Filho vira índio "tupinambá", invade a terra do pai, que não é índio, e o expulsa da própria casa

Publicado em 11/08/2014 18:21 e atualizado em 06/03/2020 19:39 1059 exibições
Edivaldo.jpg
Conheça a história do Edivaldo. Ele é um pequeno agricultor e trabalhador rural em Buerarema, no sul da Bahia. Era dono de um roça de 8 hectares na região conhecida como Serra das Trempes. Um belo dia, enquanto trabalhava na roça, seu Edivaldo recebeu a visita do filho, Reginaldo Marinho da Silva, portando um rifle. Reginaldo disse ao pai, que não é índio, que a terra dele estava "retomada". Seu Edivaldo se retirou da própria casa com alguns bens pessoais e a mulher grávida e hoje vive pagando aluguel na zona urbana de Buerarema.
Perguntado sobre como se sentiu ao ser expulso da terra e de casa pelo próprio filho que virou índio, Seu Edivaldo diz que entregou a causa a Deus. "O que é que posso fazer? Só ele mesmo para ter compaixão de mim. A justiça aqui só a de Deus", diz seu Edivaldo.

Agricultor desaparece em região de conflito entre índios e produtores rurais no sul da Bahia

O produtor rural Raimundo Domingos dos Santos, de 52 anos, proprietário da Fazenda Cachoeirinha, nas imediações do povoado de Montinho, em Itabela, sul da Bahia, está desaparecido desde a manhã de ontem (10). Familiares informam que por volta das 11h da manhã de sábado (9), líderes da milícia de índios pataxó que ocupa várias fazendas na região teriam chamado Raimundo até a Fazenda Brasília, onde estão concentrados, para apanhar um animal seu que havia chegado por lá.

Ainda de acordo com informações de familiares, Raimundo teria ido ao encontro e desde então não informações sobre seu paradeiro. A família informou o suposto sequestro à guarnição da Polícia Militar de Montinho. Os policiais entraram em contato com a milícia indígena que nega o sequestro.

“Até a Polícia Federal nós já acionamos, mas os policiais disseram que não podem fazer nada, a não ser se o sequestrado fosse um índio”, disse Sonete Domingues de Jesus, irmã do produtor rural. Outros integrantes da família estão tentando um contato com a representação do Ministério Público de Porto Seguro. “Não sabemos se nosso irmão está vivo ou morto”, completa.

Ainda segundo Sonete, seu irmão era acusado pelos índios de ter atirado contra um veículo da Funai usado pela milícia na região. O comando da Polícia Militar de Itabela, bem como o delegado Hermano Costa, titular da Polícia Civil, já teriam sido informados sobre o sumiço do agricultor.

Há quase dois meses os Ministros da Secretaria Geral da Presidência da República e da Justiça enviaram à região o descordenador geral de Movimentos do Campo e Territórios da Presidência da República, Nilton Tubino. Na ocasião, Tubino reconheceu o clima de violência na região e prometeu enviar tropas da Força Nacional para garantir a segurança na região. A promessa nunca foi cumprida. 

Fonte:
Questão indígena

0 comentário