Grãos realizam lucros com incerteza sobre clima na América do Sul

Publicado em 25/01/2013 11:26 e atualizado em 25/01/2013 17:47
913 exibições
Nesta sexta-feira (25) os futuros da soja operam com leves quedas na Bolsa de Chicago. Pelo terceiro dia consecutivo as cotações recuam devido ao movimento de realização de lucros, após as fortes e expressivas altas registradas nos últimos 10 dias. Por volta de 11h (horário de Brasília) os principais contratos trabalham com mais de 3 pontos de queda. 

De acordo com o economista da Granoeste Corretora de Cereais, Camilo Motter, o mercado está mais calmo hoje, depois de uma pequena recuperação nas cotações durante o pregão de ontem, embora, os preços tenham fechado no campo negativo conseguiram reduzir as perdas. Esse movimento de realização de lucros é decorrente da expectativa das condições climáticas na América do Sul. 

Nos últimos dois anos, os preços futuros têm sido formados pelas previsões e climáticas e pela efetiva concretização, conforme afirma o economista. Essa situação tem resultado em safras menores, o clima tem sido o fator de oscilação do mercado, e o que irá determina uma maior ou menor oferta nos próximos meses, ratifica Motter. 

Além disso, ainda é cedo para afirmar que as recentes chuvas no Sul do Brasil e na Argentina aliviam a situação das lavouras haja vista que em algumas regiões ficaram mais de 20 dias sem as precipitações. Segundo informações do Ministério da Agricultura, Pecuária e Pesca da Argentina (Minagri) o plantio da soja no país para a safra 2012/13 atingiu 97% da área estimada de 19,35 milhões de hectares. 

O que podemos relatar é que poderemos ter perdas na produção em função do longo período de seca. Mas se tivermos chuvas com boa intensidade os preços tendem a se acomodar, disse o economista. 

Por outro lado, em tempos do ajustado quadro entre a oferta e demanda mundial, a procura pela soja norte-americana permanece aquecida e firme, e não dá sinais de retração. Nesta quinta-feira (24), o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) reportou a venda de 510 mil toneladas do grão para a China com entrega prevista para a safra 2013/14.
Tags:
Por: Fernanda Custódio
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário