CBOT: Com correção técnica, soja tem leve alta; milho ainda recua

Publicado em 07/08/2013 13:05
1189 exibições

Após as recentes quedas, os futuros da soja tentam sustentar uma recuperação no pregão regular desta quarta-feira (7) na Bolsa de Chicago. O mercado registra ligeiras altas, passando por uma correção técnica. 

Apesar desses pequenos ganhos, no entanto, a tendência para os preços, segundo os analistas, ainda é de baixa, haja vista que o clima tem sido o fator mais observado pelos investidores e as condições atuais são bastante favoráveis nesse momento, além de boas previsões para as próximas semanas. 

Há ainda a espera pelo novo relatório de oferta e demanda que o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) divulga na próxima segunda-feira (12) deixando o mercado mais de lado. O boletim é aguardado com ansiedade pelo mercado e as as expectativas fazem com que os investidores busquem um melhor posicionamento antes da divulgação.  

"Com as últimas chuvas, principalmente na parte oeste do Cinturão, o sentimento de que uma safra cheia dos Estados Unidos está chegando. (...) Teremos o relatório de agosto muito aguardado porque haverá revisões sobre os números", afirma o economista da Granoeste Corretora, Camilo Motter. 

No entanto, o economista afirma também que os preços não exibem baixas muito significativas nesta sessão em função de um risco climático que ainda existe pela frente, em agosto, mês que é determinante para a definção da produtividade da soja. 

As plantações poderiam vir a sofrer com a ocorrência das geadas precoces entre 10 de setembro e o final do mês. "Esse é um ano em que está havendo a entrada de uma massa de ar frio do Canadá, do Polo Norte que desce para o sul. Portanto, a região norte dos EUA tem tido temperaturas nessa fase do verão muito amenas. O mercado está muito atento a isso", explica Motter. 

Outro fator que contribui para a sustentação dos preços no pregão desta quarta-feira é o anúncio do USDA da venda de 220 mil toneladas de soja para China com entrega na safra 2013/14. 

No link abaixo, veja a íntegra da entrevista do economista da Granoeste:

>> Camilo Motter - Mercado de Grãos

Tags:
Por: Carla Mendes
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário