Escoamento da produção é o que preocupa a Aprosoja

Publicado em 29/03/2010 08:47 1331 exibições

O diretor executivo da Aprosoja, Marcelo Duarte, prevê um ano pior do que as últimas safras aos agricultores de milho. Ele confirma a superprodução e que o Estado tem que ter alternativa para escoamento da produção recorde. O excedente de cerca de 7 milhões de toneladas entre o balanço de oferta e demanda, que deve ter na atual safra do milho, precisa urgente da definição do governo federal para política de comercialização. "A situação é mais grave, precisamos escoar".

A dificuldade para retirar o milho de Mato Grosso está nos cálculos que ele apresenta. O diretor relembra que a saca de milho no Estado oscila entre R$ 6,00 e R$ 7,00. E explica que no Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina o custo do produto é entre R$ 18,00 e R$ 20,00. "Mas para levar o milho para lá custa em torno de R$ 12. Por isso o preço da saca aqui é R$ 7". Ele informa que a melhor saída seria investir em logística para o transporte do milho, embora a solução do problema seja só em médio e longo prazo. Cita por exemplo a necessidade de ferrovia e hidrovia. Com a alternativa de transporte, frisa, não seria necessário o ministério investir R$ 1 bilhão por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) na comercialização por Aquisições do Governo Federal (AGF), como fez no ano passado.

O superintendente da Conab em Mato Grosso, Ovídio Costa, afirma que Mato Grosso dispõe de capacidade para 27 milhões de toneladas em armazéns cadastrados. Mas nesse total estão os 2,9 milhões de toneladas de estoques de milho do governo em 190 empresas credenciadas. A princípio o volume de estocagem parece suprir a demanda da produção. Mas o problema é que entre estoque e produção de soja, 19 milhões de toneladas tem que ser para a cultura, explica Ovídio. Como cerca de metade da soja foi comercializada e escoada, afirma, tem em estoque cerca de 10 milhões de toneladas, somado a mais outras culturas, vê-se que a capacidade está no limite.

Comercialização - No apoio à comercialização em Mato Grosso em 2009, o Ministério da Agricultura deu suporte para escoar cerca de 7 milhões de toneladas de milho. A maioria, 3,8 milhões de toneladas (55%) foi por meio de Prêmio para Escoamento de Produto (Pep). Outro mecanismo que garantiu o escoamento do produto foi o Prêmio de Escoamento da Produção (Pepro), com 1,337 milhão de toneladas. Já os Contratos de Opção somaram 1,421 milhão de toneladas. Em todos os apoios à comercialização Mato Grosso teve participação elevada, com a média geral de 52%.

Tags:
Fonte:
Gazeta Digital

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário