Soja: Com a maior perda diária das últimas décadas, Chicago fecha 5ª com mais de 100 pts de baixa

Publicado em 17/06/2021 17:50 e atualizado em 17/06/2021 18:45 9365 exibições

LOGO nalogo

Mais de cem pontos. Cem. Ou, mais de US$ 1,00 por bushel. Ou, mais de 8%. Essas foram as perdas registradas pelos futuros da soja negociados na Bolsa de Chicago somente no pregão desta quinta-feira (17), as maiores perdas diárias em décadas para a commodity negociada na CBOT. Com isso, o limite de baixa para a soja foi ampliado e é agora de 150 pontos/dia. Dessa forma, o vencimento julho terminou o dia com US$ 13,29 e o novembro, US$ 12,52 por bushel. 

No milho, os principais vencimentos fecharam no limite de baixa e perdendo 40 pontos nos principais vencimentos - ou registrando baixas de mais de 5% -; o trigo perdendo mais de 3%; café e açúcar negociados na Bolsa de Nova York caindo mais de 2%, algodão e petróleo mais de 4,5% e o ouro, perdas de quase 5%. 

Leia Mais:

+ Milho: B3 acumula perdas nesta 5ªfeira com dólar e colheita da safrinha

+ Em dia de baixas generalizadas, café também recua em Londres e em Nova York nesta 4ª feira

+ Açúcar perde quase 3% nesta 5ª feira e volta aos níveis de abril

O dia foi de queda generalizada para as commodities, mais uma vez, e sentiu forte a pressão do dólar index. O índice subiu forte frente a uma cesta de principais moedas e, entre outros fatores, desencadeou um movimento de venda generalizada - o chamado sell-off - de posições entre as commodities, e não só as agrícolas. 

"O petróleo caiu para sua mínima em um mês diante de uma alta do dólar e pelo comportamento dos investidores, que estavam com posições empilhadas para se proteger da inflação, o que promoveu, inclusive, a saída de outros setores", noticiou a Bloomberg nesta quinta. "Tudo o que esta relacionado a commodities caiu forte. Esta é uma liquidação que veio sendo construída há semanas", disse à agência internacional de notícias o representante da Again Capital LLC, John Kilduff. 

O Bloomberg Commodity Spot Index, índice que monitora 23 commodities recuou pela sexta sessão consecutiva, assim como a soja na Bolsa de Chicago, registrando sua pior semana desde o início da pandemia.  As perdas nas posições mais negociadas do óleo de soja passaram de 9% e no farelo, de 4%. Na soja em grão, desde a máxima em oito anos alcançada em maio, a baixa acumulada já é de 20%. 

Índice de Commodities Bloomberg 17.06.2021

Commodities registram pior desempenho desde o início da pandemia - Fonte: Bloomberg

Além do dólar em alta, analistas ainda atribuem as baixas agressivas às recentes informações trazidas pelo Federeal Reserve e os anúncios feitos pela China de sua interferência no mercado de commodities no país, de forma a tentar conter os preços altos. 

Leia Mais:

+ Fed sinaliza alta de juros para 2023 e início de conversa sobre redução de compra de ativos

+ China anuncia novas regras para índices de preços de commodities a partir de agosto

"E então, aquele temor que o mundo tem há algum tempo sobre os estoques chineses, a China tem estoque de tudo. E ela tem esse poder de, em algum momento, estancar o sangramento, no sentido dos preços estarem subindo, segurando as compras e deixando os estoques no mercado. Pelo que vimos, ela começou a fazer isso com metais e com essa sinalização, o mercado se antecipa e acha que vai fazer com grãos e com tudo mais. E ainda o governo chinês fazendo investigações com algumas empresas. E é isso, esse temor de que a China possa mexer nesse mercado, parando de comprar produto e jogando seus estoques no mercado, fisicamente falando", explica Luiz Fernando Gutierrez, analista de mercado da Safras & Mercado. 

FUNDAMENTOS

Além de toda a movimentação do mercado financeiro e do recuo de commodities muito além das agrícolas, os preços da soja ainda tiveram suas perdas intensificadas por fundamentos próprios, como a previsão de clima melhor para o Corn Belt a partir da semana que vem e pelo mercado incerto de biocombustíveis nos Estados Unidos. 

As baixas no óleo de soja vem sendo motivada por uma insegurança que neste momento paira sobre o mercado de biocombustíveis nos EUA com a possibilidade de uma redução no mandatório do biodiesel e do etanol de milho. 

CLIMA NOS EUA

O mercado permanece bastante atento às condições de clima para a próxima semana, onde os mapas do modelo americano ainda mostram a chegada de algumas chuvas e temperaturas mais baixas, até menos abaixo da média, para algumas regiões do Meio-Oeste americano. 

Chuvas nos EUA 23 a 29 de junho - Fonte: NOAA

Previsão de Chuvas para os EUA entre 23 e 29 de junho - Fonte: NOAA

Temperaturas nos EUA 23 a 29 de junho - Fonte: NOAA

Previsão de Temperaturas para os EUA entre 23 e 29 de junho - Fonte: NOAA

Tags:
Por:
Carla Mendes | Instagram @jornalistadasoja
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário