Cana transgênica pode garantir aumento na produção de etanol

Publicado em 14/07/2011 09:21 287 exibições
Variedade está sendo desenvolvida em Brasília há três anos.
Em Brasília, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) está desenvolvendo uma variedade de cana-de-açúcar transgênica que é tolerante à seca. Essa característica, além de reduzir os prejuízos nos canaviais, poderá garantir o aumento da produção de etanol. Os estudos começaram há três anos.

Um gene comum em ervas daninhas japonesas foi isolado e é inserido em uma variedade comercial de cana-de-açúcar cultivada nas regiões Sudeste e Sul do Brasil. Além de receber nutrientes, as plantas transgênicas são colocadas num refrigerador especial e envolvidas em plástico para garantir a umidade e a luminosidade ideais.

As primeiras mudas de cana transgênica têm como principal característica a tolerância à seca. Problema que chega a provocar até 50% de perdas nos canaviais. O próximo passo será a reprodução das mudas em estufas. No ano que vem começa o cultivo em canteiros experimentais, por no mínimo três anos. A liberação comercial, que ainda vai demorar, é vista como uma oportunidade de reduzir os prejuízos nas lavouras.

– Se você tem perdas de 10% até 50%, se com essas variedades modificadas você conseguir minimizar 5%,10%, 20% da perda que ela teria, isso é um ganho fantástico para o setor – explica o pesquisador da Embrapa Agroenergia, Hugo Molinari.

Em parceria com a Rede Interuniversitária para o Desenvolvimento do Setor Sucroalcooleiro, a Embrapa também pretende desenvolver uma planta tolerante ao frio.

– Na região Sul, a Embrapa tem um projeto em parceria com a Ridesa, a Embrapa Clima Temperado, em Pelotas (RS), onde a questão da geada, no início do desenvolvimento da cultura é uma questão importante, assim como a questão dos períodos de seca que também são muito importantes para a região – relata Molinari.

Além de garantir a expansão do cultivo, as variedades transgênicas podem servir para ampliar a produção de etanol.

– A condição de competição do álcool com a gasolina seria melhorada por conta de uma menor parcela de custo de transporte. Assim mais proprietários de veículos flex poderiam optar pelo álcool, que é muito bom gerando empregos e renda em outros locais – observa o consultor em energia, Francisco Sousa.

Fonte:
Canal Rural

0 comentário