Chicago: Liderados pela soja, grãos retomam a escalada dos preços

Publicado em 25/07/2012 14:26 e atualizado em 25/07/2012 15:14 1153 exibições
Os grãos continuam subindo nesta quarta-feira (25) no mercado internacional. Na Bolsa de Chicago, por volta das 14h (horário de Brasília), a soja operava com mais de 40 pontos de alta. O milho subia mais de 10 e o trigo mais de 20 pontos. O clima quente e seco nos Estados Unidos ainda é o principal suporte para os preços e voltou ao foco dos investidores na sessão de hoje. 

Nos dois primeiros pregões dessa semana, os futuros dos grãos negociados em Chicago passaram por uma forte realização de lucros e perderam parte dos ganhos acumulados nas últimas semanas. Os traders voltaram o foco à crise financeira que vem sendo amargada pela Europa e que se agrava a cada dia. A aversão ao risco cresceu e os preços recuaram.

No entanto, a tendência é de que os preços continuem essa escalada, haja visto que as previsões indicam o clima se mantendo desfavorável para as lavouras. Além disso, como explica o operador de mercado Liones Severo, é preciso que os preços continuem subindo para que seja possível racionar a demanda diante de estoques tão ajustados.  

Depois dessa correção, as cotações agora buscam essa recuperação em meio a esse cenário positivo que, além de ser favorecido pelas condições ruins das plantações norte-americanas, ainda sofre com a oferta preocupantemente apertada. 

Essa quebra de safra nos EUA sucede uma quebra na América do Sul na safra 2011/12, a qual deslocou boa parte da demanda para o produto norte-americano. Além disso, analistas afirmam ainda que depois da baixa dos últimos dias, o sentimento é de que o mercado está sobrevendido. 

Além disso, os grãos encontram espaço para essa recuperação com macrocenário passando por um dia mais tranquilo nesta quarta-feira (25). As últimas duas sessões do mercado financeiro foram extremamente negativas por conta das preocupações crescentes com a economia principalmente da Europa e da Grécia. 
Tags:
Por:
Carla Mendes
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário