Confrontos entre polícia boliviana e apoiadores de Morales deixam ao menos 8 mortos

Publicado em 17/11/2019 09:16
72 exibições

LA PAZ (Reuters) - Confrontos entre forças de segurança e produtores de coca bolivianos leais ao ex-presidente Evo Morales deixaram oito mortos e mais de 100 feridos na noite de sexta-feira, disse o ouvidor regional à Reuters, levando Morales a denunciar um "massacre".

Morales renunciou sob pressão da polícia e das Forças Armadas da Bolívia no domingo passado, depois que relatório da Organização dos Estados Americanos (OEA) apontou fraude eleitoral na vitória do então presidente na votação de 20 de outubro. Ele então se asilou no México.

O esquerdista e ex-produtor de coca chamou sua saída do poder de "golpe" e criticou as crescentes acusações de repressão dura pelas forças de segurança bolivianas.

"Os líderes do golpe massacram povos indígenas e humildes porque elas pedem por democracia", disse Morales no Twitter na sexta-feira, após relatos de mortes.

A violência na Bolívia se soma a uma onda de agitação na região, incluindo no vizinho Chile, onde protestos contra as desigualdades sociais saíram de controle e deixaram pelo menos 20 mortos.

O ouvidor regional de Cochabamba, Nelson Cox, disse que os registros hospitalares na região de cultivo de coca mostram que a "grande maioria" das mortes e ferimentos de sexta-feira foi causada por disparos de arma de fogo. Ele chamou a reação das forças de segurança da região de "ato de repressão".

"Estamos trabalhando com a ouvidoria nacional para realizar autópsias para determinar a causa da morte e buscar justiça para essas vítimas", afirmou Cox à Reuters em entrevista na manhã de sábado.

Os apoiadores de Morales continuam agindo, bloqueando as principais vias, cortando oleodutos e lançando protestos em massa nas ruas de La Paz, El Alto e nas regiões de cultivo de coca há muito tempo leais a ele.

Embora a capital La Paz estivesse calma no sábado de manhã, os bloqueios nas rodovias provocaram pânico nas ruas, com muitos correndo para acumular mantimentos, já que os suprimentos estavam diminuindo e os preços subiram.

O ouvidor nacional da Bolívia disse na sexta-feira que o total de mortes atingiu 19 desde as eleições de 20 de outubro, número que se acelerou na última semana.

A crescente quantidade de corpos levou Morales a adotar um tom mais conciliatório com o governo da presidente interina, Jeanine Añez, nos últimos dias.

"Por uma questão de democracia, se eles não querem que eu participe, não tenho problema em não participar de novas eleições", disse Morales à Reuters em entrevista na Cidade do México.

Médicos cubanos começam a voltar da Bolívia; Cuba critica governo interino

HAVANA (Reuters) - O primeiro dos cerca de 700 médicos cubanos estava programado para voltar para casa vindo da Bolívia, devastada por conflitos, neste sábado, enquanto as autoridades cubanas criticavam o que consideraram calúnia e maus-tratos pelo governo interino da Bolívia.

Cuba disse no sábado que 10 médicos, incluindo o coordenador de sua missão médica, foram detidos nesta semana e quatro permaneciam sob custódia.

Na sexta-feira, o Ministério das Relações Exteriores de Cuba informou que estava encerrando sua missão médica na Bolívia, pois as autoridades locais estavam promovendo violência contra os médicos, alegando que estavam instigando a rebelião.

A ilha administrada por comunistas era um aliado essencial do ex-presidente boliviano de esquerda Evo Morales, que renunciou sob pressão no domingo e se asilou no México após semanas de protestos e violência devido à eleição de 20 de outubro.

Cuba apoiou a afirmação de Morales de que ele foi derrubado em um golpe apoiado pelo exterior.

Os quatro médicos ainda sob custódia foram retidos na quarta-feira após retirar uma quantia significativa de dinheiro do banco, que o governo disse que seria usado para financiar protestos.

O Ministério das Relações Exteriores de Cuba rebateu dizendo que os médicos retiravam a mesma quantia de dinheiro todos os meses para cobrir as despesas de 107 médicos trabalhando na área de La Paz.

ONU alerta que crise na Bolívia pode "sair do controle" após mortes em protestos

LA PAZ (Reuters) - A Organização das Nações Unidas alertou neste sábado que a violência na Bolívia pode "sair do controle", após uma noite de conflitos entre forças de segurança e produtores de coca leais ao ex-presidente Evo Morales que deixaram pelo menos oito mortos.

Morales renunciou sob pressão da polícia e das Forças Armadas da Bolívia no domingo passado, depois que relatório da Organização dos Estados Americanos apontou fraude eleitoral na vitória do então presidente na votação de 20 de outubro. Ele então se asilou no México.

O esquerdista e carismático ex-produtor de coca chamou a sua deposição de "golpe" e criticou as crescentes acusações de repressão dura pelas forças de segurança sob a Presidência interina da ex-parlamentar conservadora Jeanine Añez.

"Os líderes do golpe massacram povos indígenas e humildes porque eles pediram por democracia", disse Morales no Twitter na sexta-feira, após relatos de mortes crescentes.

Añez culpou Morales por alimentar a violência do exterior e disse que seu governo deseja realizar eleições e se reunir com a oposição.

A alta comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, alertou que o aumento da violência pode usurpar o processo democrático.

"Estou preocupada que a situação na Bolívia possa sair de controle se as autoridades não lidarem com isso... com total respeito pelos direitos humanos", disse Bachelet em comunicado.

"Ações repressivas das autoridades... provavelmente colocarão em risco qualquer via possível para o diálogo", acrescentou.

Fonte: Reuters

0 comentário