Safra 2016/17 de soja tem maior estresse hídrico desde o ciclo 11/12, aponta INTL FCStone

Publicado em 23/01/2017 09:16
1234 exibições

Após um ciclo de soja complicado em 2015/16, destaque para os problemas no Mato Grosso e no Matopiba (região que compreende os estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia), que apresentou uma produtividade de apenas 2,87 toneladas por hectare, criou-se forte expectativa de recuperação na safra atual. A colheita da safra 2016/17 tem início em meio a expectativa de produtividade recorde, entretanto, a área com estresse hídrico é a maior desde a safra 11/12.

“Embora seja esperada uma recuperação da produtividade de 2,87 toneladas por hectare na última safra, não acreditamos que ela possa se distanciar muito dos níveis verificado entre 12/13 e 14/15”, destaca o Diretor de Inteligência de Mercado da INTL FCStone, Thadeu Silva.

Em análise da consultoria que comparou os dados de precipitação acumulada de 210 municípios que representam 70% da área plantada com soja no Brasil e abrangem todos os estados e regiões de cultivo, 15,7% da área plantada deste ano apresenta precipitações pelo menos 30% abaixo da média histórica, passando dessa forma por algum tipo de estresse hídrico.

“Esse é a maior percentagem de área afetada desde o ciclo 11/12 (que ficou marcado pela forte estiagem na região sul do Brasil). Indo além, 7,5% da área registrou nível de chuvas ao menos 40% mais baixo que o esperado, mais que o dobro do verificado nas quatro safras anteriores”, observa o Diretor Silva.

A parte sul do Mato Grosso do Sul, noroeste do Paraná e oeste de São Paulo tiveram volume de chuvas bastante reduzidos entre outubro e novembro, afetando as fases iniciais de desenvolvimento – algumas lavouras chegaram a ser abandonadas. Entre dezembro e janeiro as precipitações na região foram mais próximas ao normal, mas é esperado um reflexo sobretudo no número de vagens. A área total afetada responde por cerca de 5% do Brasil e as lavouras afetadas estão na fase final e devem ser colhidas até o meio de fevereiro.

Já o sul goiano sofreu com chuvas irregulares entre outubro e dezembro, afetando as lavouras no final da fase de desenvolvimento e início da floração, abrangendo quase 2% da área plantada do Brasil. Destaque que o desvio na precipitação é mais moderado que nas outras regiões analisadas. A maioria das lavouras se encontra no enchimento de grãos e as precipitações nas próximas semanas são chave para a recuperação parcial.

Por fim, o oeste da Bahia é o epicentro de uma estiagem que começou em dezembro e persiste até hoje, que afeta também áreas do leste do Tocantins e sul do Piauí. As lavouras estavam na fase inicial de desenvolvimento e foram bastante afetadas, com relato de abandono de áreas.

“Ainda restam pelo menos dois meses para a colheita e pode haver recuperação parcial, a previsão para as próximas duas semanas é de bons níveis de chuvas nas áreas afetadas, acima de 100 milímetros”, resume Silva, da INTL FCStone.

Fonte: INTL FCStone

3 comentários

  • José Padilha Curitiba - PR

    Quanta groselha falou esse analista! O mato grosso ta sofrendo para colher por causa de chuva, o paraná ta com produtividade de 3,4 tons por hectare, brasil com safra record de 104 milhões de toneladas e o cara vem me falar isso?

    11
  • Dalzir Vitoria Uberlândia - MG

    Caro Valdir... se o analista que fez um belo discurso com números variados etc., falasse que o seu bla bla representa uma produção de 100 milhoes de tons. (ou mais ou menos, enfim que falasse quanto....) mas não paparicou... papagaiou e nada disse de objetivo..

    5
  • Valdir Edemar Fries Itambé - PR

    Muito boa a analise e os comparativos... Entre todas divulgações em relação a clima se perspectivas, na minha opinião é a mais próxima da realidade.

    0