Açúcar: No Brasil, exportações são mais rentáveis do que vendas no mercado interno ,diz Cepea

Publicado em 28/02/2012 11:00 e atualizado em 28/02/2012 12:04 925 exibições
As exportações de açúcar do Brasil, maior produtor mundial da commodity, são mais rentáveis do que as vendas internas pela primeira vez desde outubro, segundo um estudo feito pelo Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada) da Universidade EsALQ/USP.

As vendas internacionais de açúcar estiveram, em média, 4,2% mais atrativas do que as vendas no mercado doméstico, na semana passada. Esta foi a primeira vez, desde a semana entre 17 e 21 de outubro, que os lucros com os embarques bateram os preços do mercado interno, disse a pesquisadora do Cepea Heloísa Lee Burnquist, em um relatório divulgado hoje.

"As cotações no mercado internacional têm sido estimuladas por especulações de uma oferta menor de açúcar no curto prazo. O mercado ainda está enfrentando as consequências de uma menor produção brasileira", completou Heloísa em seu reporte. 

A produção de cana-de-açúcar na região Centro Sul do Brasil, a principal região produtora do Brasil, diminui pela primeira vez em uma década na temporada 2011/12. De acordo com a UNICA (União das Indústrias de Cana de Açúcar), a produção até 1º de fevereiro era de 493,5 milhões de toneladas, 11% menor do que o registrado há um ano. No último dia 14, a associação havia informado que a colheita estava praticamente concluída. 

Os estoques de açúcar podem ser 20% menores do que no mesmo período do ano passado, de acordo com a pesquisadora do Cepea. 

Na Bolsa de Nova York, os futuros do açúcar demerara - o açúcar bruto - já registraram somente este mês uma alta de 8%. Porém, "rumores de que usinas do Centro-Sul do Brasil estariam liberando açúcar estocado para exportação que previamente destinado ao mercado interno estão abalando os vencimentos março e maio em na NYBOT", informou a corretora Sucden Financial, de Londres, por meio de um relatório divulgado ontem. 

Com informações da Bloomberg. 
Por:
Carla Mendes
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário