CBOT: Soja e milho dão continuidade às baixas nesta 6ª feira

Publicado em 05/04/2013 07:45 e atualizado em 05/04/2013 09:06 1687 exibições
Na manhã desta sexta-feira (5), a soja continua operando em baixa na Bolsa de Chicago. O mercado extende as perdas do fechamento da sessão de quinta (4) e, por volta das 9h00 (horário de Brasília), o contrato maio/13 já trabalhava a US$ 13,59, perdendo 12,75. Os demais vencimentos recuavam entre 7,75 e 13,00 pontos. 

Já os futuros do milho operavam com perdas pouco significativas, próximos da estabilidade. As principais posições negociadas na CBOT registravam quedas entre 0,50 e 1,00 pontos.

O mercado internacional tanto da soja quanto do milho não conseguem reverter a sequência de baixas iniciada após a divulgação do último relatório do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), o qual reportou estoques para os dois produtos bem acima das projeções do mercado. 

Veja como terminaram os negócios nesta quinta-feira (4):

>> Soja recua e fecha o dia com menores patamares em 10 meses na CBOT

O mercado internacional de grãos fechou a sessão desta quinta-feira novamente em queda. Na soja, os preços atingiram os menores patamares em 10 meses, com os principais vencimentos encerrando com mais de 10 pontos de baixa. O milho também terminou o dia com perdas de dois dígitos. 

Segundo Anderson Galvão, diretor da Céleres Consultoria, os preços ainda sentem o impacto negativo dos números de estoques trimestrais divulgados pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) na última quinta-feira (28). Os dados reportaram ficaram bem acima das expectativas e ainda pesam sobre as cotações. 

"O mercado em Chicago, tanto para a soja quanto para o milho, ainda segue com uma 'ressaca' dos números do USDA da semana passada, e isso fez com que o ânimo de investidores e esperculadores caísse bastante, e os levasse a realizar lucros, realizar posições e com isso vimos a manutenção de um sentimento baixista para o curtíssimo prazo", explica Galvão. 

No mercado da soja, outro fator que também pressiona o mercado é a notícia dos casos de gripe aviária na China. Já foram confirmados 11 casos, 3 mortes, e a situação poderia impactar no consumo local de carnes e também preocupa o mercado de rações.  

Segundo analistas, a tendêndcia para os preços dos grãos ainda é de baixa até que o mercado encontre novas informações positivas que possam estimular uma recuperação sustentada. "No curto prazo, tanto soja quanto milho continuarão pressionados. Primeiro pelo fato de que a América do Sul começa a chegar no mercado e, segundo, porque nos Estados Unidos não só o número de intenção de plantio, mas sobretudo o de estoques, há um número maior do que o previsto para o mercado", explica o diretor da Céleres. 

Para Galvão, portanto, fatores efetivamente altistas só deverão aparecer quando a nova safra norte-americana já estiver plantada e venha a sofrer com possíveis adversidades climáticas. 

Mercado Interno: Dia de comercialização lenta e preços mais baixos

Com Fernanda Custório

As recentes perdas da soja e do milho em Chicago já impactam em preços menores para os dois produtos no mercado interno brasileiro. No caso do cereal, as cotações sentem também a pressão da grande safra produzida no Brasil, com resultados positivos tanto para a temporada de inverno quanto de verão. 

"No médio a longo prazo, o cenário para o milho é de preços neutros a baixistas. Já para a soja, a leitura é mais otimista, com um cenário de neutro para altista. A recomendação é para aquele produtor de milho que já vá travando suas vendas, defendendo um preço médio melhor. Já o produtor que tem alguma a soja a ser vendida, entendemos que ainda vale a pena 'correr o risco' para se tentar um negócio melhor no final do primeiro semestre ou começo do segundo, principalmente em função da demanda", orienta o consultor. 

Nesta quinta-feira (4), a comercialização no mercado físico brasileiro permaneceram em ritmo lento. Em algumas regiões as cotações da soja recuaram, acompanhando a movimentação na Bolsa de Chicago. As negociações aconteceram, apenas, nos estados do Rio Grande do Sul e de Goiás para a safra disponível. 

No município de Passo Fundo (RS), a saca de 60 kg da soja fechou o dia cotada a R$ 56,50. No porto de Rio Grande, os preços registraram pequeno recuo, e passaram de R$ 60,50 para 60,00 a saca. Do mesmo modo, a cotação da saca do grão caiu de R$ 47,00 para R$ 46,00 em Rondonópolis (MT). Em Dourados (MS), os preços da saca da soja também reduziram de R$ 49,00 para R$ 48,00.
Tags:
Por:
Carla Mendes
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário