Publicidade

Bolsonaro defende voto eletrônico com comprovante impresso, e diz: "Não aceitaremos uma farsa eleitoral"

Publicado em 31/07/2021 15:05 303 exibições

Logotipo Reuters

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro voltou a dizer em discurso a apoiadores na cidade de Presidente Prudente (SP) que não vai aceitar uma "farsa" nas eleições, insinuando que haveria irregularidades nas urnas eletrônicas e defendendo a adoção do voto com comprovação impressa (auditável). 

"Quando se fala em democracia, ela só existe quando existem também eleições limpas. Não é como um ou outro quer; é da forma que o povo deseja. Nós queremos eleições, nós queremos votar, mas não aceitaremos uma farsa como querem nos impor", ameaçou.

"Pode ter certeza: o soldado que vai à guerra e tem medo de morrer é um covarde. Jamais temerei alguns homens aqui no Brasil que querem impor a sua vontade. A vontade do Brasil é a vontade de Deus. E a vontade aqui na terra é a vontade de cada um de vocês", acrescentou ele em transmissão pelas redes sociais, depois de participar de uma motociata e outros eventos em Presidente Prudente (SP).

Em outro momento da agenda no interior paulista no sábado, o presidente voltou novamente ao tema das eleições e disse que o que mais quer e tem feito é jogar dentro das quatro linhas da Constituição.

"O que eu mais quero, mais tenho feito é jogar dentro das quatro linhas da nossa Constituição e a alma da democracia é o voto de cada um de vocês e vocês tem de ter certeza de que em aqueles que vocês votaram o voto foi exatamente para aquela pessoa", disse durante o credenciamento de um hospital ao Sistema Único de Saúde.

"Não abrimos mão de eleições democráticas, limpas e confiáveis no ano que vem. Tudo se aperfeiçoa, é modernizado, apenas esse sistema continua praticamente idêntico daquele existente no seu nascedouro dos anos 90", destacou.

Apesar das falas do presidente, a reportagem da Reuters diz que o atual sistema de votação é auditável e foi por meio dele em que ele próprio se elegeu para deputado federal várias vezes e presidente em 2018.

Publicidade

Bolsonaro diz que Petrobras tem R$ 3 bi para custear vale-gás

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro afirmou que a Petrobras tem uma reserva de 3 bilhões de reais para custear as despesas com o pagamento de um vale-gás para a população de baixa renda, no momento em que o governo tem sido alvo de críticas em razão do elevado preço do produto.

"O novo presidente da Petrobras, o general (Joaquim) Silva e Luna, está com uma reserva de aproximadamente 3 bilhões de reais para atender realmente esses mais necessitados", disse Bolsonaro em entrevista veiculada ao Programa do Ratinho, na SBT, na noite de sexta-feira.

"Seria um vale-gás, seria o equivalente —no que está sendo estudado até agora— a um bujão de graça a cada dois meses", acrescentou.

O presidente, entretanto, não deu qualquer detalhe sobre como seria o critério para os beneficiários do repasse ou sobre a reserva que a Petrobras teria para esse objetivo.

O governo federal planeja incluir um vale-gás na reformulação dos programas sociais que será anunciada no mês de agosto para compensar os reajustes recordes do combustível, segundo reportagem da Reuters publicada na sexta-feira com três fontes que acompanham a negociação.

Segundo as fonte, ainda não há uma definição de valor, orçamento ou forma como o pagamento será feito, mas a intenção é atingir famílias de baixa renda, atendidas pelo programa Bolsa Família --que deve crescer das atuais 14 milhões de famílias beneficiadas para cerca de 17 milhões.

Na entrevista, Bolsonaro admitiu que há um problema de inflação nos alimentos, mas atribuiu, de modo geral, à demanda internacional. No caso do gás de cozinha, ele disse que o problema do preço alto do insumo não é do governo federal, que zerou impostos, mas do ICMS cobrado por governadores e da margem de lucro, por exemplo.

Fonte:
Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário