Governo Bolsonaro entrega 50 milhões de doses de vacinas anticovid aos Estados

Publicado em 17/04/2021 19:22 1670 exibições
Repassado 93,7% a municípios (40,7 milhões são CoronaVac)

O governo federal ultrapassou a marca de 50 milhões de vacinas distribuídas aos Estados e ao Distrito Federal, de acordo com os dados do LocalizaSUS deste sábado (17.abr.2021). Até o fechamento da reportagem, o registro mostrava 53.493.436 de doses enviadas.

Dessa quantidade, 40,7 milhões são doses da CoronaVac, produzida pelo Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac; 11,6 milhões do imunizante da AstraZeneca, produzido no Brasil pela Fiocruz; e outro 1 milhão também da AstraZeneca, enviadas pela aliança global Covax Facility em março. A campanha de imunização nacional começou em 18 de janeiro.

O presidente Jair Bolsonaro anunciou a marca em suas redes sociais, afirmando que 28,4 milhões de doses foram aplicadas.

ESTADOS E MUNICÍPIOS

Do total de doses recebidas, os Estados repassaram 93,7% aos municípios (50 milhões). São Paulo é a cidade que mais recebeu: 3,3 milhões. Em 2º lugar está o Rio de Janeiro, com 2,3 milhões. As outras localidades registram menos de 1 milhão.

O Poder360 mostrou em 16 de abril que os municípios brasileiros levam, em média, 17,8 dias para aplicar vacinas contra a covid-19 já entregues aos Estados pelo governo federal. O levantamento considerou o tempo que passa do momento que as doses são entregues à capital do Estado até a aplicação.

dias-aplicar-vacina-estados-drive-15-abr-2021-02-1.png

Brasil aplicou 1ª dose de vacina contra covid em 25,8 milhões de pessoas

O número representa 12,1% da população; 2ª dose chegou a 9,18 milhões (por Poder360)

Profissional da saúde prepara dose de imunizante contra covid-19 durante campanha de vacinação em Brasília

O Brasil aplicou a 1ª dose de vacinas contra a covid em 25.809.813pessoas até as 21h28 desta 6ª feira (16.abr.2021). Dessas, 9.182.116 receberam a 2ª dose. Ao todo, foram administradas 34.991.929 doses no país.

Os dados são das plataformas coronavirusbra1 e covid19br, que compilam dados das secretarias estaduais de Saúde.

O número de vacinados com ao menos uma dose representa 12,1% da população, segundo a projeção para 2021 de habitantes do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Os que receberam as duas doses são 4,3%.

A quantidade de pessoas que receberam a 2ª dose no Brasil equivale a 36% dos que tomaram a 1ª dose. As vacinas que estão sendo aplicadas no Brasil são a CoronaVac e a de Oxford-AstraZeneca. Ambas requerem duas doses para uma imunização eficaz.

Eis os números de vacinados por Estado:

OS DADOS

Os dados mostrados neste post são das plataformas coronavirusbra1 e covid19br, que compilam os números de vacinação divulgados pelas secretarias estaduais de Saúde.

O Ministério da Saúde também dispõe de uma plataforma que divulga dados sobre a vacinação: o Localiza SUS. Contudo, os números demoram mais para ser atualizados.

A plataforma do ministério depende de Estados e municípios preencherem os dados –de acordo com os critérios do governo federal– e enviarem à pasta. Quando uma dose é aplicada, as cidades e os Estados têm 48h para informar ao ministério.

O dado publicado pelo Poder360 é maior que o do Localiza SUS, por que os desenvolvedores das plataformas coronavirusbra1 e covid19br compilam os números de cada uma das secretárias estaduais, e as informações divulgadas diretamente por elas são mais atualizados.

Brasil receberá 1 milhão de doses da vacina da Pfizer contra Covid-19 em 29 de abril

LOGO REUTERS

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Pfizer entregará ao Brasil o primeiro lote de 1 milhão de doses da vacina desenvolvida pela empresa com a parceira BionTech contra a Covid-19 em 29 de abril, como parte de uma antecipação do contrato total assinado com o Ministério da Saúde por 100 milhões de imunizantes, disse nesta sexta-feira uma fonte com conhecimento do assunto.

Em meio à escassez de vacinas no Brasil e ao agravamento da pandemia no país, o ministério procurou a Pfizer em busca de antecipar a entrega do primeiro lote do imunizante, que estava prevista originalmente para maio.

O laboratório, em resposta, vai enviar ainda em abril 1 milhão de doses produzidas em uma unidade da Pfizer na Bélgica, e um segundo milhão chegará nas semanas seguintes, de acordo com a fonte, que falou sob a condição de anonimato.

Entre abril e junho estão previstas no total 15,5 milhões de doses da vacina, de acordo com cronograma anunciado anteriormente pelo ministério.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e representantes da Pfizer irão comparecer ao aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP), para receber o primeiro carregamento da vacina, acrescentou a fonte.

Procurado, o Ministério da Saúde não confirmou a data da primeira entrega, assim como a Pfizer.

O laboratório disse em nota que segue comprometido com a entrega de 100 milhões de doses até o final do 3º trimestre de 2021. "Estamos trabalhando junto ao Ministério da Saúde nas etapas necessárias para que a entrega das doses seja realizada conforme o cronograma", afirmou.

A vacina da Pfizer já possui registro de uso definitivo da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O governo federal só fechou o acordo de compra em março, vários meses após o início da negociação. Ainda em meados do ano passado o laboratório procurou o governo para oferecer o imunizante, mas não obteve resposta, e posteriormente as negociações ficaram em um impasse.

O presidente Jair Bolsonaro criticou várias vezes a proposta de contrato da Pfizer, pelo fato de o laboratório não querer assumir responsabilidades em caso de efeitos adversos em pessoas vacinadas, entre outros pontos.

Somente após a aprovação de uma lei pelo Congresso Nacional que autoriza União, Estados e municípios a assumirem a responsabilidade civil por eventuais eventos adversos decorrentes da imunização contra a Covid-19 durante a pandemia que o acordo foi firmado.

Ainda não há detalhes sobre distribuição e aplicação dessas vacinas, que exigem uma logística diferente, já que precisam ser armazenadas a 70 graus Celsius negativos, diferentemente das vacinas já usadas no Brasil --CoronaVac e AstraZeneca--, que podem ser guardadas em temperaturas de 2 a 8 graus.

Com apenas dois imunizantes à disposição e atrasos no processo de fabricação, o Brasil vacinou até o momento 24,8 milhões de pessoas com a primeira dose, o equivalente a 11,8% da população, e 8 milhões com as duas, o que representa 3,8% da população.

ONU anuncia antecipação de 4 mi de doses de vacinas contra Covid ao Brasil

LOGO REUTERS

BRASÍLIA (Reuters) - A Organização das Nações Unidas (ONU) anunciou nesta sexta-feira a antecipação do envio ao Brasil de 4 milhões de doses de vacinas contra Covid-19 ainda neste mês de abril por meio do consórcio Covax Facility, co-liderado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Há ainda a possibilidade de se antecipar o envio de outras 4 milhões de doses via Covax, informou a ONU, à qual a OMS é vinculada, em comunicado. O anúncio do repasse foi feito em reunião virtual de dirigentes da ONU e da OMS com 22 governadores e 4 vice-governadores do Fórum de Governadores do Brasil nesta sexta.

No dia 21 de março, o Brasil recebeu o primeiro lote de 1.022.400 doses de vacinas da AstraZeneca/Oxford contra Covid-19 por meio do Covax Facility.

O programa oferece auxílio especialmente a países em desenvolvimento, permitindo que eles vacinem profissionais de saúde e outros grupos em alto risco, mesmo se seus governos não conseguiram garantir vacinas com os fabricantes.

No caso do Brasil, foram adquiridas 42,5 milhões de doses de vacinas por meio do programa.

O Brasil tem atravessado nas últimas semanas o pior momento da pandemia, com elevados registros de mortes e casos de Covid. O país sofre com o colapso nos sistemas de saúde com falta de leitos de UTI, escassez de medicamentos do chamado kit intubação e a demora na imunização.

Gestores regionais reclamam também da falta de coordenação do governo federal para fazer frente a essa situação e começaram a tomar iniciativas entre eles para se reorganizar.

Em entrevista coletiva após a reunião, o governador do Piauí, Wellington Dias (PT), disse que a ONU vai pedir aos EUA que envie ao Brasil vacinas contra Covid que não estão sendo usadas no país. Ele destacou que essa eventual ajuda humanitária seria uma exceção aberta pelo governo dos EUA.

Dias destacou que há vacinas da AstraZeneca nos EUA que não estão sendo utilizadas. Por isso, foi pedida uma flexibilização na legislação norte-americana para permitir que haja a doação ou venda de excedentes de imunizantes para o Brasil e outros países.

Segundo o governador, a representante da ONU se comprometeu a tratar do tema.

Para Dias, que coordena a temática das vacinas no fórum nacional dos governadores, o problema do Brasil não é só dele, mas do mundo. Ele citou a avaliação feita pela OMS que reconhece o Brasil como o "maior propagador" de variantes de Covid.

"Se o mundo não cuidar do Brasil, há um risco de que essas variantes se alastrarem para o mundo". alertou.

Com apenas dois imunizantes à disposição --CoronaVac e AstraZeneca-- e atrasos no processo de fabricação, o Brasil vacinou até o momento 24,8 milhões de pessoas com a primeira dose, o equivalente a 11,8% da população, e 8 milhões com as duas, o que representa 3,8% da população.

Para acelerar a vacinação no país, a Pfizer entregará ao Brasil o primeiro lote de 1 milhão de doses da vacina desenvolvida pela empresa com a parceira BionTech contra a Covid-19 em 29 de abril, como parte de uma antecipação do contrato total assinado com o Ministério da Saúde por 100 milhões de imunizantes, disse nesta sexta-feira uma fonte com conhecimento do assunto.

Brasil confirma mais 2.929 mortes; total de vítimas vai a 371.678, com 12.344.861 de pessoas recuperadas (no Poder360)

O Ministério de Saúde registrou mais 2.929 mortes por covid-19 neste sábado (17.abr.2021). O país tem agora 371.678 vítimas confirmadas.

As autoridades também confirmaram 67.636 casos novos, elevando o total de diagnósticos para 13.900.091. Desses, 12.344.861 são de pessoas recuperadas e 1.183.552 de pacientes em acompanhamento.

MÉDIA DE MORTES E CASOS

A média móvel matiza variações abruptas, sobretudo porque aos finais de semana há menos servidores trabalhando na secretaria, o que reduz os registros dos casos. A curva é uma média do número de ocorrências confirmadas nos últimos 7 dias.

A média de novas mortes está em 2.906. Subiu na comparação com o dia anterior, o que não acontecia desde 12 de abril.

Já a curva de novos casos está em 65.012. Registrou queda pelo 5º dia consecutivo.

MORTES PROPORCIONAIS

O Brasil tem 1.742 mortes por milhão de habitantes. Apenas o Maranhão tem taxa inferior a 1.000 mortos por milhão.

O Brasil é o 13º no ranking mundial. A República Tcheca, que lidera a lista, tem 2.648 vítimas por milhão.

 

Fonte:
Poder360

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário