Especialistas concluem que 2020 trouxe novo patamar de preços que permanecerá em 2021 para produtores e consumidores

Publicado em 15/01/2021 15:56 e atualizado em 17/01/2021 14:35 1623 exibições

LOGO nalogo

Entre os quinze itens que mais tiveram aumento de preços em 2020, quatorze são ligados ao agronegócio. Se olharmos para os 100 itens com mais aumentos de acordo com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), apenas 20 são de outros setores, deixando 80% das maiores valorizações para a cadeia do agro.

O presidente da Federarroz (Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul), Alexandra Velho, conta que os preços pagos aos produtores pela saca de arroz saltaram de R$ 40,00 em fevereiro/março/abril para R$ 110,00 nos momentos de pico.

O presidente do Ibrafe (Instituto Brasileiro do Feijão e Pulses), Marcelo Eduardo Luders, também credita ao momento de isolamento social papel fundamental neste cenário, uma vez que estimulou as pessoas a consumirem mais produtos naturais em detrimento aos industrializados e fast foods.

“Na hora de se recolher as pessoas lembraram que o feijão é extremamente protéico, barato e passível de ser armazenado, seja em lata ou em grão. As pessoas estão entendendo que para ter saúde é preciso voltar a consumir produtos mais naturais”, pontua.

MAIOR ALTA NA SOJA E NO FEIJÃO

O INPC é elaborado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) com o objetivo de corrigir o poder de compra dos salários, através da mensuração das variações de preços da cesta de básica da população de mais baixa renda. As elevações do índice avaliam o quanto cada produto pesa no orçamento das famílias, abrangendo famílias com rendimentos de 1 a 5 salários mínimos.

Saiba mais sobre o INPC no site do IBGE

Entre os campeões de aumento no INPC durante o ano passado estão Óleo de Soja (1º com 104,08%), Feijão fradinho (2º com 81,44%), Arroz (3º com 75,36%) e Batata Inglesa (4º com 67,33). Ainda aparecerem nesta lista diversos itens nos setores de hortifrutis, carnes, cereais e grãos.

preços inpc

“O papel da pandemia para estes aumentos foi muito importante, principalmente pela questão do auxilio emergencial. Isso injetou muito recurso no mercado e boa parte dele foi usado para comprar alimentos”, explica o professor da Faculdade de Administração da USP e FGV, Marcos Fava Neves.

Além da pandemia do novo Coronavírus, outros fatores também influenciaram o mercado brasileiro e contribuíram para estas movimentações. Entre eles, está o câmbio.

-- “Você teve uma desvalorização muito grande do real e aumento do apetite importador em boa parte do ano. Isso retira um pouco de produto do mercado interno e encarece a entrada de produtos importados, o que reflete também na questão dos preços internos”, diz Neves.

Questões da economia internacional também contribuíram com este setor, especialmente para as commodities que são comercializadas mundialmente.

-- “A economia mundial voltou a crescer após os primeiros meses da pandemia e a China demandou muita ração para aves e suínos (soja e milho), houve quebra de produção de arroz no sudeste asiático. Houve também aumento de preços nas proteínas como carne suína, bovina de segunda, aves e ovos. Até sardinha e salsicha em lata ficaram mais caros”, ressalta o professor de economia da FGV, Alberto Ajzental.

MOVIMENTO DE ALTA CONTINUARÁ EM 2021

A grande pergunta que fica agora é: esses aumentos dos preços no Brasil estabeleceram um novo patamar de cotações ou poderemos retornar aos valores pré-pandemia novamente em 2021?

Na opinião de Fava Neves, este ano deve ser mais uma vez de preços elevados. Isso porque, a oferta e a demanda mundial de grãos seguem muito justas e o câmbio permanece pendendo para a moeda americana ante à brasileira.

-- “Esses aumentos de preços estabeleceram sim um novo patamar para os produtos. Os Estados Unidos acabaram de fazer novos cortes de produção de grãos e isso elevou ainda mais os preços internacionais. Como o real não está se valorizando da maneira com que a gente esperava, com o dólar ainda ao redor de R$ 5,30, é provável que os preços permaneçam como estão em 2021”, afirma o professor.

“Para voltarmos aos patamares anteriores estes produtos teriam que sofrer deflação na mesma intensidade, mas estes caminhos não ocorrem nas mesmas velocidades, o aumento é sempre muito mais rápido e mais instantâneo do que a volta. Além disso, a China deve continuar a demandar muito por ração para criação de proteína, a área plantada não vai crescer tão rápido na mesma proporção e o dólar deverá continuar apreciado”, opina Ajzental.

Essa também é a expectativa do presidente da Federarroz, que espera a manutenção dos preços em 2021 para, enfim, dar condições de lucratividade aos arrozeiros brasileiros. “Nós temos uma conjuntura de problemas estruturais não resolvidos ainda na lavoura de arroz. O produtor vem, ao longo dos últimos 4 anos, tendo prejuízo ao plantar arroz, se endividando e saindo da atividade”, diz Velho.

O diretor técnico do Irga (Instituto Rio-Grandense do Arroz), Ricardo Kroeff, relata que a expectativa dos produtores é vender a produção desta safra, que será colhida a partir do meio de fevereiro e ganhar força em março e abril, entre R$ 70,00 e R$ 80,00, índices que serão remuneradores.

Do lado do consumidor final, Velho avalia que, mesmo com estes aumentos nos preços do arroz, o brasileiro acabou sentindo pouco esta movimentação, uma vez que o quilo passou, em média, de R$ 3,50 para R$ 4,50, representando um gasto mensal médio de R$ 25,00 para uma família de quatro pessoas e se mantendo como um dos itens mais baratos no prato básico do país.

O professor Ajzental ressalta ainda que, nem mesmo um aumento no índice de desemprego no Brasil e o término do pagamento do auxilio emergencial serão suficientes para devolver os preços aos patamares anteriores.

“No primeiro trimestre vão entrar safras de arroz e feijão que vão ajudar a segurar os preços e a demanda interna pode recuar um pouco pelo desemprego e término do auxilio, mas aquilo que subiu não vai voltar aos patamares anteriores. Houve uma transferência de renda com a maior parte do orçamento das famílias sendo utilizado para alimentação e isso irá se intensificar.

-- "Os preços vão continuar maiores do que eram antes e as pessoas vão ter que usar uma parte maior da renda familiar na compra de gêneros alimentícios”, diz.

Para o analista de mercado da Germinar Corretora, Roberto Carlos Rafael,  perspectiva é de manutenção do cenário positivo e dos preços altos e extremamente remuneradores ao produtor brasileiro. Especificadamente para o milho (que teve aumento de 61,74% no ano juntamente com outros cereais, leguminosas e oleaginosas), o analista explica que os estoques de passagem serão muito apertados e que a entrada de uma safra verão que teve problemas de desenvolvimento no Sul do país irá contribuir para a sustentação das cotações.

Essa questão da rentabilidade aos produtores é outro ponto que merece atenção nessa situação, uma vez que os produtos do agro se valorizaram, mas insumos e componentes da cadeia também registraram elevações ao longo de 2020.

De acordo com o professor Fava Neves, a rentabilidade foi sentida sim, especialmente para os produtores de grãos, mas ficou mais comprometida em setores do agro que utilizam estes itens como matéria prima.

“Quem precisa de ração e grãos teve um impacto de custos importante, mas principalmente o produtor de grãos, que compra parte dos seus insumos em dólar e parte em real, e vende com cotações em dólar teve aumento de margem sim”, pontua.

Por:
Guilherme Dorigatti
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário