Dólar termina semana quase estável após bater máxima histórica na 2ª

Publicado em 22/11/2019 18:57 e atualizado em 24/11/2019 06:49
79 exibições

LOGO REUTERS

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar ficou perto da estabilidade ao término da sessão do mercado à vista nesta sexta-feira, com o mercado evitando reforço nas compras com a cotação perto de máximas históricas.

O dólar interbancário ficou quase estável, a 4,1929 reais na venda, ante taxa de 4,1927 reais da quinta-feira.

No acumulado da semana, a moeda teve variação negativa de 0,01%, depois de, na segunda-feira (dia 18), fechar a 4,2061 reais na venda, máxima histórica.

Na B3, em que os negócios com derivativos cambiais vão até as 18h15, o contrato de dólar futuro mais negociado tinha leve baixa de 0,06%, a 4,1945 reais.

A sexta-feira de forma geral teve tom positivo nos mercados globais, após dados melhores nos Estados Unidos e notícias sobre maior disposição dos governos de China e EUA de chegarem a um acordo comercial.

O dólar subia frente a uma cesta de divisas no exterior, mas aqui a cotação teve menos fôlego. Para alguns agentes financeiros, aumentam as chances de uma correção positiva no real depois de a moeda ter atingido mínimas históricas nesta semana.

Analistas do Canadian Imperial Bank of Commerce veem o dólar a 3,90 reais no curto prazo, em parte por fluxos esperados com a privatização da Eletrobras. "Além disso, o Banco Central já sinalizou uma pausa no corte de juros depois de dezembro... o que deve fornecer outro vento de cauda para o real em 2020", disse o banco em nota.

Presidente do conselho do BNDES prevê dólar a R$ 4 em 2020

O dólar deve se manter no patamar de R$ 4 no próximo ano, segundo expectativa do presidente do Conselho de Administração do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Carlos Thadeu de Freitas. Na avaliação do economista, o valor do dólar está bom para o comércio exterior.

“Hoje, o Brasil está bem. A inflação está baixa e a alta do dólar vai trazer pouca pressão inflacionária, só um pouco. Vai sair de 3,2% para 4%. Não é nada. O importante é que o dólar está em uma posição muito boa e o comércio vai poder exportar bastante. Para nós do comércio exterior é muito bom. Nunca vi o dólar subir em momento fácil. Hoje, nosso país está muito bem em termos de atividade em termos de inflação. Agora, o dólar está subindo um pouco. Acho que vai ficar em torno de R$ 4. Este ano deve chegar em R$ 4,20. No próximo ano, deve ser R$ 4, no mínimo. Virou um novo patamar”, disse em palestra no Encontro Nacional de Comércio Exterior (Enaex) 2019, no Rio de Janeiro.

Para Carlos Thadeu, que também é chefe da Divisão Econômica da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), a perspectiva é de que não haja nova queda na taxa de juros. Ele acredita que há possibilidade até de uma alta no ano que vem. “A expectativa é de o IPCA fechar o ano em torno de 4%, e para o ano que vem isso vai cair mais um pouco no último semestre. Até lá, não há alternativa [para baixar os juros], a não ser que o Banco Central possa vender mais dólar físico (reservas), mas isso só em casos excepcionais”, disse.

Carlos Tadeu não vê necessidade de interferência do Banco Central vendendo dólar. “Vender dólar para quê? O país está bem. Essa área de R$ 4 ou R$ 4,20 é muito boa para o Brasil também. Deu muita sorte, porque como hoje tem baixas taxas inflacionárias, o dólar poderia cair um pouco mais. [O dólar] Não estar caindo é bom para o Brasil”, disse.

Estratégia

O presidente da Sociedade Nacional de Agricultura (SNA), Antônio Mello Alvarenga, destacou que é preciso ter estratégia para o mercado externo, com mais investimentos em inovação e tecnologia, diante de consumidores cada vez mais exigentes. “Eles querem cada vez mais produtos sustentáveis. Precisamos atender essas demandas”, disse.

O presidente da SNA disse que é preciso mostrar ao mercado internacional que “o Brasil tem a agricultura mais sustentável do planeta. Muita gente não sabe o quanto o agronegócio no Brasil é sustentável”.

Alvarenga alertou para a possibilidade do fim da Lei Kandir, que poderia ocorrer com a reforma Tributária. Com a mudança, o setor exportador do agronegócio passaria a ter cobrança de tributos. Para ele, o efeito no setor seria devastador. “Todos os estudos mostram que a extinção da Lei Kandir pode ser devastador para o agronegócio. Precisamos ter cuidado na reforma Tributária”, alertou.

O presidente da SNA defendeu a exploração sustentável da Amazônia. “É uma fronteira terrestre que tem que ser explorada. Lá na Amazônia tem pessoas que sobrevivem com salários miseráveis de R$ 69 por mês. Essa é uma questão que o Brasil tem que enfrentar. Tem que saber explorar a Amazônia”, defendeu, acrescentando que hoje existem projetos na região que agregam renda e mantém a floresta evitando a degradação. “Não estou falando em plantar soja, milho e algodão. Existem outras áreas no país para isso”.

Fonte: Reuters/Agência Brasil

0 comentário