Soja opera com volatilidade, mas demanda limita perdas em Chicago

Publicado em 24/01/2014 11:44 1114 exibições

A significativa alta do dólar nesta sexta-feira (24) está impactando o mercado de commodities agrícolas. Na Bolsa de Chicago, soja, milho e trigo recuam, e o mercado opera com volatilidade. Por volta de 12h40 (horário de Brasília), os principais vencimentos da soja recuavam, perdendo entre 1,25 e 9,25 pontos nos principais vencimentos. 

Segundo explicou o analista Mário Mariano, da Novo Rumo Corretora, o mercado está em um momento de troca de ativos, comprando moedas fortes e vendendo commodities agrícolas. Além disso, o avanço do dólar faz ainda com que os produtos norte-americanos tornem-se mais caros, aumentando a competitividade de outras ofertas como, por exemplo, a sulamericana. 

"Com a redução de estoques nos Estados Unidos e ambundância de oferta na América Latina, é possível que os players venham buscar mercadoria aqui na América do Sul e esse é o movimento que derrubou o preço na Bolsa de Chicago. Se não sair esse produto comprado vai aumentar o estoque novamente, por isso essa pressão baixista", diz o analista. 

Apesar disso, os fundamentos de demanda ainda muito positivos se mantêm como principal fator de suporte para os preços já que nos Estados Unidos a oferta é escassa e, na América do Sul, a colheita está apenas no início. Nesta sexta, o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) anunciou a venda de 126 mil toneladas de soja para a China com entrega para 2014/15 e indicou bons números das exportações semanais tanto da safra corrente como da nova temporada. 

Assim, as perdas registras pela soja na Bolsa de Chicago aliada acabam exercendo um impacto pouco expressivo para os preços da soja no mercado interno, já que os ganhos do dólar compensam o recuo da commodity. Nesta sexta, o valor da soja no Porto de Rio Grande era de R$ 69,00 e no de Paranaguá entre R$ 68,00 e R$ 70,00, números em linha com os registrados ao longo da semana.  

 

Tags:
Por:
Carla Mendes
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário