Agronegócio continua como âncora da economia e deve bancar saída de nova crise política instalada no Brasil

Publicado em 18/05/2017 15:28 e atualizado em 19/05/2017 10:09
3086 exibições
Crise política pode afetar andamento das reformas, atrasar negociações sobre o próximo plano safra e interromper negociações sobre cobrança do funrural

Podcast

Roberto Rodrigues - Coord. Centro de Agronegócio-FGV

Download

Frente ao atual cenário, o professor Roberto Rodrigues, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), diz que ângulos devem ser analisados: os efeitos sobre o agronegócio e como o nosso agronegócio reagirá a esses efeitos.

Para ele, questões fundamentais para o Brasil crescer, como as reformas que estavam em andamento, serão paralisadas. Assim, resta saber quão profundo serão os efeitos dessa delação sobre as reformas.

Ele lembra que o agronegócio continua sendo a âncora do país e que, não obstante tudo isso, o agronegócio deve bancar a saida dessa crise. "Precisamos de mão firme na direção e olho na estrada", diz o professor.

O cenário que se traça a partir dessa situação de crédito mais caro, aumentos dos custos e quebra de confiança, serão um custo caro para a agricultura, assim como o Plano Safra anunciado às pressas.

Uma pessoa de confiança do setor econômico, para o professor, considerando o fim do governo Temer, que ainda não é uma coisa clara, seria necessária. Dessa forma, precisaria-se de um grande pacto para definir um nome que seja capaz de fazer parte deste projeto.

Para o professor, é preciso ter muita seriedade em relação aos governantes que serão escolhidos nas próximas eleições, já que essas decisões irão definir o futuro do país.

Tendo em vista que Michel Temer não aceitou renunciar em seu pronunciamento realizado hoje, o professor diz que esse posicionamento era esperado, mas que "isso tem que ser esclarecido à exaustão".

Fonte: Notícias Agrícolas

1 comentário

  • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

    Nós somos dominados por essa oligarquia comunista que vive de falar platitudes. Roberto Rodrigues não fala absolutamente nada que se aproveite. Evidente que se a crise se manter vai afetar o agronegócio, mas de formas diferentes nas diferentes cadeias produtivas. E esses efeitos são imprevisiveis, não tem como saber. Manter maõs no volante e olho na estrada é conversa mole que escutamos em qualquer pátio de motoristas, um nome à frente é o velho messianismo em que um salvador da pátria dotado de qualidades especiais conduzirá o rebanho pelo deserto que se tornou o governo brasileiro. Um "plano" safra para "salvar" o país é o discurso mais batido que conheço. Sempre foi assim, o governo é que determina o que plantar, como plantar, no que investir e como comercializar. Ou alguém já viu uma manifestação de produtores rurais com faixas e cartazes, gritando... queremos um plano safra, queremos um plano safra..??? Não dá prá levar a sério uns picaretas desses.

    2
    • PAULO ROBERTO RENSIBANDEIRANTES - PR

      He! He! (risos). Entre 15:10" e 18:04" do vídeo aparece minha pergunta "editada" e a resposta do entrevistado nos padròes que o Sr. descreveu.

      1