Ibovespa recua com Vale, mas sobe na semana com exterior

Publicado em 09/04/2021 19:09 68 exibições

LOGO REUTERS

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa fechou a sexta-feira com um declínio discreto, mas acumulou um desempenho positivo na semana, beneficiado por perspectivas favoráveis para a recuperação da economia norte-americana, mas também pela ausência de novidades negativas relevantes no Brasil.

Nos Estados Unidos, o S&P 500 e o Dow Jones renovaram recordes nos últimos pregões após sinais melhores sobre a atividade e de que o Federal Reserve não está nem perto de reduzir seu apoio àquela economia. O país também acelerou o ritmo de vacinação contra a Covid-19.

Na visão do sócio da Manchester Investimentos Eduardo Cubas Pereira, é esse cenário que está por trás da performance do Ibovespa nessa semana, embora ele também cite perspectivas de um aumento no ritmo de vacinação contra o coronoavírus no Brasil como mais um componente.

"Há potencial de (a vacinação) ser mais rápida, temos visto comprometimento maior de órgãos públicos, de governo de modo geral para acelerar o ritmo", observou.

Pereira também citou que a grave situação da pandemia de Covid-19 no país, bem como o impasse relacionado ao Orçamento 2021 são fatores que não são novos e não mostraram nos últimos dias novidades relevantes, apenas desdobramentos, o que abriu espaço para o efeito benigno do exterior.

"Mas o Brasil vive uma situação fiscal extremamente frágil, e se as reformas eventualmente não andarem, o país pode sim passar por dificuldades mais sérias e realizações de lucros mais intensas podem ocorrer na bolsa", ponderou.

A queda no volume financeiro negociado diariamente na bolsa em abril referenda os receios com o cenário doméstico, com a média neste mês em 27,4 bilhões de reais, contra 36,9 bilhões de reais em março, 38,6 bilhões de reais em fevereiro e 36,3 bilhões de reais em janeiro.

Estrangeiros também continuam mostrando saída líquida do mercado acionário secundário brasileiro, com o saldo em abril negativo em 47,7 milhões de reais até o dia 7. Em todo o mês anterior, o déficit foi de 4,6 bilhões de reais. Em fevereiro, as saídas superaram as entradas em 6,8 bilhões.

Ainda assim, o mercado de ofertas de ações - IPOs e follow-ons - continuou aquecido, com o calendário do mês incluindo a precificação de operações de empresas como Hospital Care, Caixa Seguridade, modalmais, Infracommerce, Blau Farmacêutica, Rio Alto Energia.

Nesta sexta-feira, o Ibovespa caiu 0,54%, a 117.669,90 pontos, mas acumulou alta de 2% na semana, assegurando desempenho positivo de 0,89% no mês e reduzindo a perda no ano para 1,13%.

O índice Small Caps avançou 0,27%, a 2.903,17 pontos, com alta de 4,62% na semana e 3,78% no mês. No ano, a performance está positiva em 2,86%

O volume negociado no pregão nesta sexta-feira somou 25,88 bilhões de reais.

DESTAQUES DO IBOVESPA DO ACUMULADO DO MÊS:

- YDUQS ON avança 17,15%, buscando se recuperar após perda de quase 19% acumulada nos três primeiros meses do ano. Analistas com recomendação de compra para a ação citam entre os argumentos perspectivas positivas para a empresa de educação no longo prazo, embora os últimos dados conhecidos ainda tenham mostrado pressão em margens por maiores provisões e as expectativas no curto prazo contemplem efeito da pandemia de Covid-19 no ciclo de captação de alunos para 2021.

- EMBRAER ON sobe 13,92%, dando continuidade à valorização desde o começo de fevereiro, que já totaliza uma elevação de mais de 80% em 2021. No mês passado, o presidente-executivo da fabricante de aviões, Francisco Gomes Neto, afirmou que a companhia está trabalhando ativamente em novas parcerias de desenvolvimento de produtos e espera fazer um anúncio em breve. Além disso, analistas têm destacado que indicadores antecedentes dos jatos executivos estão melhorando.

- CSN ON valoriza-se 13,69%, tendo renovado cotações recordes, em meio um ambiente ainda favorável para os preços de aço, além de perspectivas de desalavancagem do grupo. Investidores também têm no radar a possibilidade de mais um IPO de uma de suas unidades, no caso, a de cimento. Em fevereiro, a companhia listou sua divisão de mineração. No setor, USIMINAS PNA sobe 12,28% e GERDAU PN avança 2,98%.

- BRADESCO PN recua 5,8%, em meio a ajustes após forte valorização em março, de 16,5%, sofrendo ainda com ruídos sobre aumento de tributação no setor e atraso na retomada da economia brasileira. No setor, ITAÚ UNIBANCO PN contabiliza perda de 4,7%, após alta de 9,7% no mês anterior.

- ENERGISA UNIT perde 5,04%, com o noticiário sobre a elétrica incluindo decisão da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) de adiar reajuste tarifário de empresas da companhia que atuam no Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, enquanto avalia saídas para conter uma tendência de forte aumento de custos para os consumidores neste ano. A companhia também anunciou que fará oferta pública de aquisição de ações (OPA) de emissão da Rede Energia Participações.

- QUALICORP ON cai 4,74%, na esteira do resultado o último trimestre de 2020 divulgado no final de março, com queda na receita e no desempenho operacional medido pelo Ebitda ajustado e nas respectivas margens, com alguns analistas avaliando que ainda não viram um "ramp up" nos números de 2020 diante da nova realidade da companhia.

Veja o comportamento dos principais índices setoriais na B3 no acumulado do mês:

- Índice financeiro: -1,79%

- Índice de consumo: +2,25%

- Índice de Energia Elétrica: -1,10%

- Índice de materiais básicos: +6,47%

- Índice do setor industrial: +3,97%

- Índice imobiliário: +1,16%

- Índice de utilidade pública: -0,49%

Fonte:
Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário