Soja fecha estável em Chicago e, com dólar abaixo de R$ 3,10, porto de Paranaguá vai a R$ 69 por saca nesta 2ª feira

Publicado em 20/03/2017 16:48 e atualizado em 20/03/2017 19:45
1204 exibições

Nesta segunda-feira (20), o mercado internacional da soja começou o dia testando boas e expressivas altas na Bolsa de Chicago, que passavam de 7 pontos nos principais vencimentos. As cotações, entretanto, devolveram as altas e acabaram fechando o dia com estabilidade e do lado negativo da tabela. Dessa forma, o vencimento maio/17, que é o mais negociado neste momento, encerrou a sessão cotado a US$ 9,99 por bushel, e o setembro/17 a US$ 10,01. 

Segundo analistas internacionais, uma ligeira retomado do dólar frente a uma cesta de principais moedas globais ajudou a pressionar, mesmo que levemente, as cotações dos grãos no mercado futuro norte-americano. Na tarde desta segunda, o dólar index subia 0,04% para ficar nos 100,17 pontos. 

Além disso, as condições favoráveis de clima na América do Sul também ajudaram a tirar parte da valorização observada mais cedo. Até este momento, segundo informou em relatório a Apexsim Inteligência de mercado, o Brasil já colheu cerca de 62% da área, contra 61% do ano passado, com Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás liderando, neste ordem, os trabalhos de campo. 

"O tempo seco esperado para essa semana deve colaborar para finalizar a colheita em muitas fazendas ao redor do Brasil", informa a Apexsim.

Os preparativos para a temporada 2017/18 nos Estados Unidos também ganham um espaço cada vez maior no radar dos traders, poré, ainda com algumas incertezas. O mercado parece se posicionar à espera do novo reporte que o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) traz em 31 de março, com as primeiras projeções oficiais para o plantio - podendo confirmar o aumento esperado para a área cultivada com a soja. 

E sobre o clima, as informações ainda parecem favoráveis para a nova temporada. " As previsões climáticas desta primavera
nos Estados Unidos são favoráveis ao plantio precoce da soja, o que dará indícios de produtividade ainda mais cedo neste ano", informou a Apexsim. 

Mercado Brasileiro

No Brasil, com a despencada de quase 1% do dólar frente ao real - e a moeda americana fechando em R$ 3,07 nesta segunda-feira - os preços nos portos do Brasil chegaram a perder quase R$ 1,00 por saca, como relata o consultor de mercado Vlamir Brandalizze, da Brandalizze Consulting. "A semana parece nem ter começado por aqui, com essa queda do dólar, nada de negócios por enquanto", diz. 

Leia mais:

>> Dólar cai quase 1% e volta ao patamar de R$3,07, com fluxo positivo

E com o câmbio já começando a ser absorvido pelo produtor brasileiro, ele não deve liberar novas vendas, ainda como explica Brandalizze, com preços abaixo dos R$ 71,00 / R$ 72,00 por saca. E nesta segunda, em Paranaguá, tanto a soja disponível quanto a negociada no mercado futuro terminaram o dia com R$ 69,00 e caindo 0,72%. No terminal de Rio Grande, baixas de mais de 1% e preços em, respectivamente R$ 69,50 e R$ 70,50 por saca. 

No interior do Brasil, os preços também cederam de forma significativa e segundo um levantamento feito pelo Cepea, são os menores patamares em cinco anos. 

"A pressão vem do ritmo intenso de colheita no Brasil, da recente desvalorização do dólar frente ao Real e do fraco movimento nas vendas internas de farelo e óleo de soja. Apesar dos menores patamares, ainda há produtores cautelosos, restringindo o volume ofertado, na expectativa de alta da moeda norte-americana e de aumento na demanda externa. Além disso, esses vendedores estão à espera de dados sobre a área a ser cultivada com soja nos Estados Unidos", informou o Cepea.

CARNE FRACA ATINGE MERCADO DE CHICAGO

Clientes da AgResource (ARC) do estado de Illinois já relatam o começo do plantio de milho desde este último sábado, 18. Além do mais, regiões ao sul dos Estados Unidos já estão plantando soja desde a primeira semana de março, entretanto o volume de área não é expressivo para a safra nacional dos EUA. |

A operação "Carne-Fraca" continua agitando a especulação através da mídia. A ARC lembra que até agora, problemas foram identificados em algumas plantas de processamento, e o caso não é identificado como grave, no ponto de vista sanitário. As suspensões e embargos das importações da proteína animal devem ser retiradas em breve. A rápida movimentação do Governo para explicar o assunto ajuda a reduzir o receio de compradores. |

Mercado hoje operou sem movimentações agressivas. Especulação não achou motivos para aquecer o mercado de grãos aqui na CBOT (Bolsa de Chicago). Clima para os EUA continua favorável até meados de abril.

BOAS CHUVAS PARA A SAFRINHA

As chuvas deste final de semana se concentraram em uma faixa central do Brasil, indo da direção de São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo até o Amazonas. Chuvas foram dispersas, entretanto os locais regados presenciaram totais significantes que ajudaram a manter a umidade do solo para um bom desenvolvimento do milho safrinha. |

Essa semana as chuvas continuam confinadas sobre o Centro e Noroeste do Brasil e Norte da Argentina. Os índices pluviométricos mais significantes deverão se confinar sobre Goiás, Mato Grosso, Tocantins e o Norte do Mato Grosso do Sul. Chuvas acima dos 25 mm acumulados são esperadas para estas regiões.

No geral, o cenário climático da América do Sul se desenvolve bem neste fim de março. Com chuvas onde é necessária a reposição de umidade para safrinha e estiagem onde a colheita avança.

 

Tags:
Por: Carla Mendes
Fonte: Notícias Agrícolas + AGResources

Nenhum comentário