Soja fecha com leve alta nesta 3ª feira em Chicago, mas disponível recua nos portos do BR

Publicado em 10/12/2019 18:01
567 exibições

LOGO nalogo

O mercado da soja fechou o pregão desta terça-feira (10) com leves altas na Bolsa de Chicago. Os traders parecem se manter focados na melhora das relações entre China e EUA, mesmo sem trazer grandes mudanças, e com mais atenção às informações das novas cotas da oleaginosa e de carne suína dos EUA isentas da tarifação da nação asiática. 

Além disso, o mercado quase não foi impactado pelos números trazidos pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) em seu boletim mensal de oferta e demanda. Os dados quase não trouxeram mudanças, exatamente como era esperado. 

Nos EUA, a produção foi mantida em 96,62 milhões de toneladas e os estoques finais em 12,93 milhões. As exportações permaneceram estimadas em 48,31 milhões e o esmagamento, em 57,29 milhões. 

Sobre a safra mundial 2019/20 de soja, o USDA trouxe uma revisão para cima das estimativas de 336,56 para 337,48 milhões de toneladas. Os estoques finais passaram de 95,42 para 96,4 milhões. 

A produção brasileira foi mantida em 123 milhões e a da Argentina em 53 milhões de toneladas.

Soja USDA

Assim, o mercado precisa de novas notícias para mudar o cenário dos preços, que agora entra em uma fase de estabilidade entre os US$ 9,00 e US$ 9,50 por bushel, segundo o consultor Vlamir Brandalizze, da Brandalizze Consulting. 

E essas novas notícias, como explica o especialista, viriam do front da disputa comercial entre China e EUA, ou com problemas que pudessem ser enfrentados pela safra da América do Sul.

No Brasil, as condições parecem ter se regularizado, salvo alguns pontos que ainda exigem monitoramento e atenção, como a Bahia e o Piauí. Na Argentina, ainda faltam chuvas expressivas para boa parte das áreas produtoras e as temperaturas estão muito elevadas. 

Leia ainda:

>> Política e Clima: Os desafios do produtor da Argentina para finalizar 2019 e começar 2020

MERCADO NACIONAL

No Brasil, os preços registraram altas e baixas nos portos e interior do país, mesmo com os leves ganhos em Chicago e mais a alta do dólar. Algumas praças de comercialização viram os preços subirem até 2%, porém, o movimento não foi generalizado. Neste final de ano, os negócios vem obedecendo sua regionalidade. 

Nesta terça-feira, a soja disponível caiu 0,56% no terminal de Paranaguá e 0,34% no de Rio Grande, para encerrar o dia com R$ 88,00 e R$ 87,50 por saca, respectivamente. Já a safra nova permaneceu estável em ambos os terminais, com R$ 86,00 e R$ 87,00, nessa ordem. 

Sobre o ritmo dos negócios, Brandalizze voltou a dizer que o momento é de negócios mais limitados, principalmente com a boa evolução da comercialização da safra 2019/20 e da pouca oferta da safra velha para ser ainda a ser negociada. 

Tags:
Por: Carla Mendes| [email protected]
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário