Dólar fecha a R$ 1,75; Bovespa valoriza 0,23%

Publicado em 28/04/2010 16:57 226 exibições

A cotação da moeda americana permaneceu pressionada durante boa parte da sessão desta quarta-feira, mas cedeu com força nos minutos finais, quando rompendo o "piso" de R$ 1,75.

O dia foi marcado pelo nervosismo com a situação na Europa. Hoje, a agência Standard & Poor's rebaixou o "rating" (nota de risco de crédito) da Espanha, um dia após ter feito o mesmo com Portugal e Grécia. Pivô da crise atual, o país mediterrâneo viu seus títulos da dívida enquadrados como "junk bonds", categoria reservada para títulos de alto rendimento e alto risco.

Dessa forma, o dólar comercial foi vendido por R$ 1,753 nas últimas operações registradas nesta quarta-feira, o que significa um recuo de 0,67% sobre o fechamento de ontem. Os preços da moeda americana oscilaram entre R$ 1,769 e R$ 1,751. Nas casas de câmbio paulistas, o dólar turismo foi cotado por R$ 1,860, em um decréscimo de 0,53%.

Ainda operando, a Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo) valoriza 0,23%, aos 66.663 pontos. O giro financeiro é de R$ 6,28 bilhões. Nos EUA, a Bolsa de Nova York ganha 0,40%.

O mercado operou sob expectativa da reunião do Copom (Comitê de Política Monetária), que anuncia após o fechamento das Bolsas a nova taxa básica de juros do país, hoje em 8,75% ao ano. Economistas estão divididos entre um ajuste para 9,25% ou para 9,50%, sendo que esta segunda corrente ganhou bastante força nos últimos dias.

Com juros mais altos, os ativos brasileiros se tornam mais atrativos para investidores globais interessados em maiores taxas de retornos do que as oferecidas nos países desenvolvidos como, por exemplo, os EUA, onde o banco central manteve, mais uma vez, os juros primários na "banda" de zero a 0,25%, avisando que esses "níveis excepcionalmente baixos" devem continuar assim "por um longo período".

Juros futuros

No mercado futuro da BM&F, que serve de referência para os juros bancários, as taxas projetadas subiram, a poucas horas do término da reunião do Copom.

No contrato que aponta os juros para outubro de 2010, a taxa prevista avançou de 10,29% ao ano para 10,36%; no contrato de janeiro de 2011, a taxa projetada ascendeu de 10,85% para 10,91%. E no contrato de janeiro de 2012, a taxa prevista passou de 12,19% para 12,21%. Esses números são preliminares e podem sofrer ajustes.

Fonte:
Folha Online

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário