Em mais um dia vazio de informações, soja fecha estável em Chicago nesta 4ª feira

Publicado em 16/01/2019 18:40
333 exibições

LOGO nalogo

O mercado da soja na Bolsa de Chicago teve uma nova sessão de altas e baixas nesta quarta-feira (16) e deverá manter essa tendência até que mais informações concretas cheguem para firmar uma melhor direção para as cotações. Nesse ambiente, mais uma vez, os preços terminaram o dia com estabilidade. 

As pequenas altas entre as cotações mais negociadas ficaram entre 0,75 e 1,25 ponto, com o março valendo US$ 8,94 e o maio, US$ 9,08. 

"A especulação não possui fortes “munições” (notícias) para manter uma tendência específica. Além do mais, assim como estamos ressaltando há semanas, sem os relatórios do USDA o mercado fica sem uma definição de tendência de longo-prazo, enfrentando dificuldades de sustentar as altas ou pressionar as quedas", explicam os analistas da ARC Mercosul.

Com toda essa indefinição, falta força para movimentos mais bruscos do mercado neste momento. 

Que as perdas foram severas na produção brasileira, o mercado já sabe e em parte já as precificou. No entanto, ainda como explica o chegfe do setor de grãos da Datagro, Flávio França, é necessário saber suas reais proporções e entender que as mesmas, ao menos até este momento, são insuficientes para promover uma mudança muito drástica no cenário global de oferta. Dessa forma, uma mudança também muito drástica nos preços na Bolsa de Chicago. 

"As perdas são muito ruins para o produtor, mas não mudam muito o quadro geral. E com as recentes chuvas, as perdas estão estabilizadas", explica. Ainda assim, porém, afirma que caso as adversidades climáticas tirem ainda mais do potencial produtivo da safra e a quebra aumente, o mercado internacional pode sim reagir. 

Estimativas soja

Mercado Brasileiro

Nos portos brasileiros, permanceu a estabilidade entre os preços da soja no porto de Paranaguá, que ainda têm R$ 75,10 para fevereiro. Já no disponível, alta de 0,95% para R$ 74,00 por saca, acompanhando o avanço do dólar nesta quarta. 

Em Rio Grande, por outro lado, novas baixas. O spot perdeu 0,41% para R$ 73,70 e o mês seguinte fechou com R$ 73,30 e queda de 0,27%. 

Os novos negócios são raros ainda no Brasil diante dessa pressão severa sobre os preços, com a comercialização mal chegando aos 35%. Os produtores evitam, portanto, ir a mercado com tantas indefinições montando o cenário atual. 

Leia mais:

>> Soja: Momento não é de novas vendas para produtor brasileiro, orientam consultores

Comentário de Mercado da ARC Mercosul

AgResource-logo

Por Cristiano Palavro

Em meio ao avanço da colheita no Brasil, os preços da soja começam a apresentar movimento mais robusto de queda, já refletindo a chegada da nova oferta e os fatores pouco previsíveis do cenário “extracampo” que têm direcionado o mercado nas últimas semanas.

Além das baixas na Bolsa de Chicago acumuladas nos últimos dias, os prêmios também continuam pressionados e nem do câmbio é possível esperar um alento neste curto prazo. 

Desde de 2018 os alertas para a proteção estratégica vêm sendo ressaltados, e hoje, diante de tantas variáveis ainda em aberto - como o próprio resultado da produção no Brasil - a principal dúvida que paira sobre os produtores brasileiros é quando novas (e boas) oportunidades surgirão.

>> Clique aqu e saiba mais sobre a ARC Mercosul

Tags:
Por: Carla Mendes
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário