Em Chicago, soja inicia semana em queda nesta segunda-feira

Publicado em 17/06/2013 07:47 e atualizado em 17/06/2013 10:08 2004 exibições

Nesta segunda-feira (17), os futuros da soja negociados na Bolsa de Chicago encerraram o pregão eletrônico em baixa. As principais posições da commodity exibiram perdas entre 9,25 e 12,25 pontos. O vencimento julho/13 era negociado a US$ 15,04, recuando 12 pontos. As cotações do milho e do trigo também fecharam a sessão do lado negativo da tabela.

Segundo analistas, o mercado aguarda novas informações que possam voltar a estimular novas altas para o mercado. Além disso, boas condições climáticas nos EUA na última semana pesam sobre o mercado, já que também permitiram que os produtores norte-americanos avançassem com o plantio da nova safra. 

Veja como  fechou o mercado na última sexta-feira (14):

Soja no misto em Chicago; preços recuam no mercado interno

Os futuros da soja negociados na Bolsa de Chicago fecharam a sessão desta sexta-feira em campo misto. O dia foi de intensa volatilidade no mercado internacional e, mais cedo, os preços chegaram a operar com boas altas no pregão regular. 

Durante essa semana, no entanto, a soja chegou a registrar os melhores patamares em sete meses. Porém, o mercado engrenou em um movimento de realização de lucros depois da divulgação do relatório mensal de oferta e demanda do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) que não trouxe novidades nem para a safra velha ou para a safra nova. 

"Depois desse relatório do USDA de quarta-feira (12), nós não tivemos nenhuma alteração significativa em termos de safra nova, a única alteração que o USDA fez foi em relação à safra velha, fazendo até alguns ajustes até esperados pelo mercado, mas de uma magnitude até um pouco maior do que o esperado", disse Stefan Tomkiw, analista de mercado da Jefferies, de Nova York.

Apesar disso, os fundamentos para o curto prazo continuam os mesmos e ainda dando sustentação aos vencimentos mais curtos na CBOT. Há pouca soja disponível nos Estados Unidos e uma grande disputa entre o mercado interno, principalmente por parte das esmagadoras locais, e pelos importadores. 

"Temos um mercado físico muito apertado nos EUA, a disputa por originação entre os processadores vem muito forte e temos até algumas indicações de que o mercado físico está trabalhando acima dos US$ 16 por bushel no vencimento julho", complementou.  
Já no longo prazo, as indefinições nas previsões climáticas para os próximos dias nos Estados Unidos não permitiram que o mercado encontrasse e adotasse uma tendência bem definida para as cotações. Segundo Tomkiw, essa última semana não foi de clima muito favorável, porém, permitiram um ligeiro avanço do plantio por parte dos produtores. 

O analista explica que a extrema volatilidade que permeia os negócios no mercado internacional se deve à atuação de das duas frentes que ainda atuam nos negócios, com sustentação para o curto prazo e incerteza mais adiante, principalmente na espera pelo desenvolvimento da safra norte -americana. 

Mercado Interno - Com essa realização de lucros no mercado internacional, no mercado interno brasileiros os preços da soja também não realizaram uma valorização muito expressiva, mantendo-se estáveis ou, em algumas praças, registrando baixas. 
Os negócios com a soja brasileira seguem travados, já que os produtores brasileiros estão menos ofensivos com suas vendas à espera de preços melhores. 

Em Passo Fundo/RS, a saca se manteve em R$ 67,50, porém, no Paraná, em Cascavel, o valor caiu de R$ 64,00 para R$ 62,00/saca, e em Rondonópolis, no MT, o valor caiu de R$ 59,50 para R$ 56,50. Rio Verde/Go e Dourados/Ms também registraram baixas. 

Tags:
Por:
Carla Mendes
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

2 comentários

  • Liones Severo Porto Alegre - RS

    Caro Vilson Ambrozi, continuam fazendo o que sempre fizeram. A diferença é que estamos mais atentos porque fizemos um grande avanço em conhecimento sobre o mercado mundial. Contra fatos não há argumentos. forte abraço.

    0
  • Vilson Ambrozi Chapadinha - MA

    Na minha opinião, o USDA está se comportando como o mentiroso, que para fazer valer uma mentira já contada tem que mentir novamente. Jamais obtiveram a safra que relataram no ano passado, os estoques que contabilizam, são imaginários ,senão os preços atuais seriam bem menores.A safra deste ano ,está sendo descrita por agricultores como complicadíssima,a soja plantada não está desenvolvendo,algumas ficaram até duas semanas para emergir,das que foram plantadas no cedo,muitas estão pálidas, sem nódulos ,o solo ficou muito tempo encharcado e FRIO,as raizes estão superficiais e enoveladas,enfim uma m... e isso não está restrito a alguns bolsões.A APROSOJA,deveria mandar alguém urgente fazer uma visitinha por lá,antes de, fundos e bancos nos convencerem a vender nossa safra futura.Seria um grande serviço.

    0