Com direção indefinida, soja encerra a terça-feira com leve queda em Chicago

Publicado em 03/11/2010 07:15
290 exibições
Aparente indefinição da tendência das cotações futuras de soja permanece em Chicago. Reunião do FOMC quarta-feira aguardada com grande interesse.
Clique aqui para ampliar!

Comentário:

As cotações futuras de soja relativas aos três primeiros vencimentos fecharam com perdas insignificantes, nesta terça-feira, dois de novembro de 2010, na Bolsa Mercantil de Chicago (CME), conforme a tabela acima.

Analistas proclamam que a tendência altista das cotações futuras de soja em Chicago estaria mostrando sinais de exaustão e com dificuldade de prosseguir, sem anúncios diários de novas e volumosas compras chinesas da oleaginosa norte-americana, ao mesmo tempo em que lutam para superar os obstáculos representados por notícias favoráveis pertinentes ao clima na América do Sul. Estão também aparecendo previsões privadas relativas a possíveis aumentos de produtividade média das lavouras de soja nos EUA e a possível aumento da magnitude da safra norte-americana 2010/2011.

Entretanto, a persistente fraqueza do Dólar dos EUA perante outras moedas conversíveis, os rallies de alta do petróleo e dos metais preciosos e a firme demanda global (e particularmente chinesa) de soja física conferem inequívoco suporte às cotações futuras de soja em Chicago, limitando os riscos de retrocesso.

Na quarta-feira ocorrerá reunião nos EUA do Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC - Federal Open Market Committee) que deverá decidir se aumenta ou não a liqüidez na economia norte-americana, através da recompra de papéis de longo prazo do Tesouro daquele país.

Muitos analistas financeiros acreditam que o FOMC irá mesmo injetar amplos recursos monetários na economia estadunidense ao comprar amplo volume dos aludidos papéis, pois esta parece ser a atual estratégia do Governo Obama de retomada do crescimento econômico, para diminuir o desemprego. Se esta hipótese (em que o SojaNet acredita) for confirmada na quarta-feira, três de novembro corrente, o Dólar dos EUA deverá desvalorizar-se mais ainda, enquanto os preços das commodities de exportação (inclusive da soja) deverão valorizar-se sensivelmente.

As retas de tendência linear (pelo método de mínimos quadrados) abaixo traçadas fazem crer na relativa improbalidade de curto prazo de reversão abrupta da tendência altista das cotações futuras de soja plotada desde meados de agosto último. A tendência cadente do valor do Dólar dos EUA tem efeito altista para as cotações futuras da oleaginosa, em Chicago.
Tags:
Fonte: SojaNet

Nenhum comentário