Clima favorece e produção de fumo no país deve se aproximar de 700 mil toneladas nesta safra

Publicado em 17/03/2017 12:48
216 exibições
Até o momento, 95% da área cultivada nesta temporada já foi colhida e rendimento deve ficar ao redor de 2,3 mil quilos por hectare. Preço de referência gira em torno de R$ 8,88 o quilo, mas rendimento maior pode compensar produtores. Safra passada ficou em 525 mil toneladas devido aos problemas climáticos.
Confira a entrevista de Benício Albano Werner - Presidente AFUBRA - Ass. dos Fumicultores do Brasil

O presidente da Associação dos Fumicultores do Brasil (AFUBRA), Benício Albano Werner, em entrevista ao Notícias Agrícolas, deu alguns detalhes sobre a safra do tabaco no Brasil.

O tabaco, que é produzido prioritariamente nos três estados do Sul e, em menor escala, na Bahia e no Alagoas, voltado para o charuto, deverá ter uma safra de cerca de 652 mil toneladas este ano. 95% da produção já foi colhida, com uma área plantada de cerca de 258 mil hectares.

A comercialização deverá iniciar forte no mês de março, mas as compras já ocorrem desde o mês de dezembro. Até os meses de julho e agosto, deverá haver algum volume negociado, já que a produção neste ano está bem acima do ano passado.

No ano passado, com preços bons para os produtores, a oferta estava abaixo da demanda e, com isso, as empresas compradoras realizaram um leilão. Neste ano, deverá ocorrer o contrário - a oferta deve ficar acima da demanda.

A safra deverá ter uma média de produtividade 2360kg por hectare e um preço maior do que R$8,88 por quilo pago aos produtores. Este valor compensa os custos de produção. A AFUBRA também realiza uma campanha para travar a área e, consequentemente, os preços.

Alguns prejuízos para os produtores são gerados a partir de pressões por aumento de impostos sobre os produtos finais e também em torno do contrabando de cigarros. Além disso, uma parte dos produtores abandonam suas produções e passam a habitar os centros urbanos.

Depois da colheita do tabaco, no entanto, os fumicultores investem em outras culturas - com o milho em primeiro lugar. A soja ocupou o segundo lugar na preferência, por conta dos preços. Anteriormente, este lugar era ocupado pelo feijão.

Por: Fernanda Custódio e Izadora Pimenta
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário