Soja: Preços começam semana em queda no Brasil e safra nova perde os R$ 80 em Paranaguá

Publicado em 22/10/2018 19:09
718 exibições

LOGO nalogo

"O mercado não tem muito o que fazer nem para cima e nem para baixo", explicou  Ginaldo de Sousa, diretor da Labhoro Corretora, para resumir o andamento dos preços da soja na Bolsa de Chicago. A segunda-feira (22), como explicou o executivo, foi de mercado muito tranquilo, poucos negócios e espera por novidades. 

Dessa forma, após caminhar de lado durante todo o dia, as cotações da oleaginosa fecharam o pregão com pequenas altas de 1,75 a 2,25 pontos entre os principais vencimentos. Dessa forma, a posição novembro/18 fechou com US$ 8,58 e o maio/19 com US$ 8,99 por bushel. 

As cotações no Brasil cederam nesta segunda-feira em boa parte das principais praças de comercialização do país. Além da pouca movimentação de Chicago, o dólar fechou em queda e ajudou a pressionar os preços no interior e nos portos do país. 

Com as baixas, a soja da safra nova chegou a perder os R$ 80,00 por saca e fechou com R$ 79,00 e queda de 1,25% no porto de Paranaguá, enquanto o disponível cedeu 1,66% para R$ 89,00. Em Rio Grande, queda de 0,44% no disponível, para R$ 90,00, e de 0,87%, para R$ 91,00 na referência novembro. 

Os negócios, dessa forma, seguem parados no Brasil. Ao lado dos preços em queda, afinal, motivados em sua maior parte pela queda do câmbio, está ainda o tabelamento dos fretes e a insegurança dessa medida afeta tanto compradores, quanto vendedores. 

O dólar, nesta segunda-feira, terminou o dia com baixa de 0,74% nesta segunda-feira, para R$ 3,68. O otimismo do mercado financeiro com a eleição de Jair Bolsonaro continua e permanece como foco dos investidores. 

Leia mais:

>> Dólar fecha em queda ante real com otimismo eleitoral

“O maior desafio dessa safra é as negociações, pois tem muitas incertezas. A demanda está forte, mas não estamos conseguindo precificar de forma correta”, relatou o superintendente do Imea (Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária), Daniel Latorraca em entrevista ao Notícias Agrícolas. O estado já comercializou cerca de um terço da nova safra. 

Veja, no link abaixo, a entrevista na íntegra:

>> Produtores de MT já plantaram 50% da área de soja e negociaram 1/3 da nova safra. Condições favoráveis geram boas expectativas

Bolsa de Chicago

Os traders se mantêm atentos, enquanto um novo fator não aparece para movimentar as cotações, à evolução da colheita nos EUA e e do plantio no Brasil. O ritmo no Meio-Oeste americano melhorou nos últimos dias com condições mais favoráveis de clima. 

No entanto, as preocupações com a qualidade dos grãos norte-americanos em função das adversidades das última semanas no Corn Belt deram, segundo Ben Potter, analista de mercado da Farm Futures, algum suporte aos preços neste início de semana. 

E as últimas previsões climáticas mostram que o tempo mais quente nas regiões produtoras americanas devem durar pouco tempo, com as temperaturas mais baixas podendo chegar do meio para o final desta semana. Já as chuvas para os próximos dias, de acordo com o NOAA, o serviço oficial de clima do governo americano, deverão ser de moderada intensidade. 

Outro fator de suporte para os preços nesta segunda-feira em Chicago foram os bons números dos embarques semanais trazidos pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos). 

Na semana encerrada em 18 de outubro, os EUA embarcaram 1.148,566 milhão de toneladas da oleaginosa, contra projeções que variavam de 900 mil a 1,2 milhão de toneladas. O volume é ligeiramente menor do que o da semana anterior, e leva o total acumulado na temporada a 5.936,483 milhões de toneladas, ainda bem abaixo do mesmo período do ano anterior, quando os embarques superavam as 9,8 milhões de toneladas. 

Tags:
Por: Carla Mendes
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário