Federação Argentina estima diminuição da safra de soja do país para 52 mi t

Publicado em 18/01/2017 08:25
1119 exibições

O presidente da Federação Argentina de Contratistas de Máquinas Agrícolas (Facma), apontou para o jornal La Nación uma estimativa de perdas para a safra de soja argentina neste ano. "Esperávamos 57 milhões de toneladas de soja. Agora, não vamos passar de 52 milhões", expressou.

A estimativa vai ao encontro também dos números apresentados por Pablo Adreani, da consultoria AgriPAC, que aponta uma diminuição de uma estimativa anterior de 55 milhões de toneladas para 50 milhões de toneladas.

Com as últimas chuvas que resultaram nas inundações na Zona Núcleo da Argentina, sobretudo nas províncias de Santa Fe, Córdoba e Buenos Aires, os produtores, pequenos, médios ou grandes, começam a colocar seus estragos na ponta do lápis.

No entanto, o La Nación constatou que as inundações afetaram mais aos produtores que possuem um menor respaldo econômico para poder resistir.

Em Elortondo, no sul de Santa Fe, Ariel Catuch produz sobre 100 hectares arrendados. Dessa superfície, que foi plantada com soja este ano, já é possível calcular uma perda de 30 hectares.

Para ter uma dimensão do gasto, fazer um hectare de soja na região em campos arrendados demanda um custo de US$900. Com 30 hectares perdidos, Catuch perdeu também um investimento de US$27.000.

"Toda a zona está complicada. Há soja que chegou a nascer e foi afetada pelas chuvas ao longo dos vários dias e, por conta do excesso, não foi possível o replantio. Há cerca de 30% a 35% de lotes perdidos em Elortondo, Hughes, Chovet, Wheelwright", descreveu Catuch, que contou que em menos de um mês caíram quase 600mm, mais da metade do registro de todo um ano.

Juan Ramón Ferreyra, que também é produtor em Elortondo, possui 100 hectares próprios. Dessa superfície, 15 estão improdutivos há dois anos porque estão completamente cobertos por água. Neste ano, plantou 85 hectares e 10 deles estão, agora, inundados. O restante possui encharcamentos e amarelamento por estresse. "Seguramente, o rendimento vai ser menor. Podia produzir 83 sacas por hectare, agora devo ir a 47 sacas por hectare", disse.

A expectativa de menor produção está impactando os preços da soja a nível mundial, que ontem subiram 2,2%. A perda mais pronunciada foi registrada no valor do farelo de soja, que passou de US$368,06 a US$284,48 por tonelada, uma vez que a Argentina é o principal exportador global do produto.

De uma área estimada de 19.300.000 para esta safra, as províncias de Santa Fe, Córdoba, Buenos Aires, Entre Ríos e La Pampa, das quais as três primeiras foram as mais atingidas pelas inundações, representam, de acordo com o Panorama Agrícola Semanal (PAS) da Bolsa de Cereais de Buenos Aires (BCBA), 86%, ou seja, 16.610.000 hectares. Deste número, até então, estima-se a perda já concretizada de 700.000 hectares, além de 1 milhão de hectares que ainda estão sem plantar, seja pelas inundações ou pela seca no sul de Buenos Aires.

Com informações do La Nación

Por: Izadora Pimenta
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário