Soja: Mercado tem sessão de volatilidade, registra ganhos de dois dígitos e volta à estabilidade

Publicado em 07/10/2016 12:32
693 exibições

A demanda forte pela soja norte-americana tem sido, como explicam analistas e consultores de mercado, o principal combustível para os futuros da oleaginosa negociados na Bolsa de Chicago. Na sessão desta sexta-feira (7) - que começou com estabilidade - a commodity voltou a a exibir ganhos expressivos e, por volta de 12h10 (horário de Brasília), passavam de 8 pontos nos principais contratos. Um pouco mais cedo, as altas eram de dois dígito, o que levou o novembro de volta à casa dos US$ 9,60, buscando os US$ 9,70 por bushel. O maio/17, que serve como indicativo para os negócios com a safra do Brasil, era negociado a US$ 9,83. Na sequência, por volta de 12h30, as cotações já voltavam a atuar em campo misto, com oscilações bastante tímidas. 

Nesta sexta-feira, o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) anunciou uma nova venda de 195 mil toneladas de soja para destinos não revelados e acentuou ainda mais esse sentimento positivo sobre a demanda em que os traders e fundos investidores têm se apoiado para promover os ganhos na CBOT. E esse já foi o segundo anúncio da semana, dado que nesta quinta (6), o departamento informou ainda uma outra operação com 258 mil toneladas também para destinos não conhecidos. 

Além disso, o informe das vendas semanais para exportação, também reportado ontem, trouxe o número da soja acima dos 2 milhões de toneladas, bem acima do que o mercado esperava. Com isso, o total da safra americana já comprometido com as exportações passa de 28 milhões de toneladas e supera em 30% o mesmo período da temporada anterior. 

"Ou seja, com esses reportes cresce expectativa dos fundos e do mercado em geral de que a semana que vem [quando a China retorna do feriado] será repleta de vendas diárias", explica a analista de mercado da Labhoro Corretora, Andrea Sousa Cordeiro. 

A demanda forte, ainda como explicam analistas internacionais, tem sido o ponto de contraposição à nova safra dos Estados Unidos, que é recorde e tem a colheita caminhando com bom ritmo nos últimos dias. Algumas regiões, apenas pontuais, ainda sofrem, porém, com adversidades climáticas e o excesso de chuvas. 

"A colheita da soja está avançando, mas os estoques estão apertados onde o progresso está mais lento", diz o corretor Kaname Gokon, da japonesa Okato Shoji, em entrevista à Reuters. "A demanda está forte, mas podemos ver vendas ainda maiores quando a China volta do feriado na próxima semana, e com margens de esmagamento bastante positivas", completa. 

No mês passado, algumas praças chinesas, ainda segundo dados da agência, registraram suas mais altas margens desde o início de julho.

Tags:
Por: Carla Mendes
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário