Pressão baixista dos frigoríficos aumenta após perdas médias de 5% no preço da carne em maio diante de um recuo de 1,5% na arroba do boi

Publicado em 29/05/2015 12:52
Pressão baixista dos frigoríficos aumenta após perdas médias de 5% no preço da carne em maio diante de um recuo de 1,5% na arroba do boi

A pressão dos frigoríficos sobre a arroba do boi gordo se intensificou com o recuo também no preço da carne. Na média, a carne caiu 5% no mês de maio e a arroba do boi gordo recuou 1,5%.

"Mesmo com o boi caindo, a carne caiu mais na proporção, isso faz com que a margem do frigorifico piore mesmo no período de safra", afirma Alves.

Mesmo com a pressão, os pecuaristas resistem em entregar o gado abaixo da referência, afirma César de Castro Alves, analista da MBAgro. Em São Paulo a média do Cepea trabalha em R$ 147,60/@.

Contudo, o início do período de estiagem deve piorar as condições das pastagens, e a tendência é que os pecuaristas comecem a oferta mais gado no mercado. "Deve ter uma desova de gado atrasado, porque as chuvas se alongaram e os pastos estão bons em muitas regiões, mas a tendência é que isso diminua agora, então se não tiver uma entrada de gado de confinamento em junho e julho é possível que o preço volte a subiu, a dúvida é a carne em que patamar vai se sustentar", considera Alves.

Para ele, o consumo interno da carne bovina pode ter uma leve recuperação, caso o preço da carne se acomode. No caso das exportações, Alves afirma que o cenário ainda não é positivo no curto e médio prazo, mesmo com as notícias de abertura de mercado para China e Estados Unidos.

Tags:
Por:
Aleksander Horta e Larissa Albuquerque
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário