No Ceará, Bolsonaro diz que população não consegue mais ficar em casa

Publicado em 26/02/2021 18:19 209 exibições
Critica lockdown e medidas restritivas; Pede para governadores irem às ruas; Camilo (PT) criticou aglomeração

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta 6ª feira (26.fev.2021) que a população brasileira não “consegue mais ficar dentro de casa” durante a pandemia de covid-19. A declaração foi feita em cerimônia para retomada de obras paradas em Tianguá (CE).

“O povo quer trabalhar. Esses que fecham tudo e destroem empregos estão na contramão daquilo que o seu povo quer”, disse o presidente ao criticar governadores que adotam medidas de restrição para conter o alastramento da pandemia.

O presidente Jair Bolsonaro participou de evento em Tianguá (CE) ao lado de ministros e congressistas; na foto, presidente posa com crianças

Nesta semana, chefes dos Executivos locais anunciaram decretos para restringir a circulação de pessoas. O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), decidiu pelo lockdown das 20h até as 5h a partir da próxima 2ª feira (1º.mar). Carlos Moisés (PSL-SC) anunciou decreto que suspende o funcionamento de serviços não essenciais das 23h desta 6ª feira (26.fev) até as 6h de 2ª feira (1º.mar). Salvador e a região metropolitana da capital baiana também entrarão em lockdown no mesmo período de SC.

Bolsonaro chegou no fim da manhã desta 6ª ao Ceará. Assinou ordens de serviço de travessias e de um viaduto em Tianguá, cidade localizada na região noroeste do Estado.

À tarde, segue para Fortaleza, onde deve visitar a duplicação da BR-222. O ministro Tarcísio de Freitas (Infraestrutura) o acompanha.

O governador do Ceará, Camilo Santana (PT), disse que não iria aos eventos “diante da real possibilidade de muitas aglomerações”. Declarou na 5ª feira (25.fev) que tem “todo respeito” ao presidente, mas que não pode “compactuar” com o que considera “um grave equívoco”.

“Não me critique. Vá para o meio do povo, mesmo depois das eleições, porque durante as eleições é muito fácil. Quero ver é depois”, disse, em referência indireta ao governador petista.

Nesse evento, o 1º do dia, antes de subir ao palco, o presidente cumprimentou e fez fotos com os apoiadores, que se aglomeravam. Bolsonaro não usava máscara. Assista (34min40s):

Um dia antes, em sua live semanal, o chefe do Executivo afirmou ter lido que o uso das máscaras, recomendadas pelas autoridades de saúde para reduzir a exposição a partículas que propagam o vírus, poderia causar “irritabilidade, dor de cabeça, dificuldade de concentração, diminuição da percepção de felicidade, recusa a ir para escola ou creche, desânimo, vertigem e fadiga” em crianças.

Bolsonaro atribui a descoberta do que chamou de “efeitos colaterais das máscaras” a uma universidade alemã cujo nome não foi revelado.

 “Não vou entrar em detalhes, porque tudo deságua de crítica em cima de mim. Tenho minha opinião sobre máscara, cada um tenha a sua, mas a gente aguarda um estudo mais aprofundado sobre isso por parte de pessoas competentes”, declarou.

Participaram da cerimônia os ministros Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), Gilson Machado (Turismo), Tarcísio de Freitas (Infraestrutura) e Onyx Lorenzoni (Secretaria Geral).

 

Fonte:
Poder360

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário