparência de licitude ao dinheiro entregue ao parlamentar. O ministro também decretou bloqueios de bens do deputado e de outros envolvidos.

As investigações apontaram que o parlamentar teria recebido vantagens indevidas de pessoas suspeitas de participação em fraudes nos fundos de pensão Petros, da Petrobras, e Postalis, dos Correios, em troca de proteção na CPI que funcionou de 2015 a 2016.

"Vale registrar, sob tal aspecto, a existência de relevantes indícios que denotam o recebimento, pelo parlamentar investigado, de pelo menos R$3.250.000,00, a fim de evitar a convocação e o indiciamento, pela Comissão Parlamentar de Inquérito dos Fundos de Pensão, da qual era relator", disse o ministro no despacho.

Em nota, a assessoria de imprensa do deputado disse que o parlamentar foi tomado de surpresa em relação à operação da PF. "O parlamentar está tranquilo e se coloca inteiramente à disposição da Justiça para elucidar qualquer fato que seja necessário".

"Sérgio Souza lembra que, como relator da CPI dos Fundos de Pensão, trabalhou com afinco para produzir resultados efetivos e que o texto final aprovado levou a diversas ações da Polícia Federal, entre elas a Operação Greenfield. A partir deste trabalho parlamentar, foram identificados desvios bilionários dos fundos de pensão e proposto o indiciamento de mais de 300 pessoas físicas e jurídicas", acrescentou.

O STF expediu no total 18 mandados de busca e apreensão a serem cumpridos pela Polícia Federal nas cidades de Curitiba, São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília contra o parlamentar e demais pessoas suspeitas de envolvimento no esquema, informou a PF em comunicado mais cedo.

Segundo a PF, a investigação teve início no ano passado a partir de delação premiada de um operador financeiro que atuou em diversas fraudes desvendadas pelas operações Cui Bono e Patmos, que investigaram fraudes em fundos de pensão.

"O ciclo de lavagem de dinheiro envolvia a remessa de recursos desviados dos fundos de pensão para empresas de fachada nos Estados Unidos", disse a PF no comunicado, acrescentando que os pagamentos eram feitos em espécie em endereços vinculados a supostos intermediários do parlamentar tanto em residências em Brasília como em hotéis em São Paulo.

(Reportagem adicional de Pedro Fonseca, no Rio de Janeiro, e Lisandra Paraguassu, em Brasília)

Fonte: Reuters

0 comentário