Soja: Com Chicago estável e dólar em baixa, safra nova recua em Rio Grande e tem R$ 78,30 nesta 6ª

Publicado em 27/01/2017 12:10
553 exibições

Já próximo do final de semana e à espera de uma série de definições entre seus fundamentos, o mercado da soja opera estável no início da tarde desta sexta-feira (27). Por volta de 12h40 (horário de Brasília), os futuros da commodity negociados na Bolsa de Chicago perdiam de 1,75 a 2 pontos, com o março/17 cotado a US$ 10,47 por bushel. 

Além da proximidade do fim de semana, o mercado internacional da oleaginosa já se prepara também para o início do feriado do Ano Novo Lunar na China, que se inicia hoje, e se estende até o próximo dia 2 de fevereiro. E nesse período, os traders já sabem que os traders chineses estão fora dos negócios e, consequentemente, o país fora das compras momentâneamente, como explica o analista internacional Bryce Knorr, do portal Farm Futures.

De acordo com o Knorr, os preços se ajustam ainda ao rally observado durante o mês de janeiro, que permitiu um avanço de mais de 30% das cotações. Ao mesmo tempo, em paralelo, continua no radar dos traders o comportamento do clima na América do Sul e a movimentação da demanda internacional, que parece se dirigir cada vez mais ao Brasil e à Argentina. 

"Apesar da intensa campanha de vendas dos EUA, os norte-americanos têm perdido drasticamente seu espaço na demanda mundial para as ofertas brasileiras/argentinas de soja, desde meados de dezembro. A desvalorização do Peso e Real contribui na negociação da soja destinada para exportação, atraindo o comprador internacional com maior poder de barganha (soja mais barata). Além do mais, os exportadores EUA não estão dispostos à venderem seus estoques no atual preço, o que pode direcionar uma demanda extra (com prêmio) para o Brasil, nestes próximos dias/semanas", informou a AgResource Brasil, em seu relatório diário em parceria com a CME Group.

Preços nos portos

O dólar, após duas sessões de pequenas altas, voltou a recuar nesta sexta-feira e, perto, de 12h55 (Brasília), perdia 0,85%, valendo R$ 3,153. 

"O dólar teve duas altas seguidas e exibia correção, diante da sua trajetória ainda de baixa", comentou um profissional sênior de uma corretora nacional", em entrevista à Reuters. 

Nesse ambiente, os preços da soja nos portos do Brasil também não conseguiam recuperar seu fôlego. No terminal de Rio Grande, a referência no  disponível se mantinha estável nos R$ 77,00 por saca, enquanto perdia 0,38% no futuro, para R$ 78,30. 

Tags:
Por: Carla Mendes
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário