Publicidade

Quebra da safra marca 2012 com preços recordes

Publicado em 03/01/2013 09:03 369 exibições
No início de 2012, produtores de soja já temiam significativa quebra na produção diante da forte estiagem que castigou as lavouras da América do Sul nos principais períodos de desenvolvimento do grão – decorrência do fenômeno La Niña. Com isso, no final do primeiro trimestre, pico de colheita no Brasil, os valores da soja nos mercados interno e externo já caminhavam para patamares recordes, comportamento atípico para o período, segundo pesquisadores do Cepea. No final do primeiro semestre, os estoques já estavam baixos no Brasil e a demanda, aquecida. Enquanto esse cenário favorecia vendedores brasileiros, consumidores internos, como indústrias esmagadoras, no final de junho especificamente já começaram a procurar por soja em países vizinhos. No início do segundo semestre, produtores intensificaram o fechamento das compras de insumos para a temporada 2012/13; no Centro-Oeste, essas aquisições já estavam em fase final, assim como a comercialização antecipada desta safra. Traders e indústrias ainda precisavam de soja para cumprir contratos, e vendedores pediam preços sucessivamente maiores, que acabavam sendo pagos. O Indicador ESALQ/BM&FBovespa (produto transferido para armazéns do porto de Paranaguá) registrou valorização de 53% no ano, porém, desde 25 de setembro, o valor do Indicador não tem mudado devido à falta de negociações – a metodologia do Indicador prevê que seja considerada a média das últimas negociações, as quais ocorreram até o dia 25 de setembro de 2012. Ao ser convertido para dólar (moeda prevista nos contratos futuros da BM&FBovespa), o Indicador subiu 39,9% no ano. Quanto à média ponderada das regiões paranaenses, refletida no Indicador CEPEA/ESALQ, subiu significativos 52,2% em 2012.
Tags:
Fonte:
Cepea

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário