Bolsonaro demite Castello Branco e anuncia general para comando da Petrobras

Publicado em 19/02/2021 20:08 e atualizado em 20/02/2021 19:43 2399 exibições
Joaquim Silva e Luna assume estatal; Decisão foi anunciada via Facebook (no Poder360)

O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta 6ª feira (19.fev.2021) que substituirá o atual presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, pelo general Joaquim Silva e Luna. O anúncio foi feito pelo chefe do Executivo em seu perfil no Facebook.

“O governo decidiu indicar o senhor Joaquim Silva e Luna para cumprir uma nova missão, como conselheiro de administração e presidente da Petrobras, após o encerramento do ciclo, superior a dois anos, do atual presidente, senhor Roberto Castello Branco”, afirma a postagem de Bolsonaro, com cabeçalho atribuído ao Ministério de Minas e Energia.

bolso-luna-silva-petobas.png

Bolsonaro postou o comunicado do Ministério das Minas e Energia em seu perfil no Facebook no início da noite desta 6ª feira

Bolsonaro acha que a estatal tem sido conduzida de maneira errática por causa dos sucessivos aumentos no preço dos combustíveis. O litro do diesel nas refinarias acumula alta 27,72% em 2021 e tem irritado os caminhoneiros, que tradicionalmente apoiam o presidente.

Para o entorno de Bolsonaro, Castello Branco teria cometido improbidade administrativa por ter “desenhado” da categoria, que reclamavam de aumento do preço do diesel em janeiro, ainda sob a pressão da ameaça de greve.

Bolsonaro anuncia demissão de Roberto Castello Branco da presidência da Petrobras

A gota d’água para a troca foi o reajuste da Petrobras na 5ª feira, de 14,7% no diesel e de 10% na gasolina. Foi o 4º aumento do ano.

Mais cedo, Bolsonaro havia sinalizado mudanças na Petrobras. Sem especificar quais seriam, disse que “jamais” iria interferir na estatal e em “sua política de preço”, mas pediu transparência.

O mercado financeiro interpretou com receio as declarações do presidente. As ações da estatal tiveram forte queda ao longo do dia. As ordinárias caíram 7,92%, e as preferenciais, 6,63%. O valor de mercado da empresa caiu R$ 28,2 bilhões de 5ª feira (18.fev) para 6ª feira (19.fev).

Castello Branco foi indicado pelo ministro da Economia. Seguiu estritamente as orientações de Paulo Guedes e a política de preços da Petrobras. Bolsonaro não gostou, Guedes sofreu uma derrota.

petro-mercado.png

No fechamento de 5ª, a Petrobras tinha valor de mercado de R$ 382,99 bilhões. Com a desvalorização desta 6ª, passou a R$ 354,79 bilhões

QUEM É SILVA E LUNA

Joaquim Silva e Luna tem 71 anos. Estava desde fevereiro de 2019 no comando da usina de Itaipu

Antes, o general foi ministro da Defesa no governo de Michel Temer. Foi o 1º militar a ocupar a pasta desde a redemocratização.

O general tem pós-graduação em Política, Estratégia e Alta Administração do Exército pela Escola de Comando e Estado-Maior do Exército. Também é pós-graduado, pela Universidade de Brasília, em Projetos e Análise de Sistemas.

Durante a carreira no Exército, Silva e Luna comandou o 6º Batalhão de Engenharia de Construção (1996-1998), em Boa Vista (RR), e a 16ª Brigada de Infantaria de Selva (2002-2004), em Tefé (AM).

Em Brasília, foi diretor de patrimônio (2004-2006), chefe do gabinete do comandante do Exército (2007-2011) e chefe do Estado-Maior do Exército (2011-2014).

Também participou da Missão Militar Brasileira de Instrução no Paraguai e atuou como adido em Israel de 1999 a 2001.

QUEM É CASTELLO BRANCO

Roberto da Cunha Castello Branco estava na chefia da Petrobras desde o início do governo Bolsonaro. O engenheiro integrou o Conselho de Administração e o Comitê de Auditoria da estatal nos anos de 2015 e 2016. À época, Graça Foster presidia a empresa, no governo de  Dilma Rousseff (PT).

Segundo seu currículo na Plataforma Lattes, do CNPq, Castello Branco tem doutorado em economia pela FGV (1977) e pós-doutorado pela Universidade de Chicago (1977-78). A instituição norte-americana é uma referência na vertente liberal –o ministro da Economia, Paulo Guedes, foi aluno da escola de Chicago.

Uma das primeiras ocupações profissionais de Castello Branco foi a de professor de pós-graduação em economia na própria Fundação Getúlio Vargas.

Em 1985, ocupou o cargo de diretor de Normas e Mercado de Capitais do BC (Banco Central), no governo de José Sarney (MDB).

Roberto-castelo-branco.jpg

Roberto da Cunha Castello Branco está na chefia da Petrobras desde o início do governo Bolsonaro

Reuters: Bolsonaro diz que governo indicou general Silva e Luna para presidir Petrobras 

LOGO REUTERS

SÃO PAULO (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta sexta-feira que o governo decidiu indicar o general Joaquim Silva e Luna para assumir os cargos de conselheiro e presidente da Petrobras após o encerramento do ciclo do atual CEO da companhia, Roberto Castello Branco.

Em publicação no Facebook, Bolsonaro compartilhou nota assinada pelo Ministério de Minas e Energia sobre a mudança.

Silva e Luna, atual presidente de Itaipu, assumiria "após o encerramento do ciclo, superior a dois anos, do atual presidente" da petroleira estatal, de acordo com o comunicado.

Não foi possível falar imediatamente com a Petrobras.

Castello Branco assumiu o comando da petroleira em janeiro de 2019, logo após a posse de Bolsonaro. Ele vinha defendendo a independência da companhia para reajustar preços dos combustíveis, mas acabou desagradando o presidente após um comentário sobre caminhoneiros, que têm ameaçado greves devido aos valores do diesel.

O CEO da Petrobras disse no final de janeiro que a questão dos caminhoneiros não era um problema da companhia. O mandato do Castello Branco se encerra em 20 de março.

Na noite de quinta-feira, após um reajuste da companhia nos valores dos combustíveis, Bolsonaro reclamou e disse que o comentário teria "consequências", prometendo mudanças na estatal, sem detalhar.

As ações da Petrobras tiveram forte queda nesta sexta-feira em meio às discordâncias entre Bolsonaro e Castello Branco, que não chegou a se manifestar em público sobre o assunto. Não foi possível contato com o executivo.

Os papéis preferenciais da Petrobras encerraram com perda de 6,63% nesta sexta-feira.

O novo indicado para chefiar a petroleira, por sua vez, tem recebido elogios frequentes de Bolsonaro em suas tradicionais transmissões semanais e manifestações públicas por seu trabalho em Itaipu.

Ainda no ano passado, por exemplo, o presidente disse que a gestão de Silva e Luna tem se comprometido com o uso de recursos públicos e permitido a realocação de recursos para obras estruturantes no Paraná.

Silva e Luna é general de Exército da reserva e foi ministro da Defesa do governo Michel Temer. Ele foi o primeiro militar a ocupar o Ministério da Defesa desde a sua criação em 1999 e, agora, também coroa a volta de um ex-ocupante das Forças Armadas na Petrobras.

(Com reportagem adicional de Ricardo Brito, em Brasília)

Fonte:
Poder360

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

1 comentário

  • Augusto dos Santos Morais Caxias - RS

    Parabéns Presidente. A nomeação de um Militar é excelente para recuperar a Petrobrás. Os comunistas da Bolsa de Valores querem boicotar o governo. É hora dos militares darem uma esfrega nesses vagabundos

    26
    • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

      Uma vez na vida tenho que concordar com voce, Augusto. Os liberais brasileiros são liberais apenas na economia, de resto defendem a mesma pauta dos comunistas.

      14
    • EDMILSON JOSE ZABOTT PALOTINA - PR

      Sr. Augusto , também concordo com o sr... Hoje o que se ouve são críticas ao Presidente,... até o energúmeno do Maia voltou a aparecer criticando o Bolsonaro... As pessoas deveriam conhecer melhor o trabalho do general Luna na Itaipu. Para nós, que somos do Oeste do Paraná, e conheciamos a farra com o dinheiro da Itaipu (prefeitos até viajando p exterior pago com dinheiro da Itaipu, isso no passado), hoje a Itaipu, por ordem do Luna , está fazendo obras para todos, não só para meia dúzia de pelegos políticos . Tenho certeza que a Petrobrás terá uma nova história e para o bem de todos os Brasileiros.

      5