Bolsonaro, Guedes e Queiroga participam de evento com empresários na Fiesp (agora, no Poder360)

Publicado em 19/04/2021 20:54 161 exibições
Reunião por videoconferência; Maiores empresários do país presentes; Falam sobre crise e pandemia no país

O presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga e o ministro da Economia, Paulo Guedes, participam na 3ª feira (20.abr.2021) de uma videoconferência organizada pelo presidente da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), Paulo Skaf.. O encontro virtual reúne acionistas e diretores dos 50 maiores grupos empresariais do país.

A reunião está permitida apenas para os participantes. Segundo a Fiesp, estão sendo discutidas a  campanha de vacinação contra a covid-19 e a agenda econômica do governo. O evento começou às 9h15.

Esta é a 3ª reunião do gênero promovida pela Fiesp, só em 2021. O evento faz parte do fórum “Diálogo pelo Brasil”, promovido pela instituição. Os anteriores também foram realizados por videoconferência.

Em 13 de janeiro, o evento teve a participação dos ministros Fábio Faria (Comunicações ) e Braga Netto, quando este ainda ocupava a Casa Civil. Na 2ª reunião, em 1º de março, os convidados foram os presidentes da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

BOLSONARO JÁ PARTICIPOU

Em 2020, Jair Bolsonaro e Paulo Guedes também participaram do “Diálogo pelo Brasil”, no começo de março de 2020. Na ocasião, eles apresentaram as propostas para o crescimento econômico do país. O evento foi realizado poucos dias depois de a OMS (Organização Mundial de Saúde) declarar que o mundo estava entrando em pandemia, por causa da covid-19.

brMalls reabre 11 shoppings, tem 94% da área em atividade

LOGO REUTERS

SÃO PAULO (Reuters) - A brMalls informou nesta segunda-feira que retomou a operação de 11 shoppings do seu portfólio, embora com restrições no horário de funcionamento.

Com isso, a companhia afirmou que tem agora 29 shoppings abertos, equivalentes a 94,4% da área bruta locável (ABL).

Produção e vendas de minério da Vale crescem mais de 14% com firme demanda da China

LOGO REUTERS

RIO DE JANEIRO/SÃO PAULO (Reuters) - A Vale produziu 68 milhões de toneladas de minério de ferro no primeiro trimestre, alta de 14,2% ante o mesmo período do ano anterior, avançando em seu plano de estabilização e retomada operacional, informou a mineradora em relatório nesta segunda-feira.

Já as vendas de minério de ferro da companhia subiram quase 15%, com a empresa se beneficiando de maior demanda da China por minério de qualidade, como o da Vale. A mineradora também registrou um prêmio de mais de 8 dólares por tonelada pelo produto.

"A Vale continua progredindo, apesar dos desafios adicionais impostos pela pandemia da Covid-19 no Brasil, em seu plano de estabilização do minério de ferro...", disse a empresa, sem detalhar quais dificuldades estão sendo enfrentadas pela operação em meio à pandemia.

Recentemente, a companhia foi pressionada por entidades da sociedade civil a paralisar suas operações de minério de ferro em Parauapebas, município paraense onde está a principal unidade da mineradora, como forma de frear o contágio do coronavírus na região. Mas não há informação de qualquer parada.

O aumento na produção no trimestre, segundo a empresa, teve como um dos motivos a retomada gradual das operações nos complexos Timbopeba, Fábrica e Vargem Grande, em Minas Gerais, ao longo de 2020. Tais atividades haviam sido impactadas em meio a uma ampla revisão da segurança, após rompimento de barragem em Brumadinho (MG).

Também contribuíram para o aumento anual na produção o desempenho em Serra Norte e menor volume de chuvas em janeiro, além do crescimento das compras de terceiros e o reinício das operações em Serra Leste.

Em contrapartida, os volumes de produção sofreram impacto de manutenções na importante mina S11D, além de um menor desempenho no complexo de Itabira devido à restrição de disposição de rejeitos no complexo.

Na comparação com o quarto trimestre, no entanto, houve retração de 19,5% na comparação com a produção do quarto trimestre, atribuída principalmente à sazonalidade habitual.

PLANO DE RETOMADA

A Vale informou que atingiu capacidade de produção de 327 milhões de toneladas no período, diante de seu plano de estabilização e retomada, a partir do comissionamento das linhas de beneficiamento de Timbopeba (+7 milhões de toneladas), que foi parcialmente compensado por restrições de desempenho em diferentes sites.

O plano de retomada também avançou com o início da planta de filtragem de rejeitos de Vargem Grande, a primeira de quatro plantas de filtragem em Minas Gerais. A segunda planta, em Itabira, deverá entrar em operação até o fim de 2021.

A empresa manteve sua previsão de produzir de 315 milhões a 335 milhões de toneladas de minério de ferro em 2021.

A produção de pelotas da Vale totalizou 6,3 milhões de toneladas entre janeiro e março, queda de 9,2% ante o mesmo trimestre de 2020, como resultado da menor disponibilidade de "pellet feed" das unidades de Itabira e Brucutu.

"Apesar de um trimestre mais fraco, a Vale espera aumentar gradualmente a produção durante 2021 com a maior disponibilidade de pellet feed de Timbopeba e Vargem Grande", afirmou.

VENDAS

As vendas do minério de ferro, por sua vez, somaram 59,3 milhões de toneladas no primeiro trimestre, alta de 14,8% ante os três primeiros meses de 2020.

Os volumes de vendas de finos de minério de ferro e pelotas totalizaram 65,6 milhões de toneladas no primeiro trimestre, alta de 11% contra o mesmo período do ano passado, devido à forte produção de minério de ferro, sendo parcialmente compensado pela menor disponibilidade de "pellet feed".

A empresa informou que o prêmio de minério de ferro foi de 8,3 dólares por tonelada, na medida em que a forte recuperação da demanda dos mercados, preços mais altos do carvão metalúrgico na China e a necessidade de uma produtividade elevada nos altos-fornos deram suporte a "spreads" maiores entre os índices de referência 65% de Fe e 62% Fe e aos prêmios de pelotas.

METAIS BÁSICOS

Do lado do cobre, a empresa atingiu produção de 76,5 mil toneladas no primeiro trimestre, queda de 19% ante um ano antes e recuo de 18,2% em relação ao quarto trimestre, diante de impactos relacionados a manutenção e à Covid-19.

Segundo a Vale, em Salobo, houve mudanças nas rotinas de manutenção para aumentar a segurança e melhorar as condições operacionais, o que restringiu a movimentação da mina e impactou o teor de alimentação.

A empresa também realizou manutenção programada e não programada nas operações do Sossego, que levou mais tempo do que o esperado, já que a Covid-19 limitou a capacidade de mobilização de terceiros.

"Conforme as atividades de manutenção continuam em ambos os sites e uma grande manutenção planejada do moinho SAG em Sossego precisou ser adiada em função da Covid-19, outros impactos na produção são esperados, com as operações de cobre retornando a níveis normais no segundo semestre", disse a empresa.

Diante dos desafios, a Vale prevê que produção de cobre se situe próxima ao nível inferior do guidance para este ano, de 360 mil a 380 mil toneladas. A empresa reconhece, no entanto, que poderá haver mais atrasos na manutenção programada da planta, devido à pandemia.

A produção de níquel acabado da Vale (ex-VNC) foi de 48,4 mil toneladas no trimestre, alta de 6,8% ante um ano antes e 4,7% abaixo do quarto trimestre.

O avanço anual foi resultado de uma operação estável em Onça Puma e do forte desempenho nas refinarias do Atlântico Norte, com Long Harbour atingindo níveis recordes de produção no primeiro trimestre, disse a Vale.

Via Varejo vai captar R$1 bi em debêntures

LOGO REUTERS

SÃO PAULO (Reuters) - A Via Varejo, dona das marcas Casas Bahia e Ponto frio, informou nesta segunda-feira que seu conselho de administração aprovou proposta de emissão de um bilhão de reais em debêntures, segundo ata de reunião.

A emissão será feita em duas séries, com vencimentos respectivos de três e cinco anos. Os recursos da captação serão usados para alongar dívida e reforçar caixa da companhia.

Itaú capta US$400 milhões com DFC para crédito a pequenas empresas

LOGO REUTERS

SÃO PAULO (Reuters) - O Itaú Unibanco informou nesta segunda-feira que captou 400 milhões de dólares com a United States International Development Finance Corporation (DFC) para expandir crédito a pequenas e médias empresas.

Segundo o banco, a oferta de empréstimos terá foco em regiões como Norte e Nordeste do Brasil, e empresas majoritariamente controladas ou lideradas por mulheres.

Fonte:
Poder360/Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário