Safra tem leve queda na projeção para 2011 no CE

Publicado em 10/08/2011 07:27 150 exibições
A estimativa da safra cearense de cereais, leguminosas e oleaginosas, referente ao período de 16 de junho a 15 de julho de 2011, aponta para uma redução de 0,70% em relação a expectativa de produção do mês anterior, caindo de 1.482.221 toneladas para a produção estimada de 1.409.751 toneladas de grãos este ano. Em comparação à estimativa da produção inicial (1.447.180 t) foi constatado decréscimo de 2,59%. Porém, quanto à produção obtida no ano passado (335.947 t) o incremento chega 319,63%. A alteração nas previsões não compromete a perspectiva de safra recorde, devendo superar a produção histórica de 2006, que totalizou 1,14 milhão de toneladas.

Os dados são revelados no Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) realizado no Estado pelo Grupo de Coordenação de Estatísticas Agropecuárias do Ceará (GCEA-CE) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Reduções
De acordo com o relatório, a retração em relação às projeções anteriores foi puxada pela queda na estimativa de produção de dez produtos cultivados no Estado, como algodão herbáceo de sequeiro, arroz de sequeiro, arroz irrigado, feijão de corda de primeira safra (Vigna), milho (grão), sorgo granífero, além da mamona, abacaxi, graviola e mamão. Em contrapartida, em relação ao mês anterior, houve crescimento da estimativa de produção de cinco itens: tomate, melão, melancia, banana irrigada e goiaba.

Arroz irrigado
De acordo com Regina Feitosa, secretária do GCEA, a redução do arroz irrigado, constatada no município de Morada Nova, se deve a opção dos agricultores de reduzir a área cultivada do produto para investir noutras culturas mais rentáveis. Segundo ela, o feijão de corda de primeira safra (Vigna) e o milho (grão) também apresentaram declínio em municípios localizados no Sertão de Inhamuns, Iguatu e Várzea Alegre. "Devido a veranicos ocorridos no mês de março, algumas previsões não se confirmaram e o rendimento obtido nesses cultivos foi inferior ao estimado", explica.

Mamona
A previsão de colheita da mamona tende a continuar diminuindo, pois os técnicos ainda estão em campo completando o levantamento, informa a secretária do GCEA. Conforme o relatório no município de Ibicuitinga o inadequado desenvolvimento da cultura, por deficiências do solo e do clima, deu razão a queda na estimativa de produção. Já no município de Morada Nova houve desistência de plantio por muitos produtores com receio de prejuízo na produção devido às terras e ao clima não apropriados para essa lavoura. Em Limoeiro do Norte, produtores deixaram de plantar suas áreas, causando a queda da área estimada.

Fonte:
Diário do Nordeste

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário