Soja: Produtores devem ter bons momentos de venda no 2º semestre

Publicado em 03/06/2014 12:02 2916 exibições

Até o final de maio, segundo um levantamento da agência Safras & Mercado, o Brasil já havia comercializado cerca de 72% de sua safra de soja e as perspectivas de preços para o mercado interno brasileiro para o segundo semestre continuam positivas para o volume que ainda falta ser vendido, como afirmam consultores. 

Para Vlamir Brandalizze, consultor da Brandalizze Consulting, o mercado se mostra muito comprador e deve se manter dessa forma pelos próximos meses. Além disso, a oferta nos Estados Unidos, principal exportador mundial da commodity, está muito restrita e o ritmo de vendas e embarques se mantém bastante aquecido.

A demanda interna brasileira pela oleaginosa também tem se mostrado bastante presente e aquecida, principalmente para a produção de ração animal, o que também mantém o mercado firme, segundo explica Brandalizze. 

Paralelamente, o aumento do percentual de biodiesel no diesel de 5 para 6% anunciado pelo governo na última semana e que começa a valer a partir de julho também deverá servir de estímulo para as cotações da soja no Brasil. Cerca de 70% da matéria do biodiesel é óleo de soja e isso irá exigir, consequentemente, mais matéria prima. 

Para Ênio Fernandes, consultor de mercado, diante desses fatores, o produtor brasileiro não deverá "errar" muito nos preços daqui para frente. "No final do ano, temos os prêmios de disputa pela soja no mercado interno brasileiro. Então, ele pode errar o melhor momento, mas não erra muito com os preços porque o mercado está firme", diz.

Bons momentos de negócios em maio

Ainda de acordo com Brandalizze, quase 10% da safra brasileira de soja foi comercializada em maio, com um bom volume de negócios sendo registrada. Esse movimento foi reflexo de um aumento da média das cotações nas principais praças de comércio do país. 

Um levantamento feito pelo Notícias Agrícolas mostrou que o em Luís Eduardo Magalhães, no oeste da Bahia, por exemplo, entre os dias 2 e 30 de maio, o valor da soja subiu 5,22%.  O maior preço registrado no período foi R$ 61,00 por saca, e o menor R$ 57,50, com um preço médio, portanto, de R$ 60,52. 

Outras praças onde o aumento dos preços também foi expressivo foram São Gabriel do Oeste, em Mato Grosso do Sul, de 3,33%, e Não-Me-Toque, no Rio Grande do Sul, com 2,46% de alta. Já em Tangará da Serra, em Mato Grosso, e Cascavel, no oeste do Paraná, as altas foram de 1,72% e 1,61%, respectivamente. 

"O produtor que conseguiu comercializar e efetivar negócios em maio aproveitou os melhores momentos da temporada até agora", afirmou o consultor da Brandalizze Consulting. 

As vendas estão mais adiantadas em Mato Grosso, principal estado produtor brasileiro, com mais de 80% da safra já vendida. Por outro lado, no Rio Grande do Sul onde as vendas ainda estão menos avançadas, porém, já se aproximam dos 60%. No estado o plantio acontece mais tarde e, consequentemente, a colheita e os negócios antecipados também. 

Soja - Mercado Interno - Maio

Boas exportações

As exportações brasileiras também têm avançado de forma bastante expressiva e, somente no mês de maio, geraram uma receita de US$ 3,866 bilhões. Foram vendidas para países importadores 7,609 milhões de toneladas da oleaginosa no mês passado, com uma média de preço de US$ 508,10 por tonelada. 

Paralelamente, as exportações de farelo e óleo de soja também evoluem satisfatoriamente e demandam cada vez mais matéria prima frente a uma procura muito aquecida por ambos os derivados da soja. 

Nos portos brasileiros, portanto, o preço da soja também se valorizou em maio. Em Rio Grande, por exemplo, a saca registrou uma valorização de 3,87% em um mês. Nesse porto, uma das melhores cotações foi a de R$ 72,90, e a menor foi de R$ 69,10. No ano passado, entretanto, esse menor valor era, aproximadamente, R$ 10,00 menor, segundo explicam analistas.

Mercado firme em Chicago

O mercado se mantém firme em Chicago nos vencimentos de mais curto prazo. São as primeiras posições que refletam a severa escassez nos Estados Unidos esbarrando na força latente que a demanda ainda exibe. Entretanto,  para que novas altas sejam registradas e o contrato julho chegue aos US$ 16 por bushel, Vlamir Brandalizze acredita que o mercado ainda tenha que romper algumas resistências entre os US$ 15,10 e US$ 15,70. 

Ainda assim, analistas e consultores apostam em um mercado sustentado até meados de julho, início de agosto, com a proximidade da entrada da nova safra norte-americana. Até esse momento, as perspectivas para a nova temporada são muito positivas, dadas as condições de clima favoráveis no Meio-Oeste americano e à boa evolução do plantio nas principais regiões produtoras do país. 

Tags:
Por:
Carla Mendes
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário