Em frente à casa de Ibaneis, manifestantes pedem fim do lockdown em Brasília

Publicado em 28/02/2021 19:22 123 exibições
Empresários e comerciantes querem reabertura do comércio (no Poder360)

Um grupo de empresários e comerciantes do Distrito Federal realizou um ato contra o lockdown em frente à casa do governador Ibaneis Rocha (MDB) neste domingo (28.dom.2021).

As novas restrições impostas pelo governo distrital começaram a valer à 00h01 deste domingo (28.fev.2021) e terão a duração de 15 dias.

O decreto foi alterado no último sábado (27.fev), o governador Ibaneis ampliou a permissão de estabelecimentos que podem continuar funcionando. Ao todo, 32 setores são autorizados a funcionar.

Eventos estão proibidos e a venda de bebida alcoólica depois das 20h também. Bares e restaurantes seguem barrados. O setor de alimentos operará só em esquema de delivery.

Comerciantes afirmam que os negócios não conseguem suportar mais um lockdown

Os manifestantes exibiram cartazes com dizeres “não suportamos outro lockdown”“governador, o comércio sangra”“a fome e o desemprego também matam” e entoaram gritos como “cadê o dinheiro?”.

Participaram também da manifestação as deputadas federais Bia Kicis (PSL-DF) e Paula Belmonte (Cidadania), além da deputada distrital Júlia Lucy (Novo).

Manifestação por leitos de UTI e emprego c/ isolamento em Brasília. Presença das deputadas federais @Biakicis, @paulambelmonte e distrital @julialucydf, além de representantes de vários setores produtivos: escolas, transporte escolar, academias, bares e restaurantes #LockdownNao”, publicou Kicis no Twitter.

No Facebook, o presidente Jair Bolsonaro publicou um vídeo em que manifestantes gritavam “queremos trabalhar” em frente à casa de Ibaneis.

Assista ao vídeo da manifestação (1min19eg):

Veja as fotos do repórter fotográfico do Poder360, Sérgio Lima:

manifestantes_lockdown_brasilia-1024x683.jpg

Manifestantes são contra as novas restrições estabelecidas pelo governoSérgio Lima/Poder360

ato_contra_lockdown-1024x683.jpg

O grupo se aglomerou em frente à residência do governadorSérgio Lima/Poder360

manifestacao_contra_lockdown-1024x683.jpg

O distanciamento social não foi respeitadoSérgio Lima/Poder360

manifestante_contra_lockdown-1024x683.jpg

Manifestante usa camiseta de apoio a Daniel Silveira, deputado que foi preso por publicar um vídeo com ofensas e incitação à violência contra ministros do STFSérgio Lima/Poder360

manifestacao_lockdown_brasilia-1024x683.jpg

Manifestantes exibem cartazes em ato contra lockdownSérgio Lima/Poder360

cartaz-1024x683.jpg

Os manifestantes também pediram a volta das aulas presenciais no DFSérgio Lima/Poder360

ato-lockdown-1024x683.jpg

Comerciantes afirmam que os negócios não conseguem suportar mais um lockdownSérgio Lima/Poder360

manifestacao-lockdown-1024x683.jpg

Manifestantes exibem cartazes em defesa da reabertura do comércioSérgio Lima/Poder360

faixa_lockdown-1024x683.jpg

Manifestação relaciona o lockdown à fome e o desempregoSérgio Lima/Poder360

lockdown-nao-1024x683.jpg

Manifestantes exibem cartaz com os dizeres “lockdown no DF não”

Com lockdown, Brasília fica vazia: veja fotos aéreas da capital (no Poder360)

Suspensão de aulas, eventos e comércio; Restrições vigoram até 15 de março

Lockdown com chuva e pouco movimento nas ruas da cidade

Brasília está em lockdown. Por decreto do governador Ibaneis Rocha (MDB), aulas, eventos, cinema, teatro, museus e utilização de áreas comuns de condomínios residenciais estão suspensas a partir deste domingo (28.fev.2021). Boates, atividades presenciais das redes privada e pública de educação, shoppings, feiras, salões de beleza, barbearias e estabelecimentos comerciais em geral não podem funcionar.

A medida exclui 32 setores. São eles:

  • Supermercados;

  • Hortifrutigranjeiros;

  • Minimercados;

  • Padarias e mercearias;

  • Açougues e peixarias;

  • Postos de combustíveis e suas lojas de conveniência;

  • Veículos automotores;

  • Agências bancárias, lotéricas e afins;

  • Bancas de jornal e revistas;

  • Distribuidoras de alimentos e bebidas;

  • Manutenção de equipamentos médicos e hospitalares;

  • Escritórios e profissionais autônomos (advocacia, contabilidade, engenharia, arquitetura e imobiliária).

  • Lavanderias com entrega em domicílio;

  • Cartórios e serviços notariais e de registro;

  • Hotéis, exceto as áreas comuns;

  • Óticas;

  • Papelarias;

  • Zoológico e parques;

  • Órgãos distritais que prestem atendimento à população;

  • Atividades industriais, sem atendimento ao público;

  • Sistema S (somente atividades administrativas);

  • Cursos de formação de policiais e bombeiros;

  • Clínicas veterinárias;

  • Comércio atacadista;

  • Hospitais, clínicas e consultórios médicos, de fisioterapia, pilates e odontológico;

  • Laboratórios e farmacêuticas;

  • Petshops e loja de medicamentos veterinários;

  • Funerárias e serviços relacionados;

  • Segmento de construção civil;

  • Cultos, missas e rituais de qualquer credo e religião;

  • Serviços de fornecimento de energia, água, telefonia, esgoto e coleta de lixo;

  • Comércio de produtos farmacêuticos.

O objetivo é reduzir o contágio pela covid-19 e minimizar a superlotação de leitos de UTI para o novo coronavírus. A decisão foi publicada às 00h01 deste domingo e vigoram até 15 de março. Leia a íntegra (83 KB).

O repórter fotográfico do Poder360, Sérgio Lima, fez uma série de imagens da capital federal. As fotos mostram as ruas vazias. Eis as fotos:

photo5035170910960724316.jpg

Lockdown com chuva e pouco movimento nas ruas da cidadeSergio Lima/Poder360

photo5032919111147038995.jpg

Drive thru do McDonald’s cheio após lockdown

photo5032919111147038997.jpg

Cadeiras empilhadas em restaurante

Fonte:
Poder360

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário