Em caso de perdas por geada e estiagem o seguro será pago por talhão, diz seguradora

Publicado em 19/07/2019 17:36 e atualizado em 20/07/2019 17:38
706 exibições
Entrevista com Joaquim Cesar Neto - Gerente da Tokio Marine
Joaquim Cesar Neto - Gerente de Produtos Agro Tokio Marine Seguradora S/A

Podcast

Entrevista com Joaquim Cesar Neto - Gerente de Produtos Agro Tokio Marine Seguradora S/A

Download

 

Fonte: Notícias Agrícolas

1 comentário

  • Guilherme Frederico Lamb Assis - SP

    Sobre o novo sistema de seguro: ... parece uma evolução nos moldes de países onde o seguro funciona, porem não vai aumentar a adesão se não mudar a forma de cobertura dos seguros agrícolas.... para um caso como o meu, que nos últimos 20 anos tive apenas 3 situações climáticas extremas, o seguro resultou num nível de garantia irreal para o custo e os níveis tecnológicos atuais,.... praticamente não cobriu nada, ... em 2005/2006 cobriu somente 22 sacas de soja por ha com uma produtividade de 29 sacas por ha, ... em 2011/12 onde o valor segurado era de em torno 27 sacas por ha e a produtividade 31 sacas por ha ... e 2013/14, onde o problema foi granizo na colheita, fechando uma media de 39 sacas ha com cobertura de 30 sacas.... em uma propriedade que nos últimos 20 anos nunca teve uma produtividade menor que 30 sacas por ha na pior das situações não faz sentido pagar caro em um seguro que garante 25 sacas por ha... é como fazer um seguro de um carro de 100 mil reais com franquia de 105 mil... Ninguém vai aderir voluntariamente.

    0
    • Rafael Antonio Tauffer Passo Fundo - RS

      O problema no Brasil é que o seguro agrícola só garante quem financia a lavoura (por exemplo os bancos)... ou seja, não garante renda nenhuma para o produtor... e quase sempre, na hora de pegar o financiamento, o banco exige o seguro e agora muitas cooperativas estão exigindo também... sem falar na fortuna que custa ao produtor rural.

      1
    • Rubenson Antônio Assinck Santa Bárbara do Sul - RS

      Correto Sr. Rafael, o seguro é para o banco, e não para o produtor. O PROAGRO deveria se chamar PROBANCO.

      0
    • Guilherme Frederico Lamb Assis - SP

      Bem colocado Rafael, uma fortuna no caso, pois tem um nível de cobertura completamente irreal, com base em teorias genéricas. Esse seguro ProBanco que citei me custou 170 reais por ha, ou 2,45 sacas de soja por ha, o que para um seguro que não cobre nada na pratica é um absurdo.

      é cômodo vender seguro assim, onde a franquia esta em níveis altíssimos, acima de qualquer dano imaginável, aqui para produzir abaixa de 32 sacas por ha so se cair um meteoro na lavoura, porque seca, calor infernal e granizo com a realidade atual ja não afetam a produtividade nesse patamar, porem o custo é muito maior que isso...

      0
    • Guilherme Frederico Lamb Assis - SP

      outro aspecto que afasta possíveis clientes do seguro agrícola é forma com que a saca é precificada, sempre multiplicando o valor do dia por 60 ou 70% ou usando preço mínimo da conab.

      Ou começam a trabalhar de acordo com as demandas do mercado e formular planos condizentes, atendo produtores individualmente de acordo com a realidade de cada um ou o seguro brasileiro vai continuar abrangendo os 10% de area, isso porque boa parte desses esta financiando em banco e adquirindo compulsoriamente.

      meu seguro total, incluindo o seguro de penhor de safra custou equivalente a 9,2% do valor financiado, somado ao juros de 7%, mais a IOF, mas o registro em cartório, ultrapassa os 17% o custo efetivo.

      Isso sem contar seguro de vida, consórcios, seguro de imóvel e capitalizações que vão entrando ao longo do caminho em nome da "boa relação com o banco".

      0
    • Rafael Antonio Tauffer Passo Fundo - RS

      Ano passado eu fiz seguro que cobria só granizo, não lembro o valor.... Vou fazer a cotação esse ano e depois posso colocar o valor.

      0