Chicago: grãos sentem pressão do financeiro e do clima nos EUA

Publicado em 07/05/2012 12:17 1336 exibições
O dia negativo no mercado financeiro e as condições climáticas favoráveis ao plantio da safra 2012/13 nos Estados Unidos estão pressionando o mercado internacional de grãos nesta segunda-feira. 

Após encerrar o pregão noturno com baixas de dois dígitos nos principais vencimentos, a soja iniciou a sessão regular perdendo mais de 11 pontos. Porém, recuperou parte das perdas e por volta de meio-dia (horário de Brasília), as perdas estavam entre 5,25 e 11 pontos. O milho e o trigo também operam do lado negativo da tabela, porém, com perdas mais modestas. 

Hoje, os investidores mostram-se mais avessos ao risco com a macroeconomia temerosa depois do resultado das eleições na França e na Grécia no último domingo (6). O mercado acredita com os novos governantes, o pacto de austeridade firmado na Zona do Euro possa estar ameaçado. 
Além disso, os traders enfrentam dias sem novidades no campo fundamental, o que também impede que os preços voltem a subir vertiginosamente. Paralelamente, os investidores buscam posicionar-se melhor nesses dias em que atencedem a divulgação do próximo relatório de oferta e demanda do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), no próximo dia 10 de maio, quinta-feira. 

Na França, Nicolas Sarkozy deu lugar ao socialista François Hollande, que já prometeu menos austeridade. Na Grécia,  os dois partidos pró-austeridade e pró-europeus gregos, o Pasok (socialista) e a Nova Democracia (direita) perderam para uma formação radical de esquerda, a Syriza, contrária ao memorando de acordo da Grécia com os credores do país, que passa a ser a segunda força política do país, e o partido neonazista Chryssi Avghi (Amanhecer dourado).  

Clima nos EUA - De acordo com informações da agência internacional de notícias Bloomberg, as lavouras nas principais regiões produtoras dos EUA são favorecidas pelo clima quente e úmido, uma vez que pode garantir uma boa produtividade norte-americana. 
Tags:
Por:
Carla Mendes
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário