Aprosoja MT analisa fertilizantes e conclui que 30% das amostras tem problemas que podem impactar na produtividade das lavouras

Publicado em 19/11/2019 14:13 2961 exibições
Lucas Beber - Diretor da Aprosoja Mato Grosso
Aprosoja MT pede aos produtores rurais que façam análises dos fertilizantes antes do plantio

Podcast

Aprosoja MT pede aos produtores rurais que façam análises dos fertilizantes antes do plantio

Download

LOGO nalogo

A Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja) constatou que 30% dos fertilizantes utilizados por produtores do estado têm problemas que podem comprometer a produtividade. De acordo com o diretor administrativo da associação, Lucas Beber, foram recolhidas amostras de 386 propriedades, e o resultado é alarmante já que, depois das sementes, os fertilizantes representam o maior custo para a produção. Foram encontradas amostras com muito pó, empedradas e até adulteradas.

-- "Quando falamos em números, 30% é um dado expressivo, mas mesmo que fosse 1% nós ficaríamos preocupados, porque os produtores do estado vem há anos fechando no prejuízo. O Mato Grosso é o estado que mais sofre por conta de logística, então se tivermos 1% dos fertilizantes com problema ou adulterados, já é o suficiente pra tirar um produtor da atividade", afirma.

A dica dada por Beber é que o produtor, assim que receber o produto em sua propriedade, retire amostras para enviar a laboratórios de confiança para serem analisados, de preferência em locais certificados pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) ou pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Ter um agrônomo de confiança para acompanhar o processo é outro fator importante destacado por ele. Caso seja constatado algum problema com o produto, a empresa fornecedora deve ser comunicada imediatamente, antes que o produtor utilize o fertilizante.

Segundo ele, todo ano a Aprosoja realiza o Circuito Tecnológico, ocasião na qual supervisores de campo da associação visitam os produtores coletando informações e dando orientações, e foi durante este circuito que as amostras foram coletadas.

De acordo com Beber, foram constatados três problemas com os fertilizantes dos produtores matogrossenses: ou estavam com muito pó, ou empedrados, e até mesmo adulterados, tendo menor concentração dos princípios ativos do que o fornecedor garante. 

O diretor explica que quando tem muito pó no fertilizante, para quem trabalha a lanço, não há homogeneidade na aplicação, ou se o produtor utiliza o insumo na plantadeira, o grão mais fino cai primeiro. Da mesma forma, se o produto estiver empedrado, aaplicação será irregular. "Hoje se fala em agricultura de precisão, mas de nada adianta fazer um trabalho desse se o produto que está sendo aplicado tem uma discrepância grande. Onde cai fertilizante demais intoxica a planta, onde cai de menos, falta nutriente", afirma.

No caso do fertilizante adulterado, Beber conta que houve relatos de que durante o transporte, quadrilhas desviam a carga para algum local onde o produto é descarregado, e no lugar dele é colocado algum componente com a granulometria semelhante, mas que não tem as propriedades fertilizantes, ou mesmo misturando para "diluir". "Tivemos relatro de agricultor que comprou o produto que deveria ter 18% de fósforo, mas que no momento em que fez a análise, deu 6%" conta. 

Segundo ele, a maioria dos produtores compra para receber na fazenda, então cabe ao fornecedor ter mecanismos para rastrear a carga, e o produtor precisa estar atento às análises para não sofrer perdas.

Por:
Aleksander Horta e Letícia Guimarães
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário