No Valor: Acordo alivia pressão sobre mercados; dólar e petróleo avançam

Publicado em 01/08/2011 07:42 326 exibições
Investidores ao redor do mundo foram aliviados neste domingo pelo pronunciamento do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que anunciou acordo entre líderes democratas e republicanos em ambas as casas do Congresso para elevar o teto da dívida pública americana e cortar o déficit federal. Após o pronunciamento de Obama pela TV nesta noite, o índice de ações Nikkei, do Japão, avançava 1,7%. Após o anúncio do acordo, que acena com cortes de pelo menos US$ 1 trilhão nos próximos dez anos, os contratos futuros do índice Dow Jones avançavam 182 pontos, ou 1,5%. Contratos futuros do S&P 500 subiam 1,6%.

Quando os índices futuros sobem fora dos horários de pregão, a tendência é de que as ações abram em alta. Se o acordo for aprovado no Congresso, John Brady, vice-presidente de futuros e opções na MF Global, acredita que “haverá um rali em ações, e será grande”.  “Isso (o acordo anunciado) significa um alívio para Wall Street”, disse Jack Ablin, chefe da área de investimentos do Harris Private Bank em Chicago.

Mas a cautela ainda é perceptível. “Ainda há um longo caminho pela frente para reduzir o risco de default do governo dos Estados Unidos”, avaliou Tom Quarmby, diretor regional de pesquisa do Barclays Capital em Hong Kong, em uma entrevista à Bloomberg Television. Embora muitos obstáculos permaneçam, o acordo “tira (o governo dos EUA) de uma série de problemas no curto prazo”, disse Quarmby.

Com as notícias sobre o acordo, o dólar e a cotação do barril de petróleo subiam, enquanto o ouro recuava. Às 9h44 de Tóquio nesta segunda-feira, o dólar avançava 1,3% ante o iene e 0,2% ante o euro. O ouro recuava 1,1%, para US$ 1.610,70 por onça e o barril de petróleo com entrega para setembro subia 1,6%, para US$ 97,19, na New York Mercantile Exchange.

Fonte:
Valor Econômico

1 comentário

  • Petronilha Batista Muzambinho - MG

    Mesmo com o acordo os asiáticos são claros não vão investir em dólar e os analistqas americanos vêem o acordo como um analagésico , os maiores credores americanos estão no Japão e na China. O dinheiro vai continuar indo para outros lugares.... agronegócio brasilerio é hora de cautela, já que por aqui nosso governo esta tão despreocupado. ....

    0