Publicidade

Volatilidade cambial seguirá alta até BC completar ciclo de normalização monetária, prevê BNP

Publicado em 21/07/2021 16:50 88 exibições

Logotipo Reuters

O real seguirá com alta volatilidade até que o Banco Central complete o ciclo de normalização monetária, que deve terminar no começo do ano que vem com a Selic a 7,5% ao ano, disse Luca Maia, estrategista de câmbio e juros para a América Latina do BNP Paribas.

A diferença média entre máximas e mínimas do dólar futuro em relação a cada fechamento anterior vem em alta desde junho, saindo de cerca de 1,22% para 1,75%. Outra medida de instabilidade, a volatilidade implícita nas opções de dólar / real de três meses desde o começo do mês voltou a ser a mais alta dentre os pares comparáveis ??do real, usada em 16,6% ao ano, contra 10,3% do peso mexicano.

A maior volatilidade veio acompanhada de aumento do preço do dólar, que já subiu 6,4% desde que bateu mínimas abaixo de 4,90 reais em 25 de junho. O real tem nessa base de comparação o pior desempenho entre seus principais rivais.

"Achamos que isso é um movimento mais técnico, já que a real vinha de uma valorização desde março e havia maior carregamento de posições vendidas em dólar quando o mercado começou a discutir as mudanças no cenário de crescimento econômico global", disse Maia.

"Não acredito que seja algo que deva alterar nossa visão de longo prazo ... Conforme o Brasil para entregando mais juros, a volatilidade vai reduzir, mas até completar esse ciclo de normalização a volatilidade vai ser mais alta."

Publicidade

O BNP prevê Selic de 6,5% ao fim deste ano e de 7,5% no término de 2022 --ambas conforme têm viés de alta e o juro está hoje em 4,25%. Com isso, o dólar cai a 4,75 reais em 2021 e fecha 2022 a 4,60 reais.

Num exemplo da importância dos diferenciais de juros para um cenário de recuperação da divisa brasileira, o BNP calcula que uma Selic de 7,5% no começo de 2022 num modelo com demais variáveis ??(risco-país, termos de troca) travadas seria condizente com uma valorização de 21% do real ante o dólar até lá.

Maia lembra, contudo, que há alguns componentes de risco mais difícil de mensurar, como temas políticos, e que o real continua sentindo os efeitos nos investidores inesperados do episódio conhecido como "Joesley Day" - em 18 de maio de 2017 houve pânico nos mercados domésticos um dia após virem a público denúncias de Joesley Batista, um dos donos da J&F, envolvendo diretamente o então presidente Michel Temer.

Na ocasião, o mercado entendeu que os eventos sepultaram a agenda de reformas em curso. Naquele 18 de maio, o dólar disparou 8,15%, maior alta desde março de 2003.

Por ora, a posição principal do BNP em real é contra o euro, escolha, segundo Maia, justificada pela expectativa de que uma narrativa de redução de estímulos nos Estados Unidos enfraqueça a moeda comum europeia, o que um tornaria ideal para financiamento.

Fonte:
Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário